Coronavírus: como ficam questões financeiras e jurídicas para as escolas?

Confira quais as recomendações de órgãos oficiais e especialistas para a não interrupção das atividades letivas, bem como a manutenção dos empregos

Com os alunos em quarentena por conta da pandemia de Covid-19, as escolas estão enfrentando diversos desafios. Não só no ensino, que deixou de ser presencial e passou a ser remoto, mas também em relação às questões financeiras e jurídicas por conta de um cenário excepcional criado pela suspensão das aulas.

Entre as principais preocupações das escolas, estão a inadimplência e até mesmo o cancelamento de contratos por parte das famílias, que estão se sentindo lesadas nesse momento. Principalmente os pais que possuem filhos matriculados na educação infantil e em período integral.

Sob o ponto de vista jurídico, a natureza da prestação de serviços educacionais é regulamentada pela Lei n.º 9.394/96 de Diretrizes e Bases da Educação que determina uma prestação continuada dos serviços dentro do período de um ano, chamado “ano letivo”. É o que nos explica a advogada Elisângela Vieira Silva Horschutz, que presta assessoria na área do Direito Educacional para escolas do interior do estado de São Paulo. 

“Partindo desse pressuposto, recomendamos que nenhum contrato deva ser cancelado enquanto perdurar a quarentena e que os casos pontuais para descontos sejam analisados pela gestão escolar, até porque Medidas Provisórias estão sendo aprovadas a fim de sanar ou minimizar os impactos na economia”, recomenda.

A seguir, vamos ver as principais questões que as escolas estão vivenciando e como enfrentá-las da melhor maneira possível:

Cancelamento de contrato

De acordo com a advogada, as causas previstas para cancelamento do contrato, seguem a legislação civil, especialmente o código de defesa do consumidor.  “Entretanto, no momento de pandemia as condições de cancelamento usualmente praticadas ficam suspensas por caso fortuito ou força maior”.

Inclusive, este tem sido o entendimento da Senacon (Secretaria Nacional do Direito do Consumidor) por meio do Departamento de Proteção e Defesa da Consumidor – DPDC através de Nota Técnica, a saber:

“Senacon por meio do Departamento de Proteção e Defesa da Consumidor – DPDC recomenda que consumidores evitem o pedido de desconto de mensalidades a fim de não causar um desarranjo nas escolas que já fizeram sua programação anual, o que poderia até impactar o pagamento de salário de professores, aluguel, entre outros”

Veja a nota completa aqui.

Redução de dias letivos

Elisângela também alerta que a medida provisória nº 934/2020, decretada pelo governo federal e que trata da redução dos dias letivos para 800 horas letivas, não pode ser considerada como fator preponderante para descontos em mensalidades.

“Haja vista a necessidade de investimento das escolas no sistema EAD e ademais disto, a redução de dias letivos não interfere no custo administrativo da prestação de serviços, eis que a escola é uma atividade que demanda pessoas para o atendimento do seu objetivo e, mesmo com a eventual redução de dias letivos, não pode a empresa prescindir de seus colaboradores na consecução de seu fim”, lembra ela.

Descontos nas mensalidades

Seguindo as orientações dos órgãos de proteção ao consumidor, as instituições de ensino também precisam dar especial atenção com ofertas de descontos na parcela da anuidade para as pessoas atingidas pela crise econômica gerada pela pandemia. 

“Outros descontos poderão ser negociados pelas instituições, especialmente para a Educação Infantil ou mesmo para o período integral, mas tudo deve ser considerado numa planilha de custos para que haja manutenção do equilíbrio econômico financeiro do contrato”, ressalta a advogada.

Reposição das aulas

A natureza de alguns serviços, de acordo com a advogada, permite o costume de reposição de aulas, supressão de férias escolares, etc. “Por isso, não há motivos, por exemplo, que justifiquem de forma geral a devolução de valores correspondentes a mensalidades escolares, ou de cursos anuais, que são pautados na sequência de aulas, ou na continuidade do serviço durante o período letivo, especialmente quando é viável a reposição de aulas”.

E completa: “Porém, com o comprometimento da continuidade das aulas, as instituições de ensino precisam elevar os esforços de realização de atividades pedagógicas e de aprendizagem à distância, por meio de aulas remotas ou outras metodologias de ensino a distância”.

