Transformação digital e a formação nexialista

Prof. Dr. José Carlos de Souza Jr. – Reitor do Centro Universitário do Instituto Mauá

Com os avanços tecnológicos, os profissionais do futuro deverão ser nexialistas, um meio termo entre especialistas e generalistas.

Na era da transformação digital, formar os futuros profissionais não é mais o mesmo. Antigamente, quando o aluno chegava à faculdade, poderia escolher entre ser um especialista ou generalista. Hoje, essa dicotomia não cabe mais. Ao menos é isso que acredita o prof. Dr. José Carlos de Souza Junior, Reitor do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia.

Em sua palestra “Transformação Digital das Instituições de Ensino e a Formação Nexialista”, o prof. Dr. José Carlos explicou o termo “nexialista”, sujeito que faz a ponte entre especialistas e generalistas.

Para ele, as instituições de ensino devem se adequar para que os alunos tenham esse traço nexialista na sua formação.

“Ser especialista ou generalista é importante, mas mais importante que isso é trabalhar em equipe, de forma colaborativa”, afirma.

José Carlos, que também é Mestre e Doutor em Engenharia Elétrica, falou para cerca de 600 educadores durante a Reunião Anual das Escolas Associadas da Rede PEA/Unesco, Regional de Sâo Paulo, que ocorreu no dia 15/02, na capital paulista.

Inclusive, o blog do IsCool App produziu artigo sobre o evento. Clique aqui para ler o artigo na íntegra.

Para ele, nesse estágio que vivemos às portas da Indústria 4.0, é importante que os profissionais do futuro tenham flexibilidade e possam realizar conexões entre especialidades e generalidades, sendo, portanto, um meio-termo entre as duas maneiras de agir e pensar.

O que é Nexialismo

Essa palavra pouco conhecida surge em 1950, no livro de um canadense nascido em 1911 chamado Van Vogt. De acordo com o José Carlos, ele foi um escritor de ficção científica e contemporâneo de Isaac Asimov – considerado um dos mestres desse gênero literário.

“Seu livro de 1950, chamado The Voyage of Space Beagle, quando o homem nem havia chegado a pisar na Lua, fala sobre uma expedição interplanetária na qual a tripulação é composta por pessoas que são generalistas e especialistas”, conta.

A cada capítulo, a tripulação tem que superar um desafio. O protagonista do livro recebe então, pela primeira vez, a denominação de nexialista.

Nexialista vem de nexus (do latim) que significa conexão. Esse protagonista do livro tinha a habilidade de reconhecer na tripulação quais eram as generalidades e especialidades de cada um para resolver determinado problema. Ele montava as equipes e elas funcionavam muito bem sob a orientação desse nexialista.  

Segundo o reitor da universidade, essa dicotomia ainda é perceptível na formação dos profissionais de ensino superior atualmente.

“A conclusão é que os dois são importantes. Mas, antes do sujeito ser especialista ou generalista, ele deve ser um nexialista”, afirma.

Teoria evolucionista

A característica nexialista pode ainda ser observada no campo da biologia evolucionista, de acordo com o prof. Dr. José Carlos. Ele destaca dois pontos: o primeiro é sobre o elemento químico carbono, que é a base de toda a vida, do modo como nós conhecemos.

“Mas, o intrigante é que não é o elemento mais abundante no universo. O carbono é o elemento que faz melhor conexões. Ligações duplas e triplas: ninguém faz como o carbono. O carbono se permite ligar com outros elementos que deram origem a vida”, ressalta.

Para ele, o aluno deve trazer esse traço do carbono.

“Se não é o carbono propriamente dito, que tenha a consciência de se conectar ao carbono”, completa.

Por exemplo, o diamante basicamente é carbono. Ele é translúcido, um dos elementos mais duros e é isolante elétrico. Agora o mesmo carbono pode se combinar e se transformar em grafite, que é um elemento mole, opaco e altamente condutor de eletricidade. Então, o sujeito nexialista traz essa flexibilidade.

