Volta às aulas 2022: como o colégio deve se preparar

Acolhimento e cuidado com os professores, carga horária equilibrada, continuidade dos procedimentos sanitários… Confira os itens que devem ser prioridade dos colégios nesta volta às aulas

Volta às aulas 2022 está logo aí. Embora a pandemia pareça ter se tornado mais controlável no momento, o retorno à classe certamente não será como nos anos anteriores. Com dois anos consecutivos de aprendizado remoto e híbrido, este retorno totalmente presencial provavelmente terá uma boa dose de esperança.

Ao discutir como o colégio deve se preparar para o novo ano letivo, devemos destacar que estamos falando de forma geral. É importante ter em mente que cada situação tem suas singularidades e desafios, e isso é mais verdadeiro do que nunca no que diz respeito aos alunos.

Cada aluno lidou com a aprendizagem remota de maneira diferente. O bem-estar mental dos alunos é um aspecto fundamental a se considerar porque, por dois anos, muitos deles não interagiram com professores ou colegas como antes. Alguns nem mesmo tiveram a chance de interação.

Além do mais, a perda de aprendizado é outro aspecto crucial para ficar de olho. Mesmo que vários alunos tenham tido sucesso remotamente ou em cenários combinados, outros ficaram para trás. 

De qualquer maneira, o ano letivo de 2022 oferece uma grande oportunidade para os professores. Eles deverão ser capazes de canalizar o que aprenderam para esta nova jornada, obtendo o melhor dos dois mundos; aprendizado remoto e presencial.

5 dicas para o colégio

Considerando tudo, do desgaste emocional aos cuidados na gestão de pessoas, sem esquecer do básico, como distanciamento mínimo permitido, uso de máscaras e álcool gel, vamos elencar 5 dicas de como o colégio deve se preparar para a volta às aulas 2022.

1. Crie diálogo com os alunos

Incentive os alunos a compartilharem seus sentimentos sobre o último ano letivo e não limite isso aos assuntos acadêmicos. Depois de criar esse diálogo, leve a conversa para soluções e pontos de gratidão. Pergunte aos alunos o que estão sentindo e o que precisam para ter sucesso neste ano letivo. Pergunte também aos alunos por que eles são mais gratos. 

Os princípios de aprendizagem socioemocional são úteis e essenciais após eventos traumáticos como a pandemia. Esse tipo de aprendizagem  envolve a criação de um ambiente onde os alunos são desafiados a serem autoconscientes, compreender o impacto de suas decisões sobre os outros e, então, fazer escolhas com base nas implicações sociais.

Além disso, o ensino socioemocional está presente na BNCC (Base Nacional Comum Curricular). Inclusive, o blog do IsCool App publicou recentemente o artigo Os desafios da educação socioemocional na nova realidade escolar que fala sobre como ficou a aplicação prática das competências socioemocionais previstas pela BNCC durante a pandemia.

2. Reconheça as necessidades dos professores

Não existe um manual do professor sobre como retornar de uma pandemia. Ouvir, observar e ajustar serão importantes, além de oferecer uma carga horária equilibrada a eles.

Se o professor precisar desviar uma lição para as necessidades socioemocionais dos alunos, apoieSe ele precisar falar com alguém sobre como o ano passado foi difícil, escute.

A escola está em um território desconhecido e para preparar seus alunos para o sucesso precisará ser vulnerável, bem como pedir aos alunos que não tenham receio de parecerem vulneráveis e fazer ajustes que atendam às necessidades coletivas em sala de aula. 

Os professores são pioneiros nessa nova educação. Por isso, sua escola deve reconhecê-lo e ajustar-se de acordo.

3. Continue investindo em tecnologia

A tecnologia certamente tem permitido que escolas e professores superem diversos desafios do cenário de aprendizagem a distância. Além disso, provou ser particularmente eficaz no apoio aos alunos durante um período tão desafiador. 

A demanda por salas de aula digitais aumentou significativamente no ano passado, dando início a uma grande revolução no cenário educacional. A “era do aprendizado remoto” nos ensinou várias lições valiosas que não devemos esquecer ao nos aproximarmos de 2022.

O aprendizado remoto elevou a alfabetização digital entre professores a níveis sem precedentes. Também motivou educadores a explorar novas formas e abordagens criativas para garantir que o aprendizado pudesse continuar remotamente. É por isso que, ao retornar à sala de aula física, é importante lembrar o quanto as ferramentas digitais podem aprimorar o aprendizado e o ensino.

Professores e alunos precisam estar equipados com a tecnologia adequada para brilhar da melhor forma. A tecnologia continuará a oferecer mais e mais oportunidades para as escolas.

4. Aposte no ensino híbrido

Para começar, o ensino híbrido definitivamente veio para ficar. A integração de elementos digitais nas aulas do dia a dia certamente proporcionará uma experiência envolvente e refinada para os alunos.

O aprendizado híbrido oferecerá uma grande oportunidade de explorar simultaneamente as ferramentas tecnológicas, tanto para os alunos que frequentam a sala de aula quanto para os que participam de casa.

O melhor de tudo é que os alunos adoram se envolver com a tecnologia. Enquanto lidam com as tarefas da sala de aula, as ferramentas tecnológicas comprovadamente aprimoram a retenção do aprendizado. 

Pesquisas mostram que os jovens alunos que usam a tecnologia educacional superam os que aprendem o mesmo conteúdo sem tecnologia. Além disso, as ferramentas digitais também permitem que vários alunos aprendam no seu próprio ritmo e estilo de aprendizagem, o que é uma grande vantagem.

Saiba mais sobre o assunto através do e-book Ensino Híbrido, Personalização e Tecnologia na Educação, publicado pela Fundação Lemann. 

5. Incentive o engajamento e a curiosidade

Tendo em vista que a aprendizagem é um processo social e interativo, a escola deve incentivar o engajamento e a curiosidade dos alunos de forma a afetar positivamente esse processo. 

Para isso, certifique-se de que a sala de aula seja acolhedora e convidativa, tanto do ponto de vista físico quanto mental. Não deixe de lado os protocolos sanitários básicos, como pedir aos alunos que lavem as mãos sempre que possível, bem como incentivar o uso de álcool gel e máscaras.

É importante também que o professor faça conexões pessoais com cada um dos alunos. E que ajude os alunos a se conhecerem. Eles precisam se sentir seguros com o professor e com seus colegas. 

 A escola deve apresentar aos alunos as rotinas de sala de aula de maneiras divertidas e interessantes. Mesmo os alunos que já retornam à escola precisarão ser ressocializados no ambiente acadêmico.

Cabe ao professor manter as demandas acadêmicas mínimas com ênfase no que os alunos já aprenderam, reconhecendo que haverá perda de aprendizado para muitos. É importante lembrar que a pandemia ainda não acabou e a escola terá alunos que estão em lugares diferentes do ponto de vista acadêmico, comportamental, emocional e social.

Embora a educação tenha continuado nesses anos de pandemia, os resultados de longo prazo do período mais desafiador da história da educação ainda precisam ser totalmente explorados. A volta às aulas 2022 servirá como um campo de provas para este desafio.

Deixe uma resposta