Por isso, somente serão legítimos os pedidos de suspensão de cobrança ou mesmo descontos de parcelas, nos casos de total paralisação das atividades, ou quando nenhuma alternativa for viabilizada para sua continuação.

Vale lembrar que casos específicos de cursos que ficarão prejudicados pela suspensão de aulas, em razão da fase do aprendizado ou do curto período do curso, e por impossibilidade de continuação pelo aluno em períodos posteriores, podem significar na prática o direito de cancelamento.

Para Elisângela, o cancelamento das matrículas pode ser um recurso a ser utilizado em casos específicos e excepcionais pelos consumidores dos serviços das escolas particulares. “Porém, deve ser o último recurso, pois sua utilização em larga escala pode inviabilizar a escola e, além disso, prejudicar tanto o aluno como profissionais da educação que dependem do pagamento da mensalidade para a manutenção do emprego”.

Professores e EAD

Pautados nas recomendações dos Sindicatos (Patronal e Empregados), Medidas Provisórias e Orientações do Ministério da Saúde, quanto ao grupo de risco, as instituições poderão buscar o melhor caminho para a não interrupção das atividades letivas, bem como a manutenção dos empregos, estando autorizadas a conceder férias antecipadas de até 30 dias, sendo que neste período a escola estará fechada.

Segundo a advogada, não se optando por férias antecipadas, e /ou mesmo o descanso em banco de horas, as instituições deverão capacitar seus professores e demais profissionais ao trabalho remoto, via home office, especialmente para que o professor tenha as ferramentas necessárias para ministrar as aulas EAD.

“Todas as garantias trabalhistas deverão ser obedecidas, inclusive aditamentos em contratos para home office e acordos coletivos ou individuais, se for o caso”, finaliza a advogada.

Desde o início da pandemia de Covid-19 no Brasil, o blog do IsCool App tem feito um especial sobre o Coronavírus com matérias que buscam auxiliar os gestores nesse momento de reinvenção do ensino, após a suspensão das aulas presenciais.  Confira as demais postagens:

Coronavírus: IsCool App como alternativa para a suspensão das aulas

Coronavírus: Como as escolas têm se adaptado ao ensino em casa

Coronavírus: Como as escolas têm se adaptado ao ensino em casa

Para se adaptar à nova realidade da educação a distância, escolas lançam mão de ferramentas on-line gratuitas

Desde que a Pandemia do Covid-19 (Coronavírus) forçou a suspensão das aulas e colocou os alunos em quarentena, as escolas estão correndo para se adaptar à Educação a Distância (EAD), buscando amenizar os prejuízos no ensino de crianças e jovens em todo o Brasil. De acordo com dados da Unesco, são 850 milhões de estudantes sem aulas presenciais em todo o mundo.

Amparadas por uma decisão do Ministério da Educação (MEC) que autorizou o ensino a distância na grade presencial por pelo menos 30 dias, as escolas passaram a substituir as disciplinas presenciais por aulas que utilizam meios e tecnologias digitais. É o caso do Colégio de Vinhedo, no interior de São Paulo.

Segundo a coordenadora dos anos finais e ensino médio, Carla Regina Zampieri, o colégio tem encontrando alguns desafios no processo de ensino a distância, principalmente na utilização da tecnologia.

“Mas, entendemos que é um período de adaptação e que os benefícios alcançados, depois desse primeiro momento, serão muitos”, afirma.

O colégio já utilizava o aplicativo de comunicação escolar IsCool App, mas a partir da suspensão das aulas, passou a utilizar também o módulo Lição de Casa, para que os alunos possam fazer suas tarefas domiciliares.

“Hoje, o IsCool App é nossa principal ferramenta de comunicação com pais e alunos. E tem sido muito eficaz.”, diz ela.

Outro exemplo é o Instituto Educacional de Americana, também no interior de São Paulo. A professora de Educação Infantil, Fernanda Caldas, está gravando videoaulas de sua casa para as crianças, sob orientação do colégio. Ela nos conta que grava de 2 a 3 vídeos ao dia.

“A gente se reinventa na tentativa de reproduzir o conteúdo de sala de aula em vídeos”, diz ela.

A professora afirma que o conteúdo feito para a criança aprender precisa, em primeiro lugar, ter sentido e também ser prazeroso.

Professora Fernanda Caldas em vídeo de contação de história para as crianças

As vídeoaulas, repletas de elementos lúdicos, são repassadas aos celulares e computadores dos pais através do IsCool App, aplicativo que o colégio adotou antes da Pandemia do Covid-19.