O segundo ponto a destacar é sobre o meio líquido.

“Toda teoria evolucionista levada a sério acontece no meio líquido, a exemplo da sopa primordial”, lembra. No meio sólido, dificilmente surgem novas conexões. Então a inovação não aparece e é o que chamamos de ordem. No gasoso, é o caos. As ligações são muito tênues. Não existe a perenidade necessária para que as ligações ganhem complexidade.

Fazendo uma analogia com o mundo corporativo, na ordem, às vezes tem-se regras tão rígidas que não permitem que a inovação surja. No caos, as empresas podem ser tão inovadoras que chegam a soluções pouco concretas. O meio líquido é justamente o meio termo, o equilíbrio.

Para o prof. Dr. José Carlos, as instituições de ensino devem ser meio líquido para que os alunos desenvolvam o traço nexialista e se tornem os profissionais do futuro.

E a transformação digital?

As instituições de ensino têm utilizado cada vez mais a tecnologia como suporte para a tomada de soluções. Apesar dos avanços tecnológicos trazerem ganhos de escala e produtividade para a produção industrial, as demandas da sociedade têm sido cada vez mais por soluções personalizadas.

É aí que entra o sujeito nexialista para colaborar no encontro dessas soluções, utilizando suas conexões entre as especialidades e generalidades. No caso do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia, os alunos dos cursos de engenharia, administração e design montam equipes multidisciplinares para o desenvolvimento de diversas soluções tecnológicas.

A mais recente delas foi o desenvolvimento de um aplicativo para monitorar os índices de saúde dos componentes da escola de samba paulista Rosas de Ouro. A ideia foi monitorar, durante o desfile, a emoção dos integrantes da escola. Para isso, os integrantes utilizaram uma pulseira para identificar suas reações ao desfilar pelo sambódromo do Anhembi.

Já no aplicativo, o usuário obteve acesso aos seus dados biométricos e a uma análise deles, através de relatórios diários, além de gráficos, com as interações do usuário antes, durante e depois do Carnaval. Assim como a educação e a indústria, o Carnaval também é 4.0!

Se você gostou desse tema e quiser saber mais sobre as tendências para os profissionais do futuro, leia os posts que já produzimos:

Tendências do futuro e o ensino de habilidades de vida

Futuro do Trabalho: o que as escolas precisam saber

Guia da Educação 4.0: o que esperar dela

Deixe nos comentários sugestões para próximas pautas!

Encontro PEA Unesco reúne cerca de mil educadores em Ouro Preto-MG

Ouro Preto – MG, cidade sede do Encontro PEA Unesco 2019

School Picture/IsCool App participaram do maior encontro da história desde que o evento começou a ser realizado em 2015.   

A cidade histórica de Ouro Preto, a 98 quilômetros da capital mineira, foi escolhida como sede do Encontro Nacional da Rede PEA Unesco 2019. O evento aconteceu entre os dias 11 e 13 de setembro, no Centro de Artes e Convenções da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

Participaram cerca de mil gestores e professores de escolas públicas e privadas associadas à Rede, além de coordenadores do programa de outros países, como Angola, Portugal e Japão.

Essa foi a edição com o maior número de participantes desde que o evento começou a ser realizado em 2015. A School Picture foi uma das patrocinadoras da edição de 2019, levando as marcas IsCool App e Conquista Formaturas também para o seu estande.

Segundo a coordenadora nacional da Rede PEA Unesco, Myriam Tricate, “Organizar um evento a mais de mil quilômetros de distância, não é bolinho! Se tínhamos dúvida no início, foi a convicção dos gestores e profissionais de Ouro Preto que nos deram a certeza de assumir o risco”, conta ela que também é diretora do Colégio Magno, em São Paulo.

Myriam Tricate

Coordenadora Nacional do PEA Unesco

De acordo com Myriam, é grande a responsabilidade de realizar um evento desse tamanho com poucas mãos:

“Mesmo com nossos limites, pensamos em todos os detalhes com cuidado para esse evento porque desejamos construir não só uma rede de aprendizagem, mas também de pertencimento, de coesão”, explica. 

