Galeria de fotos e seu poder de engajamento dos pais

A divulgação de imagens do dia a dia dos alunos em suas atividades está entre as ações que mais agrada aos pais usuários de aplicativo de comunicação escolar; conheça mais sobre essa funcionalidade e veja como seu colégio também pode se beneficiar dela

Não basta ser expectador, tem que participar, mesmo que à distância e mesmo que pelo celular. Ao consultar os pais e responsáveis de centenas de colégios parceiros sobre o que os faz interagir mais com o aplicativo de comunicação escolar, a resposta é unânime: fotos.

Durante o intervalo do almoço ou ao final de um dia cansativo de trabalho que parecia nunca ter fim, poder visualizar imagens dos filhos em atividades e pequenas conquistas diárias se torna uma agradável surpresa. Graças ao advento dos aplicativos de comunicação escolar e da substituição da agenda física, essa singela ação tem se tornado cada dia mais valorizada, tanto pelos pais, que se sentem mais próximos dos alunos, quanto para o colégio, que passa a se apoiar nessa estratégia para estabelecer uma comunicação de qualidade com as famílias.

Nessa esfera, e considerando a frase popular que afirma que “uma imagem vale mais que mil palavras”, os apps de comunicação vêm se especializando em entregar aos colégios a melhor ferramenta de organização e visualização de fotos. É o caso do IsCool App, o aplicativo de comunicação escolar com maior número de funcionalidades do mercado e que se firma como uma importante solução de gestão para as instituições de ensino.

Além de já contar com a possibilidade de envio de fotos via mensagem a grupos ou usuários individuais e também via publicação no feed de notícias (uma espécie de mural digital do colégio no celular), o IsCool App oferece a opção de o colégio criar galerias de imagens completas para registro de qualquer tipo de atividade em tempo real. Chamada no menu principal de “fotos”, a funcionalidade tem acesso fácil por parte dos pais e um design flat e intuitivo para que as informações se mantenham organizadas. Uma terceira ferramenta voltada para fotos e registro de atividades exclusivamente por imagem dentro do app.

Uma galeria para cada atividade

A funcionalidade “fotos” permite criar título e uma breve descrição da atividade, tanto no álbum como para cada foto, introduzindo o tema aos pais e usuários que receberão acesso àquela galeria. É possível, até, desenvolver um verdadeiro storytelling das atividades, levando o responsável a entrar no clima do tema, seja ele um passeio pedagógico, uma aula diferente, um evento interno ou mesmo o registro de uma festa de homenagem.

Empolgados com a possibilidade de participar, mesmo que à distância, os pais podem não só visualizar as fotos como baixar os arquivos e compartilhar esses momentos únicos com familiares e amigos. Ao longo do ano, o material divulgado se torna um rico conteúdo histórico do ano letivo do estudante.

No IsCool App, cada galeria pode ser atribuída a um colaborador para edição do conteúdo e, na sequência, ser divulgada a usuários específicos individualmente ou em turma. Com sistema baseado em nuvem, o upload das imagens se torna uma tarefa rápida e fácil e que pode ser efetuada pela versão desktop ou pelo celular. Por isso, é possível que o professor consiga, por exemplo, fazer fotos de registro de uma atividade e postar imediatamente na galeria. Ou, se preferir, ir construindo o álbum ao longo de um período para só então publicá-lo completo.

Mais reforço para o marketing escolar

O Blog do IsCool App já trouxe diversas matérias sobre a importância do engajamento familiar no desenvolvimento do aluno e de como melhor utilizar as ferramentas do app de comunicação para auxiliar nessa tarefa. A galeria de fotos surge, portanto, como mais uma funcionalidade essencial na missão de fortalecer a imagem do colégio perante seus clientes.

A cada atividade registrada, de maneira que também seja considerada uma freqüência saudável e interessante de postagens (sem tornar as postagens repetitivas e maçantes), o colégio aumenta as chances de ser bem avaliado nas pesquisas de satisfação. Ao divulgar detalhes que vão desde a organização do ambiente à complexidade do conteúdo trabalhado em sala, o nome da instituição passa a ser mais lembrado e defendido pelos pais. E o melhor: sempre associado a um momento feliz!

A dica é se atentar à qualidade das fotos, com uma edição rápida para torná-las ainda mais valorizadas no quesito cor e enquadramento, e alternar a publicação com imagens de interações em turma e momentos de desenvolvimento individual. Vale pensar, inclusive, em estratégias específicas, como galerias de fotos de alunos ou pastas temporárias, baseadas em temas quentes do cronograma pedagógico.

Faça um teste dessa funcionalidade

Quer conhecer mais sobre o módulo fotos do IsCool App e entender como ele pode te ajudar a potencializar o engajamento dos usuários na prática? Clique aqui e peça por um teste da ferramenta diretamente com a equipe IsCool App.

Conheça, também, outras ferramentas que podem auxiliar você e sua equipe na gestão da comunicação dentro da sua instituição acessando o site do aplicativo que conta com maior número de funcionalidades do mercado.

Colégio Puríssimo conta como IsCool App completou seus projetos em inovação e conquistou os pais

Instituição centenária da cidade de Rio Claro pesquisou por mais de um ano o aplicativo que melhor atendesse à sua demanda e missão tecnológica

Parceiria_Purissimo_RioClaro.png

O prédio bem conservado e centenário chama a atenção pela beleza e riqueza de detalhes arquitetônicos, mas basta passar pela primeira porta para esquecer que aquela é uma instituição com mais de cem anos de tradição. São dezenas de salas coloridas, com decoração renovada e repletas de aparatos tecnológicos.

