Quanta atenção seu colégio aplica à segurança da informação?

Processos claros e bem difundidos como a Política de Segurança da Informação são imprescindíveis e, diferente do que muitos pensam, a segurança da informação não é somente uma responsabilidade do departamento de TI

Seguranca-Informacao-IsCool App-aplicativo escolar

Dados pessoais de alunos e famílias, informações financeiras, resultados de provas e centenas de documentos importantes são criados e arquivados diariamente nas dependências de um colégio. Pensando nisso, aqui vai uma pergunta:

  • Qual o valor estimado dessas informações que seus sistemas guardam?

Agora, com base na resposta à pergunta anterior, fica uma segunda dúvida:

  • Diante desse valor e dessa responsabilidade que acabou de elencar, qual tem sido o investimento em segurança da informação que seu colégio tem feito?

Entre tantas preocupações de um gestor escolar, a segurança da informação nem sempre ganha destaque na pauta ou, acaba sendo direcionada para somente uma área, a de TI, duas falhas que podem parecer pequenas, mas que colocam em risco toda uma imagem de anos do colégio. E porque gestor nenhum quer correr esse risco, abaixo listamos alguns pontos de atenção e dicas às quais todo colégio deveria se atentar.

 

Afinal, o que é segurança da informação na prática?

A segurança protege as informações e dados de uma organização, baseando todas as ações do tripé: tecnologia, processo e pessoas. Aqui, está inserido o compromisso com confidencialidade, integridade, disponibilidade e autenticidade de qualquer dado.

As pessoas associam a segurança da informação somente com ataques cibernéticos, mas pode-se destacar que a área de segurança da informação também abrange a redundância de dados em caso de desastre, autenticações de pessoas dentro do ambiente físico ou virtual, além de manter um serviço em funcionamento”, explica Roger Ferreira, supervisor da equipe de tecnologia do IsCool App e especialista em segurança da informação.

 

Seu colégio conta com uma forte política de segurança da informação?

Por trás de uma cultura organizacional de sucesso tem sempre um grupo de regras claras e bem difundidas. Isso inclui um documento com normas administrativas ligados à área segurança da informação, a Política de Segurança da Informação (PSI).

É esse documento que ajuda no gerenciamento das informações, regendo a maneira como elas são disponibilizadas e protegendo-as contra qualquer tipo de alteração, desde a liberação de um equipamento na rede de dados até uma simples rotina de backup.

Ele pode (e deve) ser simples de se entender, uma vez que deve ser seguido por todas as áreas e todos os colaboradores. Revisada com certa frequência, de acordo com a implementação de novas tecnologias e demandas, a PSI também precisa ser bem difundida à cultura da empresa e explorada pela comunicação, não somente em treinamentos de admissão, mas ao longo de todo o ano.

 

Quem é responsável pela segurança da informação na sua empresa?

Se você respondeu TI, então precisa rever seus conceitos. Atrelar toda responsabilidade ao departamento de tecnologia é altamente arriscado, uma vez que o cenário mudou e nem todos os problemas têm origem no seu laboratório de informática. “Os ataques cibernéticos se tornaram mais sofisticados e, muitas vezes envolvem engenharia social, método que envolve técnicas de persuasão e o abuso da ingenuidade das pessoas. Nesse sentido, a segurança da informação não depende mais somente mais da TI, mas sim, de todos os colaboradores de uma organização”, afirma Ferreira.

 

Qual a infraestrutura tecnológica ideal para meu colégio?

A infraestrutura de TI de um colégio é tão ou mais complexa que a infraestrutura aplicada a uma indústria. No colégio, é preciso administrar a rede de dados das áreas operacionais da instituição e o acesso dos alunos.

Nesse tipo de estrutura é importante que as redes estejam separadas virtualmente, ou seja, os acessos dos alunos e área operacionais são trafegados pela mesma rede física, entretanto, estão separadas virtualmente. Além do mais, elas devem possuir equipamentos que farão todos os devidos bloqueios, tais como: Proxy, Firewall e Anti Vírus.

As normas e regras de segurança devem, ainda, ultrapassar as barreiras do ambiente corporativo, chegando aos alunos, como reforça Ferreira: “Pensando na parte de processos e pessoas, é importante que sejam registrados todos os equipamentos pessoais, que geralmente ficam atrelados ao RA do aluno, e também todos os equipamento de propriedade da organização”.

 

E quando o colégio utiliza um aplicativo de comunicação?

Além de possuir uma estrutura segura e cuidados com a segurança da informação de modo geral, como já descrito acima, é importante que o colégio mantenha o antivírus atualizado em todos os dispositivos com o app instalado. Vale, ainda, investir na conscientização de todos os usuários sobre temas de confidencialidade e autenticidade, além de normas e regras do uso do aplicativo e mudança de processos.

Dia do programador: Curiosidades e dicas para quem quer seguir carreira na profissão

Para comemorar o dia deste profissional que tem o poder de nos conectar com as mais altas tecnologias, trouxemos as histórias de três dos programadores que estão por trás do IsCool App; Saiba quem são eles e seus conselhos para quem deseja atuar na área

IsCool App_Dia do programador_app escolar (1)

Em 13 de setembro, comemoramos o dia do programador e o IsCool App, que tem grande parte de seu quadro de colaboradores formado por programadores, não poderia deixar de festejar. Afinal, foi pelas mãos desses nossos meninos de ouro do TI (munidos de headphones e muitos litros de café, diga-se de passagem), que o IsCool App foi construído.