O Encontro contou com palestras e mesas-redondas, além de painéis de experiências e vivências das escolas pertencentes à Rede. Nos intervalos, os visitantes puderam acompanhar as novidades dos expositores, entre eles, School Picture/IsCool App.

Pelo estande School Picture/ IsCool App passaram diversos gestores e educadores, alguns já usuários das soluções escolares, como o caso de Sonia Paro, diretora da EMEB Stélio Machado Loureiro, em Bebedouro (SP).

A escola, que integra a Rede PEA Unesco, também utiliza o aplicativo de comunicação escolar IsCool App. Inclusive, já fizemos um artigo para o Blog que vale a pena ler ou reler: IsCool App faz parceria social com escola municipal de Bebedouro – SP

Programação do Encontro

Tendo a bela paisagem histórica da época colonial do Brasil como cenário, os participantes do Encontro Nacional PEA Unesco 2019 puderam assistir à palestras e mesas-redondas sobre temas como a Agenda Global da Educação 2030 e a educação indígena, lembrando que 2019 é o ano internacional das Línguas Indígenas.

“O público de educadores veio aqui para aprender, para trocar, para construir relações. Veio aqui também para reafirmar o compromisso que foi assinado no momento de manifestação de interesse e continua a ser confirmado no dia a dia com qualidade sempre maior”, comenta a coordenadora nacional da Rede PEA Unesco, Myriam Tricate.

Na abertura oficial do evento, os visitantes puderam assistir à apresentação emocionante do coral infantil do Colégio Padre Eustáquio cantando o Hino Nacional. Participaram os membros da Rede PEA Unesco, como a coordenadora internacional da Unesco, Sabine Detzel.  Na conferência de abertura, Sabine falou sobre a Agenda Global da Educação 2030 e o papel dos associados da Rede PEA Unesco.

No segundo dia do evento, o assessor executivo da Rede PEA Unesco, Paulo de Camargo apresentou dados da organização. De acordo com ele, a Rede conta com 569 escolas associadas, 36 mil professores e 500 mil alunos atualmente.

“Através de uma pesquisa com as escolas associadas, descobrimos que as escolas desconectadas sofrem muito”, diz ele ao falar da questão tecnológica nas escolas.

Enquanto que 60% das escolas associadas possuem conexão com internet Wi-Fi, 40% ainda não tem.

“No entanto, 80% dos pais cobram das escolas investimento em tecnologia e inovação”, revela Paulo. Vale lembrar que a tecnologia aproxima os pais da escola, como no caso do aplicativo IsCool App que funciona como um canal de comunicação entre gestão escolar e os responsáveis pelos alunos.

Miguel Thompson, diretor do Instituto Singularidades, palestrou sobre a formação dos professores na perspectiva da agenda 2030. Segundo ele, a escola do futuro deve ser pensada hoje:

“A escola não pode ser sistêmica, fragmentada como o pensamento iluminista do passado. A nova escola coloca o aluno como protagonista”, diz. E completa: “O movimento que a gente vive agora tem muito a ver com retomar a experiência do homem completo”.

O coordenador da Rede PEA Unesco de Angola, Manuel Diogo também falou sobre a experiência em seu país:

“Começamos em 1998 com 4 escolas associadas ao programa na capital Luanda. Hoje, somos 45 escolas e nossa meta é aumentar em mais 100 escolas até 2022”, conta Manuel Diogo.

Já no último dia do evento, os visitantes foram agraciados com um sorteio realizado pelos expositores. O IsCool App ofereceu 1 ano grátis do aplicativo como presente a ser sorteado. A sortuda (sortuda mesmo, porque foi sorteada duas vezes!) foi Lúcia de Almeida Assis, diretora do Colégio Hélio Alonso, do Rio de Janeiro – RJ. Por fim, o público presente se despediu do evento ao som da banda de Flávio Venturini (ex-integrante do Clube da Esquina).