Assim é o Colégio Puríssimo Coração de Maria, da cidade de Rio Claro, fundado em 1909 e consolidado como um dos principais da região. Mantida pela Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria (Rede ICM), a instituição alia ensino de qualidade com trabalho humanizado, com uma intensa busca pela inovação.

Sempre trazendo as tecnologias mais atuais para a sala de aula e gestão administrativa, o Puríssimo encontrou no IsCool App uma ferramenta de apoio essencial para seu dia a dia e também a rotina dos pais de seus alunos. “O IsCool App vem de uma necessidade que eu vi e de mudança de comportamento do ser humano, já que hoje todo mundo está sempre com um dispositivo móvel na mão. o IsCool App vem para aproximar o pai e a escola“, afirma Diego Matos, coordenador de informática do colégio.

Ainda segundo Matos, foi preciso pesquisar e buscar por cerca de um ano e meio por um aplicativo que atendesse à necessidade da instituição: “O programa (IsCoo App) funciona muito fácil, desde a instalação até a parte de configuração dele, o que tornou nossa adesão altíssima entre os pais”.

 

Alta taxa de adesão é resultado de tarefas bem divididas

Com mais de 90% de adesão de pais desde o maternal ao quinto ano, o Colégio Puríssimo optou por realizar no IsCool App uma intensa troca de informações de qualidade. Conteúdo gerido não só pelo TI, mas também pelos coordenadores e professores. “Aqui no nosso colégio é o próprio professor quem trabalha com o aplicativo, ele posta fotos de atividades, recados. No maternal ele posta agenda, se comeu ou não, se teve hora da soneca”, explica o coordenador de informática.

À medida que o colégio disponibiliza o maior número possível de informações personalizadas sobre cada estudante, os pais se sentem mais seguros e endossam o uso do app. “Queira ou não, estamos sempre com o celular na mão. O aviso, as noticias e mensagens chegam de forma muito mais prática. Sabemos rapidamente o que está sendo pedido e o que foi trabalhado em sala de aula, assim, a gente consegue ter uma noção de como está o andamento do trabalho na escola”, diz Denílson Ansanello, pai de aluno e professor de filosofia na instituição.

 

Confira o vídeo com depoimento completo do Puríssimo

Conheça um pouco mais sobre essa tradicional e, ao mesmo tempo, inovadora instituição e seu trabalho com o IsCool App assistindo ao vídeo de depoimento em nosso canal no YouTube.

Seu colégio tem trabalhado contra ou a favor das fake news?

Entenda porque as salas de aula são a esperança no combate às notícias falsas e veja dicas de como trabalhar o tema na prática

Fake-News_IsCool App

Elas estão espalhadas por toda a internet e já são consideradas uma nova arma de corrosão social. Em casos extremos, levam ao linchamento de cidadãos inocentes ou ao segundo sepultamento de uma figura pública, como no caso recente da vereadora carioca Marielle Franco, vítima das fake news mesmo depois de morta.

Apesar da grande proporção que vem tomando e de ser tema de milhares de pesquisa em todo o mundo, o assunto ainda não aparece como pauta em boa parte da ementas escolares no Brasil. Fato que pode contribuir para o avanço do problema, uma vez considerada a importância dos educadores na formação crítica da sociedade.

Já parou para pensar no espaço dado para as fake news dentro do seu colégio?

Em ano de eleições e em tempos de viralização, o IsCool App traz a discussão à tona, com base na opinião de especialistas no assunto, pesquisas e cases de sucesso, tudo proveniente de fontes verdadeiras, que podem auxiliar o trabalho de professores, coordenadores pedagógicos e mantenedores na defesa por uma sociedade mais equilibrada.

 

Fake news em números e proporções

Cientistas do MIT (Instituto de Tecnologia de Masachussets), chegaram à conclusão, em estudo recente, de que as fake news têm 70% mais chance de viralizar em relação às notícias reais. Segundo a pesquisa, enquanto cada postagem verdadeira atinge mil pessoas, as postagens falsas podem chegar à timeline de até 100 mil pessoas.

E mais, em tempos em que a tecnologia está ao alcance de todos, as fake news já evoluíram para as chamadas deep fakes, termo apresentado por cientistas da Universidade de Maryland que se referem a vídeos e imagens totalmente manipulados.
Ou seja, se antes só as produções de Hollywood conseguiam inserir um rosto conhecido em um corpo de dublê simulando cenas mais perigosas, hoje qualquer aficionado por softwares de manipulação digital já pode criar um vídeo falso com uma figura pública praticando algo ilícito.

O assunto é tão sério que a União Europeia lançou em janeiro uma força-tarefa na luta contra as fakes news. Trata-se de uma comissão multidisciplinar formada por 39 especialistas em comunicação, redes sociais, comportamento e sociedade civil que buscam não só dimensionar, como trazer soluções para o combate do problema.

 

Desinformação também é problema

Em novembro de 2017, o Conselho da Europa lançou o documento “Caos da Informação: para um marco multidisciplinar de pesquisa e elaboração de políticas”, com 34 recomendações aos governos europeus e um alerta para o que podemos chamar de desinformação, ou simplesmente, ignorância.

