Educação STEM: o que é e como melhor aplicá-la?

Mais do que simplesmente moda, a educação STEM é uma importante estratégia para seu colégio sair à frente em relação à performance dos alunos; saiba tudo sobre a metodologia

A educação STEM é uma proposta pedagógica que trabalha a interdisciplinaridade e o ensino prático, principalmente nas áreas de ciências e tecnologias. O conceito visa ao investimento na educação e ao desenvolvimento de profissionais qualificados para o mercado de trabalho.

Essa metodologia de ensino atende diretamente a quatro áreas de conhecimento: ciências, tecnologia, engenharia e matemática. Dessa maneira, a escola desenvolve as habilidades e competências dos alunos para aplicar o conhecimento científico e tecnológico de forma prática.

Por isso, o STEM envolve uma proposta inovadora dentro e fora do contexto escolar: desenvolver mentores capacitados que irão incentivar os alunos a utilizarem a criatividade, curiosidade e autonomia na sociedade. Ao mesmo tempo, atua na formação de profissionais para o mercado de trabalho no Brasil.

Quer saber quais são os pilares da educação STEM? Continue a leitura e veja os principais conceitos dessa metodologia e como ela está se destacando nas instituições de ensino.

O que é educação STEM?

A sigla significa Science, Technology, Engineering and Mathematics, cuja a tradução para o português é Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática.

Trata-se de uma abordagem didática que se opõe ao ensino tradicional, incentivando os professores a integrarem ao máximo as disciplinas e os saberes em prol da educação. Da mesma forma que a informação e o desenvolvimento tecnológico foram influenciados pela indústria e pelo avanço da internet, que disseminou o acesso ao conhecimento.

Veja aqui as características de cada matéria STEM:

Science: aborda as ciências da natureza, como física, biologia e química no campo científico e prático.

Technology: tem o objetivo de aplicar todos os níveis de conhecimento da tecnologia, do básico ao avançado.

Engineering: aplicação dos campos da engenharia em prol de medidas práticas e mudanças efetivas na sociedade.

Mathematics: ensino prático da matemática e aplicação dos conceitos em situações que vão além do ensino tradicional da disciplina.

Quais os principais objetivos da educação STEM?

Entre as mais importantes metas dessa educação, temos:

– Desenvolvimento das competências e habilidades do aluno;

– Desenvolvimento da sociedade e a construção de um pensamento inovador nas áreas de ciências e exatas;

– Avanço econômico do país;

– Desenvolvimento tecnológico;

– Formação de mão de obra capacitada;

– Valorização do movimento científico e da educação.

Onde surgiu o ensino STEM?

A discussão teórica e a aplicação desse modelo de ensino têm sua criação vinculada aos países que destinaram recursos econômicos para as áreas estratégicas, como a Coreia do Sul, em 1970, e os Estados Unidos, no começo dos anos 2000. 

No caso do território americano, a metodologia foi se fortalecendo gradualmente com o passar do tempo. A partir da observação do desempenho estudantil não tão satisfatório nas áreas de conhecimento priorizadas pelo STEM, o conceito se consolidou.

O método é uma aplicação de ensino que influencia o desenvolvimento econômico e os recursos humanos de um país. Esses são alguns dos principais motivos de sua popularização nos EUA e da intervenção política que se especializou no tema.

Atualmente, os americanos são o exemplo do STEM no mundo. Graças ao sistema de ensino que foi criado para aplicar a proposta de colher os frutos econômicos e sociais.

No Brasil, a abordagem STEM já está presente em mais de 15 estados. Além disso, conta com muitos professores capacitados para desenvolverem essa proposta, de acordo com o Grupo STEM Brasil.

Como aplicar a educação STEM na escola?

Além de conhecer a teoria do método de ensino, nós fizemos uma lista de como você pode inseri-lá na prática na sua instituição. Confira aqui:

Reformulação do planejamento escolar

O primeiro passo para implantar essa proposta didática, é reformular o planejamento de ensino da unidade escolar. É preciso compreender que todas as aulas ministradas serão mais dinâmicas e voltadas para o ensino prático das áreas de conhecimento do STEM, mesmo que elas interajam com outras disciplinas, como a área de humanas.

Capacitação profissional

Outra ação essencial é treinar professores para que eles sejam mentores capacitados para desafiarem os alunos em cada exercício e experiência nas salas de aula, oferecendo suporte para as ações de tentativa e erro, assim como para o exercício da autonomia do discente.

Aulas práticas e dinâmicas

O ensino tradicional perde espaço nas aulas STEM, que são formadas por discussões e experiências práticas, sempre utilizando as ciências naturais, os recursos tecnológicos e os conceitos de engenharia e matemática.

Aulas com ferramentas tecnológicas e científicas

A tecnologia é parte fundamental da educação STEM. Desse modo, a escola precisa se equipar adequadamente para oferecer o modelo de ensino. Por isso, é indicada a criação de laboratórios de informática, de ciências e de física. Espaços de robótica, de jogos educativos e acervo de biblioteca direcionado aos conhecimentos em pauta também são sugestões válidas.

Incentivo ao protagonismo do aluno

O STEM promove a reflexão e incentiva a opinião crítica e científica do aluno. É um método que precisa estimular a curiosidade e criatividade do estudante em diferentes espaços. Dessa forma, a escola precisa favorecer o protagonismo e as principais capacidades do aluno para que ele consiga exercer todo o seu potencial escolar e social.

Essa abordagem exige mudanças pedagógicas, que podem se tornar extremamente benéficas para a formação dos alunos. Nesse sentido, ainda promove positivamente a imagem da instituição, consagrando a escola como um espaço inovador e dinâmico.

Principais benefícios da abordagem STEM

O STEM pode reformular o ensino do Brasil com uma proposta de educação que traz resultados para toda a sociedade. Veja os principais benefícios do STEM para qualquer país:

– Educar crianças independentes com repertório científico;

– Formar profissionais capacitados para as áreas de exatas, tecnologia e engenharia;

– Capacitar pessoas para desenvolver a autonomia e um olhar crítico em outras áreas de atuação profissional;

– Desenvolver um espaço educacional inovador com mentores treinados;

– Desenvolvimento econômico do país a longo prazo.

Além da proposta didática e do desenvolvimento da bagagem teórica do aluno, a abordagem STEM tem recursos interessantes para o desenvolvimento individual e social. Afinal, oferece ferramentas que preparam o aluno para o universo fora da sala de aula.

E aí, gostou? Compartilhe o artigo sobre essa nova proposta de ensino nas suas redes sociais e comente o que você acha sobre a aplicação do STEM no Brasil!

Deixe uma resposta