A próxima edição do Encontro Nacional da Rede PEA Unesco deverá ocorrer em 2020, em Campos do Jordão, cidade turística localizada na Serra da Mantiqueira, em São Paulo.

Confira a galeria de fotos do Encontro PEA UNESCO 2019

IsCool App faz parceria com escola municipal de Bebedouro (SP)

Aplicativo de comunicação escolar foi implantado gratuitamente em escola reconhecida pela Unesco por projeto de preservação do meio ambiente

A escola municipal Professor Stélio Machado Loureiro é um exemplo de cidadania a ser seguido. Tanto que seu projeto “Lixo Urbano e Comunidade Escolar”, executado em 2018, foi reconhecido pela Unesco, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Por mérito próprio, hoje a escola de Bebedouro-SP integra a Rede PEA (Programa de Escolas Associadas) da Unesco.

Atualmente, a escola também é parceira do aplicativo IsCool App, oferecendo aos pais dos alunos a comodidade de acompanhar a rotina escolar dos filhos na palma da mão, através da tela do celular. De acordo com a diretora da instituição, Sonia Paro, o IsCool App trouxe inovação e curiosidade aos alunos e familiares.

“Estamos nos adaptando, criando vínculos diferenciados com os pais e responsáveis”, explica.

Segundo ela, o uso do aplicativo de comunicação tem ainda ajudado nas questões de conscientização de preservação do meio ambiente – uma vez que o IsCool App evita o desperdício de papel.

Tem ainda a questão de economia financeira,“pois os alunos não têm que adquirir a agenda que a escola confecciona”, completa Sonia. 

A gerente de produtos e novos negócios, Tálita Barão, conta que a parceria de responsabilidade social foi pensada a fim de beneficiar a escola Professor Stélio Machado Loureiro e mostrar o apoio e reconhecimento de ações em prol da educação pública.

“A empresa demonstra o apoio a diversas iniciativas que estão alinhadas com os valores que praticamos no IsCool App”, explica.  

Sobre o IsCool App, a diretora da escola, Sonia Paro enfatiza:

“Esperamos que esta parceria nos coloque à frente de uma experiência na qual poderemos interagir e nos relacionar melhor com a nossa comunidade”.

De Bebedouro para o mundo

Em 2019, a Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) “Professor Stélio Machado Loureiro” completa 71 anos de existência. Hoje a instituição atende mais de 500 crianças do ensino infantil e fundamental I, nos períodos da manhã e tarde. À noite, suas carteiras são ocupadas por alunos do EJA (Educação de Jovens e Adultos).

A escola está situada em Bebedouro, cidade que fica na região norte do estado de São Paulo, a cerca de 40 km de Jaboticabal e 80 km de Ribeirão Preto. Seus 77 mil habitantes contam com mais de 10 escolas municipais de ensino fundamental e infantil. A EMEB Stélio Machado Loureiro está entre elas.

A unidade escolar promove ainda a inclusão de 60 crianças com deficiência e dificuldades de aprendizagem. De acordo com Sonia Paro, a gestão da escola segue os “quatro pilares” fundamentais da educação preconizados pela Unesco. São eles: 

  1. Aprender a conhecer (adquirir instrumentos de compreensão);
  2. Aprender a fazer (para poder agir sobre o meio envolvente);
  3. Aprender a viver juntos (cooperação com os outros em todas as atividades humanas);
  4. E, finalmente, aprender a ser (conceito principal que integra todos os anteriores).  

Ser associada ao programa da Unesco leva a escola para uma dimensão internacional: todas as associadas podem participar de concursos e projetos globais, o que oferece uma perspectiva universal dos desafios da educação.

De acordo com a coordenadora nacional do programa, Myriam Tricate, as escolas associadas devem ser pioneiras em abordagens inovadoras, participativas e criativas, a fim de mudar e transformar a educação.