Para isso, os criadores do documento categorizam as fake news em 3 tipos:

  • Dis-information: Informação que é falsa e criada deliberadamente para prejudicar uma pessoa, grupo ou país;
  • Mis-information: Informação que é falsa, mas não foi criada com a intenção de prejudicar alguém;
  • Mal-information: Informação que é baseada em algum fato real, mas que foi editada para prejudicar alguém ou alguma instituição.

(Fonte: Council of Europe’s Information Disorder Report of November 2017)

 

Afinal, como trabalhar o assunto em sala de aula?

Para abordar o tema fake news em classe, o primeiro passo é posicionar-se em uma zona neutra, livre de opiniões pessoais e fortemente baseada na busca pela verdade.
De acordo com Wanderley Garcia, professor de Jornalismo na internet na Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), o combate às fake news por parte da escola se dá na orientação de estudantes e familiares. “Isso não quer dizer dar uma orientação em favor de A ou de B, mas de defender a verdade como elemento primordial na construção de uma sociedade justa, humana. A escola poderia se nortear em discutir o valor da verdade e as consequências da mentira”, afirma ele, sobre como instigar os alunos para o tema.

Garcia, que é jornalista, mestre em Ciência da Informação e doutorando em Educação, ainda reflete: “Trata-se de um novo desafio que exige novas respostas”.

Muito presente na vida dos alunos desde o início do Ensino Fundamental, a internet deve ser tema de discussão constante em sala de aula, principalmente quando é base para assuntos como a ética, por exemplo. Muito mais do que introduzir a cultura de checagem de fontes entre os estudantes, é importante trabalhar, em diferentes disciplinas, a questão da propagação dos boatos e responsabilidade com a informação verdadeira.

 

Alfabetização midiática: o segredo do Colégio Humboldt no combate às fake news

Com base na disciplina alfabetização midiática e informacional, proposta pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura) para promover o acesso igualitário à informação, o colégio bilíngüe alemão Humboldt, de São Paulo/SP, desenvolveu um projeto que ajuda jovens do Ensino Médio a reconhecerem notícias falsas, fontes não confiáveis e veículos tendenciosos.

Trata-se de atividades que envolvem a criação de redações que reflitam o tema e exercícios práticos para identificarem notícias falsas durante as aulas de Língua Portuguesa. “Esse projeto apresenta essas questões para que os alunos saibam avaliar uma notícia e eventualmente identificá-la como uma fake news e aprendam, dessa forma, investigar e verificar a idoneidade de sua a origem. Depois disso, a proposta é conduzir os estudantes a uma nova reflexão acerca dos interesses e motivações que sustentam essa prática, o que culmina na percepção daqueles que se beneficiam ou se prejudicam com isso”, afirma Marcelo Milani, coordenador de Tecnologias Educacionais do Colégio.

Mais a fundo, em um projeto multidisciplinar envolvendo a escola toda, o Humboldt também conta com um documento que apresenta a Matriz de Competências e Habilidades em Tecnologias e Mídias Digitais, que norteia os trabalhos pedagógicos da instituição em todos os níveis.

 

Tire suas dúvidas sobre as fake news

Para iniciar o trabalho de conscientização e combate às fake news, é importante entender mais sobre a origem desse termo e saber o que exatamente devemos fazer, além de simplesmente não compartilhar e ajudar a viralizar.

Acompanhe um bate-bola com o professor universitário Wanderley Garcia, jornalista, mestre em Ciência da Informação e doutorando em Educação, que aborda o tema de maneira mais comportamental.

 

IsCool App – O que é considerada uma fake new?

Profº Garcia: Podemos entender que as fake news têm raizes na fofoca, na transmissão de informações sem verificação e muitas vezes sem correspondência com a realidade. No entanto, na forma e na proporção atuais, é um fenômeno complexo e com graves impactos sociais. As fake news são notícias que não correspondem à verdade de maneira grosseira. Elas invertem a realidade. Não são apenas pequenos erros pontuais, são construídas totalmente de forma mentirosa.

 

IsCool App – Onde e por quem elas são criadas?

Profº Garcia: Não há um criador específico, nem mesmo um único grupo ou perfil. As fake news podem ser criadas por grupos que fazem disputas políticas, intencionalmente, destruindo reputações. Podem também ser geradas por interesses comerciais, como gerar acessos a sites. Podem também ser criadas de maneira mais sutil, com interpretações equivocadas dos fatos.

 

IsCool App – Quais os danos que elas podem gerar para a sociedade?

Profº Garcia: As fake news são mentiras e como mentiras só podem levar à deterioração social. As pessoas agem de acordo com aquilo que acreditam que é a realidade e como devem se comportar no mundo. Quando acreditam num mundo falso, tomam atitudes que correspondem a este mundo, mas não à realidade. Assim, temos visto o crescimento da violência, da intolerância, do ódio, do desrespeito ao próximo. Muito disso é construído cotidianamente a partir de visões distorcidas da realidade.

 

IsCool App – Como identificar uma notícia falsa na internet?

Profº Garcia: A primeira coisa talvez seja ficar atento ao exagero, ao absurdo. Fatos extremos ocorrem, mas são mais raros. A primeira atitude então é a do internauta: suspeitar de tudo aquilo que parecer grandioso demais e, antes de acreditar e, principalmente, compartilhar, verificar se já não há desmentidos na internet. Este já seria um primeiro passo. A outra coisa é tentar se libertar das paixões, não acreditar em tudo que lhe agrada e nem desacreditar em tudo que lhe desagrada.

 

IsCool App – Existem ferramentas que auxiliam no dia a dia?