Por meio de códigos indecifráveis e algoritmos que ninguém, além deles, entende, esses profissionais fazem acontecer e, por isso, acabaram se tornando requisitados no mercado de trabalho. Prova desta constatação é o crescimento nas contratações e abertura de postos de trabalho em TI, mesmo durante a crise. São quase 1,5 milhões de profissionais na área e um mercado ainda muito grande a ser explorado, principalmente no que diz respeito ao desenvolvimento mobile.

As escolas também já se adequaram a essa nova realidade, tornando a linguagem da programação uma matéria obrigatória, assim como o inglês. E não há limites quando falamos do que ainda está por vir.

Já parou para pensar que a tecnologia é, hoje, uma extensão do nosso corpo, permeia tudo o que fazemos e ainda deve ocupar mais espaço em nossas vidas? Pois é… nossos destinos estão nas mãos desses profissionais, que têm como missão identificar tendências e transformá-las em realidade.

Mas, afinal, quem são eles (que carinhosamente chamamos de nerds)? O que fazem, o que pensam do futuro? Como tornar-se um deles?

Atrás dessas respostas, decidimos bater um papo com três dos nossos programadores aqui do IsCool App. Confira as histórias desses jovens e talentosos profissionais e fique à vontade para se inspirar também.

 

Caio Ferrari Baratela

IsCool App_Dia do programador_app escolar (2) O perfil paciente e o semblante tranquilo não transparecem, de cara, aquela que é uma de suas maiores motivações profissionais: desafiar-se. Sim, Caio é daqueles que gosta, mesmo, é de ter, a cada dia, um desafio diferente para resolver, uma nova solução para buscar. Depois de cursar um técnico em informática durante o ensino médio, viu que a programação o instigava a algo novo todos os dias e decidiu mergulhar de vez na área, formando-se em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Aqui no IsCool App, Caio está ligado diretamente à programação Android.

Para ele, o grande desafio da área, hoje, é entrar no dinâmico ritmo que ela prega: “Como profissional, é essencial que você se mantenha atualizado com as novas tecnologias para não ficar para trás, pois é um área que esta em constante mudança”, diz ele, que também adora ensinar e pretende realizar projetos com esse foco dentro do próprio IsCool App.

Traçando um Raio-X do profissional de TI, Caio explica que, entre os requisitos, estão o domínio do inglês, já que a maioria das informações está disponível nesta língua, capacidade analítica, para solucionar problemas da melhor maneira, e a paciência: “Às vezes, o usuário chega com um problema e você precisa passar tranquilidade para ele”.

A quem deseja iniciar na profissão, ele aconselha a encontrar uma plataforma e uma linguagem de interesse para focar no início da carreira que facilitará o processo de aprendizado de outras linguagens no futuro.

 

Guilherme Fonseca

IsCool App_Dia do programador_app escolar (3)O programador Guilherme é daquela geração que já nasceu com a internet em seu auge e com uma facilidade enorme para a tecnologia. Logo aos 15 anos, partiu para o ensino técnico na área e, após um estágio, decidiu que cursaria Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Hoje, o jovem tímido e fã de séries de tevê coleciona projetos diversificados em TI e atua no desenvolvimento do IsCool App para o sistema Android.

O profissional acredita que a profissão tende a se tornar cada vez mais importante, uma vez que a tecnologia está presente em todos os segmentos e tipos de empresas e vem transformando o jeito de trabalhar. Para ele, justamente por conta dessa diversidade, o profissional precisa estar com um inglês afiado e preparado para grandes desafios. “Um programador precisa ter a visão holística dos processos em que ele participa, porque se houver algum problema simples em um passo inicial do processo, no momento de finalizá-lo o problema pode acumular e sair do controle. Um programador precisa conhecer o que desenvolve”, afirma.

Entretanto, antes de sair absorvendo todo tipo de informação, ainda segundo Guilherme, é preciso de planejar. “Não saia fazendo tudo de uma vez, de forma desenfreada. Estude o que você tem que fazer primeiro, defina suas prioridades e, só depois, comece a desenvolver. Quanto mais controle o programador tiver de si mesmo, melhor ele realizará suas tarefas”, aconselha ele, que ainda emenda com uma dica prática: “Por último, invista em um segundo monitor”.

 

Marcos Boraschi

IsCool App_Dia do programador_app escolar (4)

Apesar de desejar tornar-se um programador desde cedo, Marcos Boraschi acabou indo um pouco além e, ainda na faculdade (no curso de Jogos Digitais), descobriu que o vasto mercado da tecnologia oferecia muitas oportunidades na área de Projetos. Dono de um perfil analítico apurado e com grande facilidade de comunicação, Marcos encontrou, em Projetos, a oportunidade de desenvolver suas habilidades em planejamento estratégico e gestão. Hoje, ele atua como facilitador do framework Scrum, sendo responsável por conectar a equipe aos projetos e fazer com que eles aconteçam dentro das chamadas sprints.

Para leigos, pode parecer técnico demais, mas Marcos resume a rotina de trabalho dele e da equipe do IsCool App de maneira clara: “Diariamente a equipe me reporta o andamento feito no dia anterior, indica as atividades que serão feitas no dia e alerta os impedimentos encontrados que precisam ser resolvidos para o projeto continuar. Com base nisso, garanto que a equipe mantenha o foco no objetivo proposto. Além disso faço a organização do Backlog e facilito o entendimento do mesmo para o tomador de decisões.”

Totalmente ligado às novidades da área, Marcos ressalta a importância de um programador se qualificar a todo tempo e vê um ponto positivo nas iniciativas de grandes empresas, como a Apple e a Microsoft, de ensinar programação.
Como conselho a quem pensa em atuar na área, além do aprendizado na língua inglesa é dar asas à curiosidade. “Viva sempre novas experiências, estude cases de sucesso e crie um bom network, muitos desafios que o desenvolvedor vai enfrentar irá requerer criatividade dele”, finaliza.