O papel da tecnologia no apoio pedagógico

Como o apoio pedagógico, antes chamado reforço escolar, tem se beneficiado das novas tecnologias educacionais e se tornado estratégia essencial na retomada do ensino presencial

Já é sabido que uma das consequências da pandemia do Covid-19 para a educação foi o uso repentino do ensino a distância. É provável que essa mudança abrupta tenha levado ao aprendizado abaixo do ideal se comparado ao ensino presencial. Isso porque professores, alunos e escolas tiveram que se ajustar inesperadamente a uma situação nova. 

Com a volta do ensino presencial, escolas e famílias estão recorrendo às aulas de reforço escolar, ou aulas de apoio pedagógico, para tentar superar essa situação de defasagem educacional. Para se ter uma ideia, os alunos brasileiros do 3º ano do ensino médio, por exemplo, deverão concluir esta etapa de ensino em 2021 sabendo apenas 20% do esperado em português. Em matemática, eles poderão regredir.

Esses dados foram divulgados pela pesquisa “Perda de aprendizagem na pandemia”, promovida pelo Instituto Unibanco e o Insper. Mesmo com as adaptações ao ensino on-line, o estudo diz ainda que a perda de aprendizagem acumulada devido à pandemia é estimada em 74% e que o déficit deverá impactar até a renda desses jovens ao longo da vida, retirando 0,5% do salário. Não é sem razão que as aulas de reforço escolar têm ganhado cada vez mais importância. 

A seguir, entenda como acontece o reforço escolar hoje e como ele, junto das tecnologias educacionais, será fundamental para a mitigação da defasagem no aprendizado durante e pós-pandemia.

Reforço escolar em tempos de pandemia

A demanda pelo reforço escolar sempre existiu como forma de auxílio, mas aumentou com o Covid-19. Muitos pais começaram a procurar esse apoio pedagógico já durante a pandemia devido às dificuldades dos filhos em acompanhar as matérias. E como o reforço escolar é, geralmente, tratado de forma individual e personalizada, atuando exatamente nas dificuldades do aluno, eles de fato aprendem e evoluem. 

As escolas particulares já estão oferecendo aulas de apoio pedagógico no contraturno do ensino presencial, principalmente das disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática, uma vez que essas matérias são consideradas fundamentais e base para os demais conteúdos. Cada escola está oferecendo as aulas de reforço escolar de acordo com o histórico e as necessidades individuais dos alunos.

De qualquer forma, vale lembrar que o reforço escolar deve ser um ambiente de ensino agradável e confortável. Por isso, as escolas devem garantir que, nesses espaços, os alunos se sintam à vontade para tirar suas dúvidas quantas vezes forem necessárias. Além disso, devem buscar transformar as aulas de reforço em aulas leves e divertidas

Para tanto, podem utilizar os recursos das tecnologias educacionais para reforço escolar de forma a tornar as aulas mais interativas. Sabemos que práticas pedagógicas eficazes e facilidade com as ferramentas digitais são condições necessárias, mas não suficientes para garantir a eficácia do ensino e aprendizagem on-line.

Tecnologias educacionais no apoio pedagógico

Para as aulas de apoio pedagógico, a tecnologia pode ajudar a educação a dar um salto de várias maneiras. Ela pode:

  • Fornecer aprendizado individualizado, acompanhando o progresso e personalizando atividades para atender a salas de aula heterogêneas;
  • Apoiar a aprendizagem lúdica por meio de abordagens como jogos;
  • Permitir que os alunos colaborem e se envolvam com colegas em diferentes partes do mundo;
  • Oferecer plataformas para coleta e análise de dados que levam a melhorias no sistema educacional mais amplo. 

Mas, como já vimos também, o simples uso da tecnologia não garante um impacto no aprendizado. A introdução da tecnologia nas escolas frequentemente se concentra em reforçar as práticas tradicionais de ensino e aprendizagem, em vez do que é realmente necessário para superar a educação: aplicar, avaliar e criar conhecimento.

Pesquisas recentes mostraram que, em vez de usar a tecnologia para exercícios intensos, a tecnologia é bem-sucedida quando é interativa, inclui feedback em tempo real e permite que os alunos apliquem e avaliem criativamente o que aprenderam.

Apoio tecnológico na prática

A tecnologia pode fornecer detalhes ou reforço por meio de vídeos e suporte para experiências de aprendizagem lúdicas. Ela pode fornecer problemas práticos infinitos e acompanhar o progresso do aprendizado personalizado.

A tecnologia pode levar educação para alunos com necessidades especiais que inviabilizem sua frequência em salas de aula típicas, por exemplo. E pode ajudar o conhecimento e as informações a chegarem a alunos remotos ou de difícil acesso, que não têm outro acesso às salas de aula e aos materiais educacionais.

É importante observar que a tecnologia não pode substituir os professores, nem é provável que isso ocorra. De acordo com uma pesquisa da consultoria norte-americana McKinsey & Company, o ensino é uma das profissões menos prováveis de ser automatizada no futuro.

Quando usada de forma eficaz como uma ferramenta para aprimorar o aprendizado, a tecnologia tem o poder de transformar as interações entre alunos e professores e aumentar o aprendizado dos alunos.

Reforço escolar pelo mundo

É fato que as escolas públicas e particulares brasileiras devem garantir que os alunos que ficaram para trás recebam o apoio de que precisam para alcançar as metas de aprendizagem esperadas. Mas, como as escolas estão oferecendo esse apoio pedagógico ao redor do mundo? 

Pesquisas internacionais mostram que programas de tutoria de 12 semanas podem ajudar os alunos a fazer o tipo de progresso que seria esperado de três a cinco meses de escolaridade normal.

Na Itália, por exemplo, os alunos do ensino fundamental que receberam três horas de aulas de reforço on-line por semana por meio de um computador, tablet ou celular tiveram um aumento de 4,7% em seu desempenho em matemática, inglês e italiano.

A Ucrânia está implementando programas de continuidade de aprendizagem, inclusive por meio do estabelecimento de plataformas para ensino a distância. O projeto ucraniano ajuda professores e alunos a permanecerem conectados, obtendo acesso a materiais educacionais e dando continuidade à escolaridade durante o período de medidas restritivas.

A plataforma contém aulas em disciplinas básicas e consiste em vídeos, testes e um compêndio de aulas. Os alunos também têm a oportunidade de acompanhar seu progresso de aprendizagem. As informações são do site do Banco Mundial. 

Leia também

Como diminuir as perdas educacionais da pandemia?

Deixe uma resposta