Profº Garcia: Ainda não há mecanismos eficientes no combate às fake news. Mas há formas simples. A primeira é observar, como disse antes, os exageros, as notícias extremas, que soam estranhas aos ouvidos. Outra forma é fazer uma checagem rápida em sites de busca, como o Google. Mas atenção, não adianta apenas ver se a notícia está já em outros lugares, pois podem já ter sido bastante replicadas e aparecem no buscador. É preciso buscar pelos desmentidos.

Outra forma é prestar atenção à fonte. Mesmo que tenha visto em um site que não conheça e queira compartilhar, é bom verificar se a mesma informação foi publicada em uma fonte em que o leitor confia. Isso não é 100% seguro, mas reduz os riscos de se propagar uma fake news. Há vários sites e serviços tentando desenvolver ferramentas. O próprio Google está atento para evitar que fake news ocupem lugar de destaque em seu buscador.

IsCool App ganha reforço na equipe e foca no sucesso do cliente para 2018

Com mais de 15 anos de experiência no atendimento a colégios, Tálita Barão assume o cargo de gerente de produtos e novos negócios e destaca o setor de sucesso do cliente; reforço também acontece no setor de desenvolvimento, dando respaldo à expansão do produto

IsCool App_2018_tálita barão.png

O ano de 2018 inicia-se com grandes novidades para o IsCool App. Aplicativo de comunicação escolar que mais cresceu em 2017, o app lançado há apenas 18 meses reforça o posicionamento como player mais completo do mercado focando em diferentes frentes e expansão no quadro de funcionários.

Uma das maiores novidades é o reforço na liderança estratégica com a presença de Tálita Barão, profissional com mais de 15 anos de atuação como gerente de relacionamento do setor de educação. Tálita, que esteve fora do país por cinco anos atuando na área de desenvolvimento humano e comunitário, retorna para o Brasil como o mais novo reforço para o time IsCool App.

“Minha missão é traduzir a experiência de 15 anos em atendimento e bom relacionamento com o setor educacional – pais, alunos, colégios e seus colaboradores- em funcionalidades que entregam conveniência e praticidade para instituições e famílias. O IsCool App é o aplicativo escolar mais adequado porque conta com uma equipe formada por profissionais criativos, sensíveis ao universo particular de cada escola e com vasta experiência no segmento educacional”, afirma Tálita, que tem em seu currículo a gestão de relacionamento com colégios e grandes redes de escola espalhadas por todo o Brasil.

À frente do setor de sucesso do cliente e em contato direto com os colégios parceiros, Tálita terá respaldo para, também, intensificar outra frente de trabalho: o setor de inovação. “Temos muitos projetos já em andamento, e outros novos para iniciar, que revelam um produto mais completo e capaz de atender as reais necessidades do mercado”, indica a gerente de produtos e novos negócios.

TI em expansão

Reforçando seu caráter inovador e a vocação da região como um celeiro de talentos da área da Tecnologia da Informação, o IsCool App tem baseado seu crescimento sustentável na contratação de reforços na equipe de desenvolvimento. No último mês, já entraram para o time três novos programadores e o processo de seleção continua para que outros profissionais comecem a atuar imediatamente.

Outras novidades são as parcerias com centros tecnológicos e de formação de profissionais, entre eles, a Fatec. A troca de experiências que se intensifica deve embasar o desenvolvimento de soluções inovadoras com a rapidez que a sociedade e o sistema educacional demandam.

A todo vapor

O IsCool App já larga em 2018 na frente, por contar com importantes ferramentas, como, por exemplo, o módulo de autorizações digitais (com amparo legal) e o módulo “Chegando”, que traz mais eficiência e segurança ao processo de entrada e saída dos alunos. Em tempo, o app é pioneiro no segmento no uso do ícone personalizado do colégio de maneira legal. Além disso, novas funções e módulos estão a caminho e vão determinar o diferencial no mercado, surpreendendo os clientes.

Com time motivado pelas novidades e engajado para o sucesso e crescimento da empresa, o IsCool App inicia uma nova fase de expansão e consolidação de mercado.

Colégio Agostiniano Mendel reforça sua vocação inovadora com IsCool App

Implantação do aplicativo escolar consolida posição do colégio entre os mais modernos do país e traz dinamismo na comunicação com cerca de quatro mil famílias; segredo do sucesso na adesão e engajamento dos pais está na boa administração do IsCool App

IsCool App e Colégio Agostiniano Mendel.png

De sua arquitetura moderna, com estrutura de salas de aula cercadas por aparelhos tecnológicos, até seu sistema de gestão diferenciado, tudo no Agostiniano Mendel consolida o caráter inovador do colégio. Desde março deste ano, com a chegada do IsCool App à instituição, a comunicação com os pais também se modernizou, levando para dentro das famílias a visão de dinamismo, praticidade e aproximação difundida pela escola ao longo de 33 anos. O resultado? Otimização da gestão e aceitação em massa dos pais.

Para o diretor geral do colégio, Pe. Eduardo Flauzino Mendes, o sucesso na incorporação do aplicativo se dá em razão de toda uma preparação por parte da equipe responsável pela administração da tecnologia. “A implantação do IsCool App exige de nós uma atualização e dinamicidade. Cabe a nós fazer o bom uso da ferramenta”, diz ele, que contribui diariamente com a comunicação no IsCool App enviando textos, imagens e vídeos para os colaboradores e pais usuários.