“Os pais já estão acostumados com o IsCool App e é por lá que entramos diariamente, passamos a rotina do dia, os links de vídeos com contação de histórias e assim por diante”, explica Fernanda.

Em todo o Brasil, diversas escolas também estão usando o aplicativo como forma de manter os pais informados e os alunos aprendendo, mesmo à distância. Inclusive, o blog do IsCool App fez anteriormente uma matéria sobre o aumento de escolas em busca do aplicativo de comunicação escolar e o módulo Lição de Casa.

Leia mais: Coronavírus: IsCool App como alternativa para suspensão das aulas

Dicas de ferramentas e recursos

Além de aplicativo de comunicação escolar, como é o caso do IsCool App, as instituições de ensino têm à disposição recursos on-line que podem ser utilizados gratuitamente, por conta da pandemia, para auxiliar nos estudos domiciliares e manter o calendário escolar de dias letivos.

Para auxiliar professores e equipe pedagógica nesse trabalho, o blog IsCool App selecionou algumas opções para ajudar as escolas nesse período de quarentena:

Confira abaixo algumas ferramentas e recursos que podem ser utilizados pela sua escola:

Educacross: Plataforma de Ensino-Aprendizagem e Avaliação de Lógica e Matemática, disponível para escolas públicas e privadas. Atende alunos do Ensino Fundamental, anos iniciais. Durante a paralisação das aulas, serão disponibilizadas as trilhas diárias de jogos “ESTUDO EM CASA”, gratuitamente nesse período.

De acordo com a CEO e cofundadora da Educacross, Erica Stamato, a plataforma oferece pelo menos duas condições ideais para esse momento.

“Por ser digital, rompe com a questão do isolamento. Além disso, desenvolve a autonomia da criança, uma vez que a aprendizagem é lúdica e envolvente”, diz ela.

Segundo ela, os jogos da plataforma cumprem as habilidades descritas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) do Ensino Fundamental I completo.

“Nós reunimos gameficação, jogos e gestão do conhecimento com análise do desenvolvimento da criança em tempo real”, completa.

Stoodi: Plataforma de estudos para alunos que estão se preparando para o Vestibular, disponibilizando videoaulas, exercícios e resumos da maneira organizada. Para que os estudantes não tenham seus estudos prejudicados nesse período, a plataforma liberou temporariamente o acesso gratuito a todas as videoaulas e exercícios com correção em vídeo.

Google Classroom: O Google Classroom ou Google Sala de Aula ajuda a comunicação entre as turmas, economizando tempo e mantendo as salas organizadas. Para ter uma Google Sala de Aula, a escola precisa se inscrever em uma conta gratuita do G Suite for Education que permite que as escolas decidam quais serviços do Google os alunos poderão usar e fornece proteções adicionais de privacidade e segurança importantes.

Inclusive, o Google criou um tutorial para professores que não estão habituados com suas aplicações. O tutorial ainda não está totalmente disponível em português, mas a maioria das aplicações já conta com o conteúdo traduzido, além de serem bastante intuitivas.

Moodle: É um sistema de gestão de aprendizagem on-line bastante conhecido no mundo acadêmico e que permite inserir vídeoaulas e outras funcionalidades. É gratuito para classes com menos de 50 alunos. Pode ser utilizado tanto para aulas de disciplinas básicas, como também de aulas extras: educação física, música, judô, capoeira, ballet, entre outros.

Outras aplicações úteis:

Canva: Aplicativo que permite criar diversos tipos de design, com qualidade profissional e de forma gratuita. A ferramenta já disponibiliza vários templates de apresentações, infográficos e vídeos. Alguns elementos são pagos.

Popplet: Sistema on-line para criação de mapas mentais. Na versão gratuita, permite a criação de até 10 mapas que podem ser salvos e disponibilizados por PDF ou pelo link da própria aplicação. Para disponibilização via link, o mapa mental deve ser colocado na opção “pública”. Para utilizar esta aplicação o flash deve ser autorizado no navegador. Possui tutorial em Português.

Pixton: Plataforma para a criação de História em Quadrinhos (HQ). Pode ser orientado para que os alunos criem seus próprios quadrinhos e compartilhem através de link. Para disponibilização via link, a HQ deve ser colocada na opção “pública”. A versão gratuita permite até 50 alunos e a criação de múltiplos quadrinhos por até 15 dias.