“No Brasil, queremos especialmente que as escolas sejam parceiras, colaborativas, integrem seus esforços e trabalhem juntas, trocando experiências para formar uma rede plena de identidade. Afinal, somos 569 escolas públicas e particulares, em todo o país, a segunda maior rede do mundo”, reforça.

A adesão a Rede PEA Unesco é aberta todos os anos e podem se candidatar escolas públicas ou privadas de educação básica, e instituições de formação de professores. Todos os anos, as escolas associadas se reúnem num encontro nacional. Inclusive, a EMEB Stélio Machado foi anunciada como escola associada durante a edição passada do evento, que ocorreu em Salvador-BA.

Em 2019, o encontro acontece na cidade de Ouro Preto- MG, entre os dias 11 e 13 de setembro. O Encontro Nacional da Rede PEA Unesco contará com a participação e apoio do IsCool App. 

Uma ideia na cabeça e o futuro nas mãos

O projeto executado pela escola com o lema “Lixo Urbano e Comunidade Escolar”, propôs aos alunos da Escola Municipal de Ensino Básico (EMEB) “Professor Stélio Machado Loureiro” diversas atividades de limpeza e organização da escola e dos arredores. Parte dessas atividades foram executadas durante o “Dia Mundial da Limpeza”, em 15 de setembro de 2018.

O Dia Mundial de Limpeza é uma ação proposta pelo Instituto Limpa Brasil, uma Organização sem fins lucrativos (ONG) que visa promover a mobilização de voluntários para a limpeza de suas cidades, bairros, praias e praças e parques.

O objetivo é conscientizar a sociedade sobre o problema do descarte irregular de resíduos sólidos urbanos. Participam dessa ação mais de 150 países, incluindo o Brasil.

Nesse dia, as crianças puderam colaborar com a limpeza dos espaços escolares, assim como da coleta e separação de lixo no entorno do prédio. Desde o pátio, passando pelas salas de aula até além dos muros, cada série ficou responsável por uma atividade diferente, envolvendo 550 alunos no total.

Os alunos também elaboraram um folder com dicas de cidadania e divulgaram para toda a escola.

Folder desenvolvido pelos próprios alunos

Dias antes, a ação foi tema inclusive do tradicional desfile de 7 de Setembro, no qual a unidade escolar teve a oportunidade de apresentar como seria o Dia Mundial da Limpeza para as autoridades presentes e toda a comunidade bebedourense.

Escola participou do Desfile de 7 de Setembro, divulgando o “Dia Mundial da Limpeza”

A EMEB Stélio Machado ainda desenvolveu campanhas para coleta de óleo de cozinha para reciclagem e lacres de refrigerantes para trocar por uma cadeira de rodas. Outra iniciativa foi o projeto “Muros que educam”, cuja ideia é a de pintar os muros da escola com temas variados. Um exemplo foi o muro sobre trânsito seguro. 

“Em cidades com menos de 100 mil habitantes já é difícil ter escola pública associada ao PEA Unesco. Bebedouro, contudo, possui duas escolas. A primeira foi a EMEB Maria Fernanda Lopes Piffer”, relata Sonia sobre o feito inédito.

A partir desse projeto de conscientização ambiental e de cidadania, a escola mostrou que é possível viver num ambiente organizado, com carteiras e pátios limpos, onde o lixo é separado conforme a coleta seletiva: metal, papel, vidro, plástico e orgânico. Tudo isso só depende da colaboração de todos. E que venham mais exemplos de escolas como a EMEB Stélio Machado Loureiro!

PEA-Unesco: pelo direito à educação de qualidade

O Blog do IsCool App esteve na reunião anual das escolas associadas à Unesco para acompanhar de perto o trabalho das mais de 500 instituições em busca da transformação do país pela aprendizagem integral dos alunos; Programa brasileiro já é o segundo maior do mundo

Tendo como cenário uma bela e ensolarada manhã de sábado na capital paulista, mais de 300 gestores educacionais se reuniram para o primeiro encontro de 2019 do PEA-Unesco – Programa das Escolas Associadas à Unesco. Entre palestras, orientações e apresentações, o grupo de participantes, presente no Colégio Guilherme Dumont Villares, deu boas-vindas a 47 novas escolas associadas.