 

Dia a dia: Imagens e vídeos fazem a diferença

Coordenador de TI do colégio, Leandro Michel Pedrosa de Oliveira também está à frente da equipe que administra o IsCool App, ele explica que, para criar uma interação efetiva com os usuários, são enviados até cinco comunicados diariamente, todos direcionados para as séries e turmas correspondentes. “Qualquer coisa que seja importante para a família enviamos pelo IsCool App. Temos a preocupação de fazer algo dinâmico, como avisos através de imagem, por exemplo. Os recursos do aplicativo possibilitam trabalhar à vontade nesse sentido”, conta Oliveira.

Um recurso interessante utilizado pelo Agostiniano Mendel, e que contribuiu para a adesão de mais de 90% dos usuários em pouco tempo, é o envio de vídeos por meio do aplicativo. O colégio tem um canal de tevê interno (TV Mendel), coordenado por Mayara Osti de Paiva, do departamento de comunicação, com produções semanais que variam entre cobertura de eventos, entrevistas com alunos e professores e a palavra do diretor. Além de serem disponibilizados no site da escola e no canal próprio do Youtube, esses vídeos fazem sucesso quando vão direto para o celular dos pais por meio do IsCool App.

O IsCool App ainda tem sido uma ferramenta de apoio na comunicação interna e engajamento entre os colaboradores. Ao todo, são cerca de 300 funcionários se comunicando diariamente pelo aplicativo.

Colégio Agostiniano Mendel - IsCool App aplicativo escolar.jpg
Fachada do colégio Agostiniano Mendel, contemporâneo até mesmo em sua arquitetura

IsCool App, o mais adequado

Constando entre os dez melhores da cidade de São Paulo, o colégio localizado no coração do tradicional bairro do Tatuapé fez muitas pesquisas no mercado para concluir que o IsCool App era o aplicativo que mais atendia ao seu perfil. Foi justamente a possibilidade de manusear diferentes mídias o ponto decisivo. “Sempre foi do nosso desejo buscar uma ferramenta que pudesse possibilitar enviar não só o texto. O mundo está dinâmico e exige essa dinamicidade. O IsCool App verdadeiramente se encaixou à necessidade e expectativa que nós tínhamos”, expõe Pe. Eduardo.

Na opinião do coordenador de TI, as ferramentas de análise e controle do conteúdo oferecidas pelo IsCool App foram outros diferenciais. “Como administrador do IsCool App, eu achei muito interessante o fato de poder ter um gerenciamento dos comunicados que estão sendo enviados. Eu consigo acompanhar a ativação de contas, quantidade de visualizações dos comunicados. Para nós, como colégio, é importante termos esse controle e também para dimensionarmos os futuros comunicados”, afirma Oliveira.
Além dos quatro mil alunos do Colégio Agostiniano Mendel, hoje, o IsCool App ainda atende o Colégio Agostiniano Nossa Senhora de Fátima, da cidade de Goiânia/GO, também sob administração do Pe. Eduardo e que conta com mais de 1800 alunos.

 

Assista ao vídeo

O IsCool App te convida a conhecer mais sobre a estrutura do Colégio Agostiniano Mendel e a opinião do diretor, Pe. Eduardo Flauzino, com esse vídeo em nosso canal no Youtube. Acesse aqui

Eduardo Flauzino Agostiniano mendel IsCool App aplicativo escolar.png

Política em classe

Com tantas manchetes envolvendo escândalos políticos, o tema volta à tona e chega com força às salas de aulas… Mas qual a melhor forma de trabalhar essa delicada temática? O IsCool App foi buscar opiniões para ajudar o professores e coordenadores pedagógicos nessa difícil tarefa

IsCool App - Política em sala de aula.png

 

A cada dia, uma nova teoria, um novo escândalo ou um segredo revelado trazem a política brasileira para o centro das atenções, levando o tema para além das manchetes dos jornais e tornando-o base de discussões em todas as esferas sociais, inclusive dentro das escolas. Nesse sentido, professores e coordenadores pedagógicos ganham a oportunidade de trabalhar em sala de aula a pauta política e tudo o que a envolve, tendo como ilustração casos reais para atividades envolvendo sociologia, antropologia e ciência política.

“É muito importante trazer os acontecimentos atuais para a sala de aula. Em geral, os alunos têm informações desencontradas sobre esses escândalos. A Sociologia pode ajudá-los a compreender esses fenômenos sociais de maneira mais crítica e menos intuitiva, com base em teorias e conceitos”, explica o professor de sociologia e autor do Sistema Anglo de Ensino, Eduardo Calbucci.

 

Introdução à política

Antes de falar dos últimos acontecimentos políticos, é necessário resgatar o trabalho do tema macro. É fato que ensino da política é de grande importância em sala de aula pela ligação direta à formação de opinião crítica dos futuros cidadãos. Dessa maneira, assuntos como divisão dos três poderes, formas de governo e sistemas eleitorais devem ser recorrentes. Mas, afinal, quando a política deve ser introduzida aos alunos? A partir de que idade esse assunto tem coerência e pode trazer efetividade?

Para o professor Calbucci, o Ensino Fundamental I abre espaço para a introdução do tema: “É claro que os professores vão dosando as informações e monitorando a complexidade das discussões de acordo com a idade dos alunos, mas é possível começar este trabalho logo após a alfabetização. Isso pode ser um ganho para eles e para a sociedade, que precisa de cidadãos que compreendam o funcionamento de nossas instituições”.

