Saúde nas escolas: o que fazer para prevenir doenças e acidentes

Estima-se que 90% dos acidentes com crianças são evitáveis e 20% ocorrem durante o período que passam na escola

Desenvolver uma cultura de prevenção de doenças e acidentes no ambiente escolar é fundamental para manter a tranquilidade de pais e alunos. Afinal de contas, é na escola que a maioria das crianças e adolescentes passa a maior parte do dia. É o local também onde se alimentam, brincam e interagem com outras pessoas.

Os acidentes mais comuns no ambiente escolar são:

  • Traumas: escoriações, ferimentos, fraturas, traumas dentários, oculares;
  • Engasgos, obstruções por corpos estranhos no nariz, ouvidos;
  • Queimaduras;
  • Ocorrências relacionadas a circunstâncias clínicas, como desmaios, crises convulsivas, febre, doenças infecto-contagiosas de fácil propagação em ambientes com diversas pessoas.

De acordo com Cláudia Cavalcanti de Araújo, médica, empresária e diretora executiva do Grupo Crescer Saúde, as doenças infecciosas, respiratórias e câncer, juntas, matam menos crianças de 1 a 14 anos do que acidentes. “O papel da escola transcende a promoção de um ambiente seguro”, diz ela.

Para a médica, “deve ser um local privilegiado para promover, manter e educar sua comunidade sobre saúde física, emocional e segurança, proporcionando responsabilidade e cidadania”, completa. 

Lei Lucas

Em setembro de 2017, Lucas Begalli Zamora, de 10 anos, morreu ao se engasgar com um lanche durante um passeio escolar. O caso aconteceu em Campinas (SP). Para enfrentar o perigo iminente para crianças em situações como essa, foi sancionada a Lei Lucas (13.722/18).

Desde então, as escola públicas e privadas, de educação infantil e básica, são obrigadas a fazerem curso de capacitação de professores e funcionários em noções básicas de primeiros socorros. Essa obrigação vale também para estabelecimentos de recreação infantil.

O objetivo do treinamento é possibilitar que os professores consigam agir em situações emergenciais enquanto a assistência médica especializada não for proporcionada. Quem não cumprir a lei, será notificado pelo descumprimento, receberá multa e até mesmo cassação do alvará ou responsabilização patrimonial.

“A Lei Lucas foi um grande passo na mudança do cenário no Brasil, entretanto muito há a fazer. Muitas escolas se mobilizaram para prestar treinamento em Primeiros Socorros. Isso é ótimo! Entretanto, é fundamental ações mais incisivas na direção da cultura de segurança”, comenta Cláudia.

Cláudia Cavalcanti de Araújo, médica, empresária e diretora executiva do Grupo Crescer Saúde

Diretrizes do Ministério da Saúde

Além do cumprimento da Lei Lucas, é muito importante que as escolas se equipem com itens de segurança, como um desfibrilador que, em muitos casos, são essenciais para salvar vidas. Outra medida é contratar seguro para os casos de acidentes. “Apenas 3% das escolas brasileiras contam com seguro de acidente escolar”, relata a médica.

O ideal é que a escola possa implementar um programa de saúde integral, por conta própria ou contratando um serviço especializado, que esteja alinhado com as diretrizes do Ministério da Saúde.

São elas:

  • 1-Ações de combate ao mosquito Aedes aegypti;
  • 2- Promoção da segurança alimentar e nutricional e da alimentação saudável e combate à obesidade infantil;
  • 3- Direito sexual e reprodutivo e prevenção de DST/AIDS;
  • 4- Prevenção ao uso de álcool, tabaco, crack e outras drogas;
  • 5- Promoção da Cultura de Paz, Cidadania e Direitos Humanos;
  • 6- Promoção das práticas Corporais, da Atividade Física e do lazer nas escolas;
  • 7- Prevenção das violências e dos acidentes;
  • 8- Identificação de estudantes com possíveis sinais de agravos de doenças em eliminação;
  • 9- Promoção e Avaliação de Saúde bucal e aplicação tópica de flúor;
  • 10- Verificação da situação vacinal;
  • 11- Promoção da saúde auditiva e identificação de estudantes com possíveis sinais de alteração;
  • 12- Promoção da saúde ocular e identificação de possíveis sinais de alteração.

“O Programa de saúde integral é desenvolvido para a equipe, alunos e famílias, abrangendo os aspectos da saúde que impactam no aprendizado, como saúde ocular, saúde bucal, prevenção de doenças e acidentes, desenvolvimento físico e sócio-emocional focado para a inclusão, entre outros”, explica Cláudia.

Desde 2012, o dia 10 de outubro foi instituído pelo Governo Federal como o Dia Nacional de Segurança e Saúde nas escolas, referente aos trabalhadores escolares. Nesse dia, as escolas podem e devem fazer uma série de atividades voltadas para essa questão, tanto em relação à segurança e saúde dos alunos, como dos funcionários da escola também.

De acordo com a cartilha do Fundacentro, instituição governamental de pesquisa e estudos atinentes à segurança, higiene e medicina do trabalho, vinculada ao Ministério do Trabalho, existem algumas medidas que devem ser tomadas pelos alunos como procedimentos para a saúde e a segurança:

  • Em sala de aula, ao permanecerem sentados numa posição incorreta na cadeira, poderão ter dores no corpo posteriormente;
  • Se a sala não estiver com iluminação adequada, os alunos devem relatar ao professor;
  • Ao entrar e sair da sala, evitar tumulto e correria;
  • No pátio e nos corredores, também devem ter cuidado com atividades arriscadas e que podem ferir os colegas ou outras pessoas, como correr e pular;
  • Nos lanches, os alunos devem alimentar-se de forma saudável e sempre jogando embalagens e restos na lixeira, de forma seletiva quando disponível;
  • Ao praticar esportes e outras atividades físicas, devem-se utilizar equipamentos de proteção, se exigidos.

Canal de atendimento IsCool App

O aplicativo IsCool App disponibiliza diversas funcionalidades que visam promover uma comunicação rápida e eficaz entre pais e escola. No sentido de garantir a segurança e saúde dos alunos, a escola pode oferecer o contato direto com nutricionista responsável pela alimentação do colégio e/ou responsável pela cantina, através do canal de atendimento do aplicativo de comunicação, por exemplo.

O canal de atendimento pode ser aberto pela escola aos pais que tiverem interesse em se comunicar com os profissionais envolvidos diretamente nas questões de saúde, como os de psicologia e fonoaudiologia. Assim, fica mais fácil para as famílias solucionarem questões de saúde dos seus filhos através do celular, na palma da mão.

O IsCool App também oferece a possibilidade da escola publicar o cardápio da semana ou do mês. Inclusive, já fizemos uma postagem sobre essa funcionalidade e sobre a alimentação saudável nas escolas. Leia ou releia: Alimentação saudável nas escolas: uma matéria importante.