No site da Unesco, você também encontra outras dicas de ferramentas que podem ser utilizadas como recurso para a educação à distância.

A Humus, empresa que atua no segmento educacional, também fez uma compilação com os melhores conteúdos que têm sido disponibilizados gratuitamente. Acesse aqui.

E a sua escola? Está utilizando quais ferramentas para o ensino em casa? Conte pra gente nos comentários!

Leia também:

IsCool App é destaque no Jornal da Globo

IsCool App lança o módulo Lição de Casa

Coronavírus: IsCool App como alternativa para a suspensão das aulas

Com os alunos em casa, aplicativo de comunicação escolar pode diminuir o impacto causado pela distância

Diante de possíveis casos de Coronavírus no ambiente escolar, grande parte das escolas começou a suspender gradativamente as aulas presenciais desde segunda-feira (16/03), tendo como apoio o uso de ferramentas tecnológicas para a comunicação com as famílias e educação à distância. É o caso do IsCool App que auxilia o envio de comunicados da escola durante esse período.

De maneira geral, as escolas estão seguindo as orientações de contingenciamento da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) que prevê a suspensão gradativa das aulas até chegar à suspensão total, a partir de hoje, 23/03.

“O nosso objetivo principal é preservar a integridade dos alunos e, consequentemente, diminuir o impacto no calendário letivo”, diz o presidente da Fenep, Ademar Batista Pereira, em comunicado oficial.

Além dos avisos enviados pelo aplicativo, a escola também poderá utilizar o módulo Lição de Casa do IsCool App como recurso para auxiliar os alunos que não frequentarão a escola nas próximas semanas. Esse módulo permite que o professor envie facilmente a tarefa de casa através do aplicativo. Inclusive, fizemos recentemente um post falando sobre as vantagens desse módulo.

Saiba mais: IsCool App lança módulo Lição de Casa

Leia também: 10 dicas de como manter os alunos protegidos do Coronavírus

A ferramenta ideal para a informação certa

Entenda como as principais funcionalidades do IsCool App podem auxiliar o colégio neste momento de combate ao Coronavírus:

Feed de notícias: Ideal para publicar informativos em tempo real a toda comunidade e de uma vez. Fica disponível logo que o pai abre o aplicativo e, por isso, também pode conter informações gerais, como dicas em formato de texto, fotos e vídeos.

Comunicados: Mensagem direta e privada aos pais de um aluno ou turma específica. Pode ser enviada também a colaboradores e toda comunidade escolar de uma vez. Pode conter, além de texto, imagens, fotos e arquivos. Também oferece notificação push para que os pais estejam atentos às últimas atualizações do colégio quanto ao tema COVID-19.

Lição de casa: Disponibiliza as tarefas e atividades pedagógicas que os alunos poderão fazer durante o período de suspensão das aulas, caso o colégio opte por aplicar algum nível de educação a distância e apoio da tecnologia remota no aprendizado.

Calendário: Cria eventos específicos, como o dia de retorno das aulas, e se integra com a agenda do celular do pai, para reforçar a importância da data, além de enviar notificação via push.

Atendimento: Disponibiliza, de maneira organizada, os múltiplos canais de atendimentos e setores do colégio via chat, telefone ou e-mail. Pode ser uma rápida e fácil solução para atender às dúvidas dos pais em relação aos procedimentos de contenção ao Coronavírus.

Aumento de mais de 100%

Desde que a pandemia de Coronavírus (COVID-19) forçou as escolas a suspenderem as aulas em alguns estados do País, aumentou em mais de 100% a busca por aplicativo de comunicação escolar via mobile.

O IsCool App recebeu o dobro de novos pedidos desde segunda-feira (16), quando as escolas iniciaram a suspensão das aulas.

De acordo com a gerente de produtos e novos negócios do IsCool App, Tálita Barão, as escolas necessitam de um meio de comunicação rápido e eficaz, especialmente nesse momento sem precedentes.

“A agenda de papel perdeu a utilidade uma vez que os alunos estão em casa. É preciso que a escola tenha uma ferramenta rápida e eficaz de interação com as famílias, diminuindo o impacto da distância”, diz ela.

Módulo Lição de Casa

Além dos novos pedidos para implementar o aplicativo, o IsCool App também teve um aumento de interesse em relação ao módulo Lição de Casa. O Colégio Objetivo de Nova Odessa (SP), que já é cliente do IsCool App, foi uma das escolas que optaram pela utilização do módulo.

