ESG na escola: a importância de levá-lo para a sala de aula

Além da gestão, o termo ESG pode e deve ser aplicado no ensino de seus alunos para promover ganhos diversos; saiba como

Recentemente, falamos sobre o que é ESG e porque essa sigla é tão importante na gestão escolar. Na ocasião, reforçamos que o assunto não deve ficar somente entre a equipe, mas também deve alcançar os estudantes.

Então, continuando a conversa sobre ESG na escola, chegou a hora de especificar o motivo de incluir essa pauta também no planejamento pedagógico.

A sigla ESG é uma menção aos termos em inglês environmental, social e governance. Em tradução para o português, remete às práticas ambientais, de responsabilidade social e de governança realizadas pelas empresas.

O assunto está em alta no mundo corporativo, mas também deve ser priorizado nas instituições de ensino, uma vez que reflete em ganhos diversos para todos, dos negócios à sociedade.

ESG na escola: por que os estudantes precisam saber?

Assim como no mundo corporativo, o ESG se tornou mais popular nas escolas nos últimos anos. Isso porque as instituições de ensino já entendem a importância de incentivar práticas ambientais, sociais e de governança no ambiente escolar. Afinal, essas iniciativas refletem em benefícios para todos, da gestão à formação.

Neste artigo publicado no portal Terra, especialistas reforçam que o ESG na escola possibilita vantagens como longevidade e solidez à instituição, bem como a construção da sustentabilidade dentro do ambiente escolar e na comunidade.

Além disso, investir em ESG pode refletir na atração de investimentos e na captação de estudantes, pois é uma pauta bastante priorizada atualmente entre consumidores – incluindo os responsáveis dos alunos.

Vale lembrar que as crianças e os jovens estão crescendo cada vez mais próximos dessas temáticas. Portanto, tudo o que acontece “do lado de fora” pode impactar as salas de aula. Além disso, a BNCC (Base Nacional Comum Curricular) orienta trabalhar a formação socioambiental no planejamento pedagógico.

Logo, ao ensinar o ESG na escola, atende-se, por exemplo, ao tópico dez das competências gerais da BNCC para a educação básica:

“10. Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, tomando decisões com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários”.

3 formas de trabalhar ESG na escola

Trabalhar o ESG na escola é uma maneira de elevar o desenvolvimento dos estudantes, atualizando-os com as tendências do mercado de trabalho e da sociedade. Assim, é possível contribuir com a formação de pessoas mais conscientes e que atuem como protagonistas das mudanças rumo a um futuro melhor.

Sendo assim, listamos algumas orientações compartilhadas pelo portal Escolas do Futuro sobre como realizar atividades baseadas em ESG na escola. São iniciativas ambientais, sociais e de governança que podem ser trabalhadas em sala e aula e até mesmo levadas para a casa, influenciando, assim, o desenvolvimento da comunidade.

Além disso, vale lembrar que o ESG na escola também contribui com o planejamento pedagógico guiado pelas definições do novo contrato social da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), intitulado “Reimaginando nosso Futuro Juntos”, que divulgamos aqui no Blog do IsCool App.

Agora, então, vamos às dicas:

1. Hortas verticais

Essa atividade atende aos três pilares do ESG na escola. Consiste no plantio vertical de hortaliças em suportes de garrafas pets, por exemplo. Para isso, pendura-se as embalagens em paredes, como ensina este conteúdo do portal Brasil Escola.

Trata-se de uma forma de trabalhar a conscientização ambiental dos estudantes, abordando desde a importância do plantio até mesmo a compostagem e decomposição. Além disso, as hortas verticais abrem portas para que professores trabalhem assuntos como desperdício, o correto descarte dos alimentos e as práticas de responsabilidade social para beneficiar pessoas que lutam contra a fome.

Essa aula pode, inclusive, influenciar a criação de uma campanha de doação de hortaliças para famílias carentes. Para completar, as hortas verticais contribuem ainda com o ensino das práticas de governança, ou seja, com a aplicação da missão, dos valores e do propósito da escola.

2. Economia circular

O mundo corporativo também discute bastante o conceito da economia circular. Portanto, não deixe de abordá-lo ao falar de ESG na escola. Trata-se de como é possível reduzir, reutilizar, recuperar e reciclar diversos materiais. A prática da economia circular tem influenciado diretamente a produção e o consumo de inúmeros produtos.

Sendo assim, a economia circular gera valor para empresas, bem como aumenta o acesso de materiais e serviços, diminui custos para negócios e clientes e ainda possibilita a criação de um futuro melhor.

Logo, explique o conceito para os estudantes de forma criativa. Incentive também a criação de atividades de gamificação ou sala de aula invertida que abordem a temática. Para saber mais sobre economia criativa, confira o conteúdo compartilhado pelo portal Upcycle Brasil.

3. Governança

Os estudantes estão crescendo e logo estarão inseridos em contextos corporativos nos quais a governança se fará presente. Pensando nisso, é importante que aprendam desde cedo o que o termo significa e como impacta suas vidas.

É um assunto bastante sério. Portanto, deve-se trabalhar a governança na sala de aula de maneira lúdica, incluindo o ESG na escola por completo. Nesse sentido, proponha atividades para estimular reflexões sobre a transparência, o diálogo e a tomada de decisão que promovam benefícios a todos.

Aqui os educadores devem incentivar relações baseadas no respeito, na troca de feedback construtivos, na diversidade e inclusão. Além disso, podem trabalhar soft skills, ou seja, habilidades socioemocionais que, além de contribuírem com a formação, hoje são também valorizadas no universo profissional.

Concluindo: com os conteúdos compartilhados aqui no Blog do IsCool App, sua escola estará ainda mais atualizada com as práticas ESG. Aplicar o conceito no dia a dia escolar, entre estudantes e colaboradores, fará muita diferença no futuro.

Deixe uma resposta