 

Política palpável

Quando nenhuma apostila traz a solução didática para se trabalhar os acontecimentos políticos em sua classe, é hora de partir para a prática. Afinal, nada como abordar o tema tendo como fonte as mídias imprensas e digitais.

Na opinião da professora de geografia e sociologia do Colégio Internacional EMECE, Angélica Larcher, além de ser um rico material didático, as notícias instigam a reflexão de diferentes pontos de vista. “É primordial que o os alunos tenha acesso à diversas fontes de informação e notícia. Um bom trabalho de pesquisa e compilação de informações, mediado pelo professor, deve ser o pontapé inicial de um bom debate. O acesso às diversas opiniões, fontes de informação, veículos de notícias e, principalmente, a disposição em escutar a posição do outro e colocar a sua própria posição faz com que o trabalho com temas polêmicos se aproxime o máximo possível da neutralidade”, afirma ela.

 

ensinar política na escola

 

Os exemplos e a mensagem moral

O trabalho de trazer a política para a rotina escolar do aluno nem sempre vem desenhado de maneira clara e requer atenção dobrada pela delicadeza de temas adjuntos, como ética e moral. Nesse sentido, é preciso cuidado dobrado para que o assunto não “patine” na esfera abstrata, estacionando em questões como princípios de honestidade e senso de verdade e justiça.

A análise política deve sempre ser o tema central e, mais importante, com base no apartidarismo. “Quando falamos em política partidária a Escola deve cuidar para que as informações passadas sejam o mais diversa quanto possível. Sem definir o ‘certo’ e o ‘errado’, provocando nos alunos a necessidade de definir prós e contras e elaborar alternativas”, frisa a professora Angélica.

IsCool App garante até 90% de visualização dos comunicados

Com as notificações push e uma timeline funcional, IsCool  App dá destaque aos recados e chama a atenção dos pais para a importância em participar do dia a dia do aluno na escola

Notificacao

Assim como o papel pode se perder na mochila e a agenda física pode não ser aberta com frequência pelos pais, alguns aplicativos correm o risco de se perder dentro dos smartphones quando não oferecem um certo grau de interação. Para driblar essa constatação, o IsCool App largou na frente com uma timeline inicial de fácil visualização e interativa, além da opção de notificações push.

Tudo isso, aliado a uma programação de divulgação bem estruturada pelos colégios, torna o aplicativo efetivo, aumentando a visualização por parte dos pais em até 90%. “Sempre que enviamos um comunicado pela agenda física, o mesmo fazemos através do aplicativo, isso começou a chamar a atenção daqueles pais que eram contra a utilização dessa tecnologia e começaram a solicitar a adesão”, explica Maurício Bueno, diretor da Escola Ser, de Campinas, que, apesar de ter aderido à plataforma recentemente, já conta com adesão de mais de 80% dos pais e um nível alto de satisfação com o uso pelos mesmos.

 

Boas práticas

Em casos como o da Escola Ser, o segredo está nas boas práticas de uso do aplicativo. A timeline, por exemplo, acaba se tornando um divertido mural com informações que o pai rapidamente absorve, já que trata-se da tela inicial do app.

Diferencial IsCool App, as notificações push são personalizadas e aparecem conforme a escola determina. Inclusive, a própria escola sabe bem em quais horários poderá se utilizar dessa ferramenta da melhor forma, já que por meio do dashboard do aplicativo, é possível saber os horários em que cada pai acessa o app com maior frequência.

 

Informação em tempo real e sem ruído

A notificação push também se torna sinônimo de comunicação em tempo real, indo ao encontro daqueles pais que gostam de estar bem informados sempre.  “Em casa, eu e minha esposas dividimos as tarefas relacionadas à educação dos nossos filhos e eu fico com a parte das tarefas de casa. No meio do dia, eu já fico esperando para receber o comunicado da professora que informa o conteúdo visto em sala e a página da lição de casa. É muito bacana”, conta Vitor Pelucci, pai de um aluno do Colégio Moraes, parceiro IsCool App.

Muito além de redes sociais abertas, o IsCool App também garante a segurança na informação desses comunicados, enviados de maneira personalizada para grupo ou individualmente. A informação certa, para a pessoa certa e enviada da maneira certa evitam ruídos e são mais facilmente absorvidas.

IsCool App no GEduc

Congresso que reuniu mais de 600 pessoas ligadas à educação no Brasil gerou novas discussões em torno do futuro da educação e destacou a o uso da tecnologia na sala de aula

IMG_7892
Público atento durante a abertura do evento

Respirar educação, espirar novas ideias. Foi assim o clima pelos corredores do 15ª GEduc, o maior congresso de educação do Brasil. Presente entre os expositores do evento, O IsCool App garantiu presença e bons negócios entre os educadores, coordenadores e diretores de escolas privadas de todo o país, que somaram cerca de 600 congressistas ao total.

Sob o tema “Inspiração para mudanças, insights para soluções”, o GEduc se voltou para o uso da tecnologia em sala de aula, reforçando o momento do IsCool App e colocando-o no centro do palco. “O evento traz um reforço muito importante para o mote principal do nosso trabalho, que é comunicação com inovação, agilidade e responsabilidade. É um grande prazer poder fazer parte desse momento histórico e decisivo para a educação no Brasil”, afirma Ramin Shams, diretor-presidente do IsCool App.