Segundo o assessor de comunicação do colégio, Bruno Aguiar, com o aplicativo ficou mais fácil manter contato direto com os alunos e responsáveis neste período de pandemia do COVID-19.

“As aulas, por hora, estão suspensas, mas os professores do colégio estão empenhados, realizando vídeo aulas para que os alunos não sejam prejudicados pedagogicamente”, relata ele.

Todos os alunos receberão orientações, conteúdos de revisão e conteúdos complementares através do módulo Lição de Casa.

Suspender as aulas não é uma medida adotada apenas no Brasil, mas no mundo todo. Segundo levantamento da Unesco, 105 países fecharam escolas e instituições educacionais em todo o país, impactando mais de 897,1 milhões de crianças e jovens.

Outros 11 países, entre eles o Brasil, implementaram fechamentos localizados em áreas de maior risco de contaminação e, se esses fechamentos se tornarem nacionais, dezenas de milhões de alunos também sofrerão interrupções na educação.

Através do site da instituição, é possível ver o mapa de monitoramento de alunos afetados pelo fechamento das escolas em decorrência do COVID-19. No site, também está à disposição uma lista de plataformas e mecanismos de aprendizagem à distância para compensar a perda de horário letivo.

IsCool App lança módulo Lição de Casa

Novidade facilita o envio das tarefas para os alunos através do aplicativo, permitindo também maior engajamento dos pais

Hoje, a lição de casa é parte integrante do processo educacional. Torna o aprendizado mais fácil e mais eficaz. Por isso, o IsCool App está lançando o módulo Lição de Casa, somando essa importante funcionalidade ao menu do aplicativo de comunicação escolar. “É uma das novidades que preparamos em relação ao aprimoramento do aplicativo em 2020”, diz a gerente de produtos e novos negócios, Tálita Barão.

Segundo ela, o IsCool App está em constante desenvolvimento. Sendo assim, as novidades desse ano não devem parar por aí. “Estamos sempre atentos às necessidades das escolas e o módulo Lição de Casa veio ao encontro dos pedidos que recebemos por parte das escolas para facilitar a rotina dos professores em sala de aula”, conta. O módulo Lição de Casa oferece alguns benefícios, confira a seguir:

  • Mais rapidez e praticidade para o professor enviar a lição de casa via mobile;
  • Maior engajamento dos pais;
  • Envio de arquivos, imagens e links de apoio;
  • Maior organização das tarefas, incluindo data de entrega e integração com calendário.

Não há custo adicional para o colégio que tiver interesse na nova funcionalidade. Basta que o representante da escola solicite a habilitação do módulo Lição de Casa junto à equipe de suporte do IsCool App.

Navegação fácil e intuitiva

A área de criação da tarefa é bastante intuitiva, com a fácil visualização dos campos de título, descrição, prazo de entrega e anexos para serem preenchidos. Nela, o professor determina também para qual turma é destinada a lição de casa, podendo enviar facilmente o mesmo conteúdo para mais de uma turma ao mesmo tempo.

De acordo com Rafael Cruz, gerente de TI, o módulo Lição de Casa foi pensado para facilitar a rotina do professor, oferecendo a tecnologia como aliada ao progresso dos alunos.“A navegação intuitiva é um dos pontos fortes, não só do módulo Lição de Casa, mas do aplicativo com um todo”, ressalta.

Assim como em todos os módulos, a funcionalidade já foi lançada com vídeo tutorial, o que é um diferencial do aplicativo. “A interface é bastante intuitiva, tanto no portal como nos mobiles. Porém, os tutoriais do IsCool App reforçam a praticidade para a escola, que pode acessar os vídeos a qualquer momento e engajar ainda mais seus colaboradores no uso da ferramenta.”, afirma Tálita.

Saiba mais sobre outras funcionalidades engajadoras do IsCool App:

Especial Matrícula 2020: por que optar pela assinatura digital de contratos

Como a Integração do IsCool App pode contribuir para a volta às aulas

Como tornar as reuniões e encontros com os pais ainda mais eficazes com o uso do aplicativo

Galeria de fotos e seu poder de engajamento dos pais

A importância do calendário escolar digital

Lição de Casa: ferramenta de assimilação

O professor bem sabe que a organização da lição de casa é um momento crítico no processo de ensino e educação. Um dos obstáculos, por exemplo, é que o aluno pode esquecer-se de anotar a tarefa na agenda física ou, mesmo que anote, o pai pode não ler a anotação depois.

