Educação empreendedora: como e por que inseri-la em sua grade curricular?

Fomentar a inovação e desenvolver novas habilidades nos alunos são apenas alguns dos benefícios da educação empreendedora, tema cada vez mais comum (e urgente) para ser inserido na educação básica

A educação empreendedora é uma novidade no Brasil que ganha lugar no currículo escolar a partir da nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Mas, o ensino empreendedor vai além da formação de futuros empreendedores – até porque não são todos os alunos que irão empreender um dia. Seu papel é incentivar o pensamento criativo, com foco na solução de problemas

Nos Estados Unidos, por exemplo, os estudantes recebem aulas de empreendedorismo desde 2009, sendo matéria obrigatória em 18, dos 50 estados. Mas, de acordo com o artigo “Por que inserir educação empreendedora nas escolas – exemplo dos EUA, publicado no blog CER, do Sebrae, faz pouco tempo que os estadunidenses descobriram que o ensino empreendedor “não consiste apenas na capacidade de abrir uma empresa, mas de pensar com criatividade e em colaboração”.

Pensando nisso, elaboramos um beabá sobre o tema com aplicações práticas para ilustrar como aplicar este conteúdo na rotina escolar de maneira natural. A seguir, vamos entender o que é educação empreendedora e quais os benefícios para os estudantes. 

O que é educação empreendedora?

Aprender a falhar, resolver problemas e pensar criativamente fazem parte da educação empreendedora, aquela que prepara o ser humano para a vida. No Brasil, ela ganha destaque com a inclusão do eixo de Empreendedorismo nos Itinerários Formativos do ensino médio, por meio da BNCC. 

Não só o ensino médio, mas também o ensino infantil já está recebendo aulas de empreendedorismo. É o caso do colégio Objetivo de Santa Bárbara D’Oeste que iniciou o ensino empreendedor em 2020 para seus alunos, desde o infantil II.

De acordo com a diretora da escola, Rosana Fiore Moreno, “a opção em ensinar o empreendedorismo é pela oportunidade de trabalhar com os alunos o desenvolvimento de habilidades em diversas áreas, inclusive intrapessoal”. O material do Sebrae foi escolhido, segundo ela, por ser uma empresa sólida no mercado em oferecer suporte nesta área.

Os alunos do 6º ano, por exemplo, trabalham em grupos para planejar a abertura de uma eco papelaria. Eles aprendem na prática, entre outras coisas, a fazer pesquisa de mercado e a definir o público-alvo. Além do ensino empreendedor, as apostilas reforçam a necessidade de conceitos como sustentabilidade e preservação do meio ambiente.

“Os alunos estão aprendendo a ser mais determinados, buscar pelo conhecimento, enfrentar situações adversas, trabalhar o raciocínio lógico, entre outras mais”, conta Rosana sobre os resultados obtidos. E completa: “a ideia é orientá-los de como trabalhar com diversas áreas da vida, não só a empresarial. Pois as habilidades empreendedoras são úteis não só para o trabalho em si, mas também para a área pessoal, social, etc”

3 motivos por que as escolas devem ensinar empreendedorismo

  • Os professores podem desempenhar um papel importante no apoio a jovens empreendedores aspirantes;
  • A educação para o empreendedorismo ensina aos alunos habilidades que eles podem usar até a idade adulta. Essas habilidades incluem trabalhar em equipe, bem como desenvolver formas criativas de elaborar novos produtos e resolver problemas complexos;
  • O ensino do empreendedorismo capacita os alunos, preparando-os para um futuro incerto e trabalhando para tornar a vida melhor para outras pessoas.

Em outras palavras, as aulas de empreendedorismo podem dar aos alunos esperança para si próprios e empatia para com outras pessoas. Essas habilidades são necessárias agora mais do que nunca.

Aqui estão 5 benefícios das escolas que ensinam o empreendedorismo:

1. Preparar seus alunos para um futuro incerto

A pandemia ensinou a todos nós uma lição importante: nossas vidas podem mudar drasticamente a qualquer momento. Alguns especialistas econômicos previram que os empregos de muitas pessoas se tornariam automatizados durante as próximas décadas, mesmo antes da pandemia global.

Os professores nem sempre podem prever exatamente o que os alunos precisarão saber após a graduação. Ainda assim, ensinar habilidades de empreendedorismo pode ajudar os alunos a lidar, e às vezes até acolher, as mudanças que estão acontecendo na tecnologia, nos negócios e na sociedade em geral.

Essas habilidades incluem resolução de problemas, trabalho em equipe, empatia, bem como aprender a aceitar o fracasso como parte do processo de crescimento.

2. Os alunos desenvolvem habilidades de criatividade e colaboração

A educação para o empreendedorismo apoia a criatividade, a inovação e a colaboração. Essas habilidades são altamente valorizadas pelas melhores faculdades e pela maioria das empresas do mundo e serão usadas por seus alunos muito além dos anos do ensino fundamental e médio.

As empresas geralmente são recompensadas por criar produtos e serviços que parecem novos e diferentes. As melhores novas ideias geralmente são o resultado de duas ou mais pessoas trabalhando bem juntas.

3. Ensinar os alunos a identificar e reconhecer problemas

Os alunos devem saber como identificar os problemas antes de aprender como resolvê-los. Os exercícios de resolução de problemas são um alimento básico de longa data da educação tradicional. No entanto, o mesmo não pode ser dito para a identificação de problemas.

Tradicionalmente, a resolução de problemas é ensinada apresentando aos alunos questões que já estão claramente definidas por outra pessoa. No mundo real, os problemas só podem ser resolvidos quando são devidamente identificados e descritos.

A educação para o empreendedorismo ajuda as crianças a aprender como identificar problemas com os quais nunca lidaram antes. Esta habilidade é muito necessária agora e continuará a ser necessária no futuro.

4. Ajudar os alunos a se tornarem resilientes

Tornar-se um empreendedor é uma jornada contínua repleta de altos e baixos, mesmo quando a economia está prosperando. O ensino do empreendedorismo incentiva os alunos a descobrirem suas paixões e como serem persistentes ao perseguir seus interesses. Os alunos também aprendem como manter uma ideia de negócio ou projeto semelhante, especialmente em tempos difíceis.

Aprender como resolver problemas e se adaptar às mudanças aumenta as chances de o aluno ter sucesso profissional e pessoal muito depois de deixar a sala de aula.

5. Incentivar os alunos a tornar o mundo um lugar melhor

Os empreendedores buscam constantemente solucionar problemas e atender às necessidades com a ajuda de seus produtos e serviços. O empreendedorismo pode até começar com o desejo de ganhar mais dinheiro e viver uma vida melhor, mas ele também é motivado pelo desejo de ajudar as pessoas com um produto ou serviço.

Todos os negócios de sucesso têm uma coisa em comum: eles tornam a vida dos clientes mais fácil e/ou mais agradável. Os professores podem apoiar e incentivar seus alunos a tornar o mundo um lugar nelhor com seus produtos e serviços ou sendo grandes líderes do futuro.

Leia mais:

Tendências do Futuro: o ensino de habilidades de vida

Deixe uma resposta