IMG_7898
Mesa de atendimento do IsCool App durante o GEduc; oportunidade de networking

 

Visão geral

Durante a abertura oficial, a apresentação dos números da educação privada no Brasil traçou um panorama geral do mercado e chamou a atenção para sua importância em relação ao PIB (Produto Interno Bruto), que atinge o patamar de 1,4%, com R$ 62 bilhões envolvidos. No total, são 15 milhões de alunos matriculados em escolas particulares, do infantil ao superior, gerando 2,4 milhões de postos de trabalho e 750 mil professores. Com este cenário de fundo, cada palestra, oficina e atividade do congresso se pautou no futuro e nas estratégias para potencializar a gestão da educação.

 

Leandro Karnal

Os holofotes estiveram apontados para o professor Dr. Leandro Karnal, historiador da Unicamp e figura de destaque nas mídias, que ministrou a palestra magna aos participantes. No período de uma hora e com muito bom humor, Karnal apontou as estratégias para uma boa gestão da comunicação. Falou da importância da inclusão tecnológica, mas deixou claro que, formação, bom planejamento e informação são essenciais para o futuro da educação e garantia de boas aulas. O professor ainda prendeu a atenção dos congressistas com assuntos como a crise, ética, liderança e os desafios dos problemas atuais da gestão educacional, entre eles o pessimismo, isolamento e procrastinação. Em sua mensagem final, ressaltou a importância do assunto: “Educação é empoderamento. Educação e alfabetização são permanentes”.

IMG_7897
Leandro Karnal prendeu a atenção do público com palestra regada a bom humore dicas de estratégias para o sucesso dentro de sala de aula

 

Mudanças futuras

Claudia Costin, professora e gestora pública, ex-ministra da república, atentou sobre a questão da qualidade do ensino e sobre a importância da educação para todos. “Escolarização não é sinônimo de aprendizagem. As crianças estão na escola, mas não estão aprendendo. A escola tem que ensinar a pensar”, afirmou Claudia. Com toda sua bagagem na educação dentro e fora do Brasil, a palestrante prendeu a atenção do público com dados atuais e premissas futuras que têm a intenção de transformar o ensino.

IMG_7882
Dinâmica do evento promoveu a reunião de gestores e educadores de todo o Brasil

Prêmios

Ao longo dos três dias, foram apresentados alguns projetos do PNGE 2017 (Prêmio Nacional de Gestão Educacional). Do ensino fundamental ao superior, o prêmio selecionou práticas de sucesso de instituições de ensino com gestores de todo o Brasil.

 

Mudanças na prática

O último dia do evento foi reservado para um grande painel, composto por diversos nomes ligados à comunicação e ao marketing de grandes instituições e empresas, como o Google e Microsoft. Os debates trouxeram à atenção dos congressistas os novos métodos de ensino baseados em tecnologia de ponta e a profunda integração entre escola e aluno. Ainda foram discutidas idéias para a gestão do marketing educacional e da importância da boa comunicação da escola com seu público.

Fotos: Andreia Naomi

IsCool App, o aplicativo oficial do XV BRAMUN

Toda a comunicação entre orientadores e alunos durante os quatro dias do evento promovido na Bahia foi feita por meio do aplicativo; foram mais de 500 participantes na versão brasileira da conferência que simula uma assembléia da ONU

WhatsApp Image 2017-03-23 at 13.50.08
Participantes do BRAMUN em parceria pioneira com o IsCool App

Em um mundo ideal, todas as nações falam a mesma língua e rumam para um caminho comum de evolução, defendendo propósitos maiores. Essa é a difícil missão da ONU (Organização das Nações Unidas) no papel de mediadora dos interesses mundiais há 70 anos. Entender essa complexa dinâmica e introduzir uma nova geração inteira aos dilemas mundiais é parte do projeto NMUN (National Model United Nations), que une jovens estudantes do ensino médio e de universidades no mundo todo em fóruns que simulam as reuniões da ONU.

No Brasil, o evento ganha o nome de BRAMUN e acaba de finalizar sua décima quinta edição, que aconteceu entre os dias 22 e 26 de março. Cerca de 500 participantes do Brasil todo estiveram reunidos em um hotel na Bahia discutindo assuntos que contribuíram para suas habilidades em diplomacia, negociação, senso crítico, compromisso, discurso, escrita e pesquisa. E entre discussões de temas delicados como mudanças demográficas e direitos humanos, a novidade foi a utilização de um novo meio de comunicação, o IsCool App. Em uma parceria inédita, o IsCool App foi a plataforma oficial de uso dos diversos grupos, em uma iniciativa que visou a diminuição de ruído e eficácia da dinâmica do evento.

“Nos eventos anteriores, a comunicação era feita ou pelo WhatsApp ou pelo Facebook. A ideia de usar o aplicativo no evento surgiu depois de uma parceria realizada entre a Escola Pan Americana da Bahia e a School Picture. Nesse momento fomos apresentados ao aplicativo e vimos a oportunidade de, mesmo não sendo voltado para eventos, usá-lo na nossa conferência para facilitar a comunicação entre os participantes, além de funcionar como uma ferramenta de busca de contatos, já que reúne todos em um único lugar”, explica Paula Oliveira Terres, Diretora de Admissions and Outreach da Escola Pan Americana da Bahia.