Já no aplicativo, com as notificações push (notificações que aparecem na tela inicial do celular), sabemos que a taxa de visualização imediata de novos recados da escola é de 90%. Assim, fica mais fácil para as famílias visualizarem as mensagens importantes do colégio, como a Lição de Casa.

Vale ressaltar que aprender em casa pode contribuir para o processo geral de estudo. Uma das tarefas importantes que a escola moderna está enfrentando é melhorar a qualidade do ensino. E a lição de casa é uma ótima ferramenta nesse sentido.

Abaixo, listamos 4 fatos sobre a Lição de Casa que talvez você não saiba:

  1. O pedagogo italiano Roberto Nevilis é considerado o verdadeiro inventor da lição de casa, em 1905. Desde a época em que a lição de casa foi inventada, essa prática se tornou popular em todo o mundo.
  2. Estudos comprovam que a lição de casa desempenha um papel importante na melhoria da qualidade do conhecimento dos alunos.
  3. A lição de casa é uma maneira de desenvolver a iniciativa, independência, individualidade e imaginação criativa dos alunos.
  4. Lição de casa não é um meio de controlar o aluno, mas sim uma oportunidade de dedicar tempo ao assunto estudado.

Durante a aprendizagem na escola, ocorre uma assimilação concentrada do material estudado. Depois, o conhecimento adquirido é esquecido. Para evitar esse esquecimento, é necessário fazer a lição de casa.

Ao elaborar uma tarefa para crianças, os professores devem perceber que o processo de assimilação de material educacional passa por estágios obrigatórios:

  • Percepção;
  • Compreensão;
  • Fixação;
  • Formação de habilidades;
  • Aplicação de novos conhecimentos e habilidades na prática.

Atualmente, os professores envolvem diversos tipos de lição de casa no processo de estudo, entre eles:

  • Exercícios escritos;
  • Realização de trabalhos criativos;
  • Preparação de relatórios sobre o material estudado;
  • Realização de observações e experimentos.

Como vimos, o sucesso do ensino depende do sucesso da preparação da lição de casa. Esse aspecto é considerado desde o momento em que o dever de casa foi inventado. Agora, queremos saber: Qual a importância da lição de casa para o seu colégio? Conte pra gente nos comentários!

10 dicas de como manter os alunos protegidos do Coronavírus

Além de informar sobre o novo vírus, saiba como manter os alunos protegidos na permanência do ambiente escolar

O mundo está preocupado com a nova geração do Coronavírus, que pode provocar pneumonia e levar à morte. As informações veiculadas pela mídia são, em sua maioria, assustadoras. A boa notícia é que 80% dos casos diagnosticados são leves e os sintomas são similares aos de uma gripe comum, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Mesmo assim, crianças e adolescentes são impactados por essas notícias de alguma forma, fazendo com que as dúvidas e medos naturalmente apareçam. Por isso, as escolas têm o dever de informar os alunos sobre o Coronavírus e mantê-los protegidos da doença. Mas, como fazer isso da melhor maneira possível, sem causar mais pânico entre os estudantes e as famílias?

O colégio Objetivo de Nova Odessa (SP), por exemplo, decidiu organizar uma palestra com um profissional da saúde sobre o tema. A palestra, chamada “Orientações e Prevenção sobre o Coronavírus e outros Vírus Respiratórios”, foi ministrada para alunos do 5º ano do Ensino Fundamental II ao Ensino Médio, pela Coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Nova Odessa, Paula Mestriner.

Segundo a Orientadora Educacional e Fonoaudióloga do colégio, Andreza Della Gracia, a informação é a maior aliada nesses casos.

“A palestra foi muito importante para a desmistificação sobre os casos de Coronavírus: sua propagação, início, mutação de vírus e etc., assim como para a orientação de cuidados básicos de saúde que todos devem adotar, independente de surtos de doenças ou não”.

O colégio, que utiliza o IsCool App, compartilhou matéria sobre a palestra através do aplicativo, estendendo assim a informação também para as famílias. Além disso, a escola aumentou os pontos com álcool gel 70% para que os alunos possam higienizar as mãos com maior frequência.

A exemplo do Objetivo de Nova Odessa, realizar uma palestra com profissional de saúde pode ser interessante para manter os alunos e o próprio corpo docente informados sobre o assunto.