Entre os temas tratados durante toda a manhã estavam aqueles que ganham maior destaque ao longo do ano de trabalho, como a BNCC e sua aplicação prática, educação no trânsito e as línguas indígenas, tema Unesco para 2019. Esta temática, em especial, foi abordada pelo Profº Marcos Ueda, que trouxe a discussão da língua como maior patrimônio imaterial da humanidade.

Comprometido com o trabalho desenvolvido pela Unesco, principalmente no tocante aos 4 pilares da educação para o século XXI, o Grupo School Picture, representado também pelo Blog do IsCool App, esteve presente reforçando a parceria já existente e conhecendo mais de perto o trabalho de alguns dos colégios associados.

Segunda maior comunidade escolar associada Unesco no mundo

Contando com 583 escolas de norte a sul do país, o Programa das Escolas Associadas à Unesco é o segundo maior do mundo, ficando atrás apenas do Japão. São colégios públicos e particulares que têm o apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura no desenvolvimento de projetos em suas próprias comunidades.

“Há 10 anos eu tenho o prazer de estar à frente da PEA-Unesco e meu objetivo sempre foi trazer as escolas públicas e reafirmar nosso compromisso com a comunidade por meio da educação pública. O movimento foi crescendo e hoje tem destaque como segundo maior do mundo. Mas o crescimento não aconteceu apenas em números de participantes, mas também em abrangência e envolvimento”, explica a Coordenadora Nacional do Programa das Escolas Associadas da UNESCO, Myriam Tricate.

Dona de uma comovente história de mais de 50 anos de atuação na educação, Myriam conta, com orgulho e lágrimas nos olhos sobre todo o trabalho desenvolvido pela equipe. “A Unesco Brasil está muito forte, muito representativa e fazendo muita coisa. As escolas ajudam, trabalham, estão felizes e engajadas apresentando seus trabalhos. Os pais, por sua vez, também percebem que a escola está envolvida em educação. Temos casos incríveis de retorno do trabalho”, ressalta a coordenadora que trabalha conectando parceiros do setor público e da iniciativa privada às mais de 500 escolas associadas.

O PEA-Unesco alimenta as escolas associadas com uma série de conteúdos e orienta cada instituição em seus projetos. No ano de 2019, por exemplo, além do tema línguas indígenas, estão sendo trabalhados o ano internacional da tabela periódica e o ano internacional da moderação e da comunicação não-violenta. Além dos materiais e dos encontros nacionais, o grupo se reúne em viagens internacionais para visitas em colégios com bons exemplos fora do país.

Trabalho que faz a diferença na comunidade

Entre as centenas de pessoas presentes no evento, tivemos o prazer de encontrar com Sônia Maria Paro, gestora municipal da cidade de Bebedouro que estava representando a Escola Municipal Stelio Machado Loureiro. Com um sorriso no rosto, Sônia contou como o fato de ter se associado à Unesco transformou a realidade dos alunos, gestores e de toda a comunidade local.

“Nos associamos à Unesco há 2 anos com o projeto Muros que Educam. Os muros da nossa escola estavam deteriorados, até que nos reunimos e desenhamos todos os pontos turísticos da cidade na extensão do muro. Revitalizamos a escola, o bairro e tornamos o muro mais um ponto turístico para a cidade”, relembra Sônia.

Localizada na zona rural de Bebdouro, a EMEB Stelio conta com quase 500 alunos e se destaca por oferecer programas diferenciados de inclusão e acessibilidade para alunos com necessidades especiais. “O projeto que a gente desenvolveu junto à Unesco sempre nos traz uma grande abertura a todos os lugares onde vamos. Ele é importante tanto pra nós, equipe gestora, quanto para a comunidade, que se envolveu com a escola. Para se ter uma ideia, o IDEB da escola era 5.7 e passou para 6.9 depois da Unesco”, conta a orgulhosa diretora escolar.