WhatsApp Image 2017-03-23 at 13.57.56
No BRAMUN, temas sensíveis de responsabilidade global estiveram em pauta

 

Eficácia na comunicação

Para a estudante do ensino médio da British School do Rio de Janeiro e participante do BRAMUN, Maria I.D.E., o uso do IsCool App foi de extrema importância para a organização das atividades. “Achei o IsCool App bem eficaz durante esses dias de evento porque a gente se comunica em grupo, pode falar com os coordenadores e os professores. Tem sido bem eficaz”. Maria, ainda elogia a facilidade no uso do aplicativo: “Quando eu loguei, já estava tudo lá, não tive que fazer muitos cadastros”.

Ainda, segundo Paula, a escolha foi uma estratégia acertada: “A dinâmica está sendo excelente! Quem está usando, está bastante satisfeito, já que a comunicação entre os participantes, principalmente os de escola diferentes, está fluindo muito bem. A navegação é simples, a interface agradável, então está sendo muito útil ao evento. Outro ponto positivo é que colocamos o mapa e a programação da conferência na página principal então todos têm essa informação em qualquer lugar, a qualquer hora”.

 

Do evento para a escola

Eficaz na comunicação entre os grupos e participantes do BRAMUN, o IsCool App está mais que aprovado pelos alunos, para também se tornar a plataforma de comunicação oficial de suas rotinas de volta ao colégio. “Se implementado na escola, como um meio de comunicação para cada série, de grupos diferentes, seria muito mais eficaz do que Google Classroom, por exemplo, até porque a gente tem isso no telefone e é um aplicativo muito mais descolado”, afirmou Maria.

WhatsApp Image 2017-03-23 at 13.48.20
Colégios do Brasil todo estiveram presentes no evento que aconteceu entre 22 e 26 de março

Fotos: School Picture

#notacrime: pelo direito à educação

Ao comemorar o Dia Da Escola, IsCool App homenageia a educação e reforça o apoio à causa dos estudantes iranianos em uma das mais emocionantes campanhas de conscientização da atualidade, a “Education Is Not A Crime”

Education_not_Crime.png
A arte de muro na cidade de Americana/SP, do artista plástico Leonardo Smania, ilustra a campanha IsCool App de #notacrime

E se você tivesse que correr risco de vida e desafiar o governo para conquistar seu diploma em uma universidade clandestina? E se, ao chegar para assistir a uma aula, você se deparasse com um prédio todo destruído, com os computadores confiscados e todo o material de aprendizado perdido? Pode parecer algo impossível, mas essas são situações reais em alguns lugares do mundo. E estão acontecendo agora, enquanto você lê essa matéria.

No Irã, cerca de 300 mil seguidores da fé Bahá’í sofrem perseguição diariamente, desde a Revolução Islâmica em 1979. Confundida com movimento político pelo governo, a minoria religiosa é a maior em número de fiéis, mas ainda assim, é discriminada e agredida de diversas formas, como por meio de propagandas ofensivas em tevê aberta, tendo suas casas queimadas e sendo proibida de estudar em universidades, como nos exemplos reais citados acima.

Assistir a essas dolorosas cenas instigou Maziar Bahari, jornalista e cineasta de origem iraniana, a tomar uma atitude e reiterar ao mundo a idéia de que a educação é um direito básico do ser humano. Bahari, que já foi preso e torturado pelo governo do Irã ao ser acusado de espionagem enquanto trabalhava no país, decidiu criar, em novembro de 2014, a campanha “#notacrime – Education Is Not A Crime”, um manifesto pelo acesso à educação do povo Bahá’í no Irã.

Endossada por figuras públicas como o Arcebispo Desmond Tutu e Shirin Ebadi (ambos vencedores do prêmio Nobel da Paz), intelectuais, jornalistas e atores hollywoodianos, entre eles Mark Ruffalo and Eva LaRue, a campanha tomou proporções mundiais. As redes sociais se tornaram o mais importante meio de comunicação para dispersão da hashtag #notacrime e o mundo passou a se conscientizar mais sobre os problemas enfrentados pelo povo Bahá’í no Irã.

Maziar Bahari_iscool app
Maziar Bahari, jornalista e cineasta de origem iraniana, deu início à campanha em 2014

 

Quando a velha arte de rua e novíssimos smatrphones se encontram

O ponto alto da campanha, sem dúvidas, é o engajamento de artistas de rua que traduziram a causa em painéis de grafite e realidade aumentada espalhados por vários continentes. Eles são convidados pela comunidade Bahá’í, que providencia tinta e outros materiais, e, muitas vezes, não têm qualquer contato com a religião ou conhecimento do problema vivido pelos estudantes iranianos. Mesmo não ganhando nada pelos trabalhos, os artistas se entregam ao tema com muita criatividade e, após conceber as obras, têm como missão fotografá-las e divulgá-las pelas redes sociais.

O resultado é uma galeria a céu aberto, com cenas incríveis que se misturam ao cotidiano de cidades como Nova York, Londres, Joanesburgo e Sidney. No Brasil, onde a comunidade Bahai tem 60 mil membros, as artes podem ser conferidas no Rio de Janeiro, Salvador e Americana/SP.

ISCool App abraça a causa

O IsCool App também é aliado da luta pela educação e pela causa dos estudantes iranianos. Tanto que criou uma campanha, para colaboradores e parceiros, voltada ao projeto #notacrime, com materiais (agendas, folders e cartazes) recheados de histórias inspiradoras de iranianos impedidos de estudar, mas que conseguiram se formar e conquistaram seus sonhos.

Mais do que ser a base do negócio, a educação para o IsCool App é um assunto tratado com amor, uma extensão da luta pela emancipação humana, uma oportunidade de construir um futuro melhor pela sociedade.