10 dicas de como manter os alunos protegidos

Além da informação, promover hábitos de prevenção da doença entre os estudantes é importante, tanto os de responsabilidade individual, quanto os de responsabilidade coletiva.

A Sphere International School, franquia de escolas internacionais, disponibilizou uma apresentação digital sobre o Coronavírus, chamado “Sphere Alerta!”. O material educativo foi preparado em português e inglês e apresenta, entre outras informações, 10 maneiras de como manter os alunos protegidos. Saiba, a seguir, quais são elas:

  1. Manter as salas arejadas, com ventilação natural;
  2. Evitar o contato próximo entre crianças;
  3. Realizar ações educativas com relação ao modo de lavar as mãos adequadamente;
  4. Evitar o compartilhamento de materiais escolares, brinquedos, utensílios na hora do lanche e/ou almoço;
  5. Orientar alunos a lavarem as mãos com maior frequência e, principalmente, antes e depois das refeições;
  6. Disponibilizar álcool gel 70% para uso de alunos e colaboradores;
  7. Evitar tocar a boca ou esfregar os olhos com as mãos, sem necessidade;
  8. Cobrir o nariz e a boca com a parte interna do braço dobrado ao tossir e/ou espirrar;
  9. Manter álcool gel 70% nas salas para uso frequente, especialmente após a criança tossir ou espirrar;
  10. Praticar mais atividades ao ar livre.

Vale lembrar que o aluno com febre não deve ir à escola e é de responsabilidade dos pais comunicar a instituição caso alguém da família tenha viajado para os países de risco até o momento. São eles: China, Alemanha, Austrália, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Camboja, Emirados Árabes, Filipinas, França, Irã, Itália, Japão, Tailândia, Vietnã e Singapura.

Sobre o Coronavírus

O vírus surgiu na China, na virada do ano, causou mortes e em poucos dias chegou ao Ocidente. Autoridades de saúde de todos os continentes tentam evitar uma epidemia global. Aeroportos monitoram sinais da doença nos viajantes e 35 milhões de chineses estão em quarentena na região de Wuhan, onde tudo começou.

Os primeiros casos da doença respiratória surgiram em dezembro do ano passado. Todos os doentes frequentavam o mercado de animais vivos em Wuhan. O mercado foi fechado, mas o número de casos continuou a crescer. Agora, se sabe que o contágio está se fazendo de humano para humano.

O Coronavírus tem esse nome porque é uma esfera com pontas, que lembra uma coroa. Os vírus conseguem durar até 24 horas nos objetos e a única maneira eficiente de eliminá-los é lavá-los bem com água e sabão.

Os principais sintomas são: febre, cansaço, tosse seca, dores pelo corpo, diarréia, congestão e corrimento nasal e dor de garganta. Os sintomas mais graves são falta de ar e pneumonia.

Através desse site, é possível visualizar o avanço da doença pelo mundo em tempo real.

O Ministério da Saúde do Brasil também elaborou um site para sanar as principais dúvidas dos internautas em relação ao novo vírus, inclusive elucidando as chamadas “fake news” que costumam se propagar pelas redes sociais.

E o seu colégio, já realizou alguma ação sobre o Coronavírus? Deixe nos comentários! 

Transformação digital e a formação nexialista

Prof. Dr. José Carlos de Souza Jr. – Reitor do Centro Universitário do Instituto Mauá

Com os avanços tecnológicos, os profissionais do futuro deverão ser nexialistas, um meio termo entre especialistas e generalistas.

Na era da transformação digital, formar os futuros profissionais não é mais o mesmo. Antigamente, quando o aluno chegava à faculdade, poderia escolher entre ser um especialista ou generalista. Hoje, essa dicotomia não cabe mais. Ao menos é isso que acredita o prof. Dr. José Carlos de Souza Junior, Reitor do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia.

Em sua palestra “Transformação Digital das Instituições de Ensino e a Formação Nexialista”, o prof. Dr. José Carlos explicou o termo “nexialista”, sujeito que faz a ponte entre especialistas e generalistas.

Para ele, as instituições de ensino devem se adequar para que os alunos tenham esse traço nexialista na sua formação.

“Ser especialista ou generalista é importante, mas mais importante que isso é trabalhar em equipe, de forma colaborativa”, afirma.

José Carlos, que também é Mestre e Doutor em Engenharia Elétrica, falou para cerca de 600 educadores durante a Reunião Anual das Escolas Associadas da Rede PEA/Unesco, Regional de Sâo Paulo, que ocorreu no dia 15/02, na capital paulista.

Inclusive, o blog do IsCool App produziu artigo sobre o evento. Clique aqui para ler o artigo na íntegra.

Para ele, nesse estágio que vivemos às portas da Indústria 4.0, é importante que os profissionais do futuro tenham flexibilidade e possam realizar conexões entre especialidades e generalidades, sendo, portanto, um meio-termo entre as duas maneiras de agir e pensar.

O que é Nexialismo

Essa palavra pouco conhecida surge em 1950, no livro de um canadense nascido em 1911 chamado Van Vogt. De acordo com o José Carlos, ele foi um escritor de ficção científica e contemporâneo de Isaac Asimov – considerado um dos mestres desse gênero literário.

“Seu livro de 1950, chamado The Voyage of Space Beagle, quando o homem nem havia chegado a pisar na Lua, fala sobre uma expedição interplanetária na qual a tripulação é composta por pessoas que são generalistas e especialistas”, conta.

A cada capítulo, a tripulação tem que superar um desafio. O protagonista do livro recebe então, pela primeira vez, a denominação de nexialista.

Nexialista vem de nexus (do latim) que significa conexão. Esse protagonista do livro tinha a habilidade de reconhecer na tripulação quais eram as generalidades e especialidades de cada um para resolver determinado problema. Ele montava as equipes e elas funcionavam muito bem sob a orientação desse nexialista.  

Segundo o reitor da universidade, essa dicotomia ainda é perceptível na formação dos profissionais de ensino superior atualmente.

“A conclusão é que os dois são importantes. Mas, antes do sujeito ser especialista ou generalista, ele deve ser um nexialista”, afirma.

Teoria evolucionista

A característica nexialista pode ainda ser observada no campo da biologia evolucionista, de acordo com o prof. Dr. José Carlos. Ele destaca dois pontos: o primeiro é sobre o elemento químico carbono, que é a base de toda a vida, do modo como nós conhecemos.

“Mas, o intrigante é que não é o elemento mais abundante no universo. O carbono é o elemento que faz melhor conexões. Ligações duplas e triplas: ninguém faz como o carbono. O carbono se permite ligar com outros elementos que deram origem a vida”, ressalta.

Para ele, o aluno deve trazer esse traço do carbono.

“Se não é o carbono propriamente dito, que tenha a consciência de se conectar ao carbono”, completa.

Por exemplo, o diamante basicamente é carbono. Ele é translúcido, um dos elementos mais duros e é isolante elétrico. Agora o mesmo carbono pode se combinar e se transformar em grafite, que é um elemento mole, opaco e altamente condutor de eletricidade. Então, o sujeito nexialista traz essa flexibilidade.

O segundo ponto a destacar é sobre o meio líquido.

“Toda teoria evolucionista levada a sério acontece no meio líquido, a exemplo da sopa primordial”, lembra. No meio sólido, dificilmente surgem novas conexões. Então a inovação não aparece e é o que chamamos de ordem. No gasoso, é o caos. As ligações são muito tênues. Não existe a perenidade necessária para que as ligações ganhem complexidade.

Fazendo uma analogia com o mundo corporativo, na ordem, às vezes tem-se regras tão rígidas que não permitem que a inovação surja. No caos, as empresas podem ser tão inovadoras que chegam a soluções pouco concretas. O meio líquido é justamente o meio termo, o equilíbrio.

Para o prof. Dr. José Carlos, as instituições de ensino devem ser meio líquido para que os alunos desenvolvam o traço nexialista e se tornem os profissionais do futuro.

E a transformação digital?

As instituições de ensino têm utilizado cada vez mais a tecnologia como suporte para a tomada de soluções. Apesar dos avanços tecnológicos trazerem ganhos de escala e produtividade para a produção industrial, as demandas da sociedade têm sido cada vez mais por soluções personalizadas.

É aí que entra o sujeito nexialista para colaborar no encontro dessas soluções, utilizando suas conexões entre as especialidades e generalidades. No caso do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia, os alunos dos cursos de engenharia, administração e design montam equipes multidisciplinares para o desenvolvimento de diversas soluções tecnológicas.

A mais recente delas foi o desenvolvimento de um aplicativo para monitorar os índices de saúde dos componentes da escola de samba paulista Rosas de Ouro. A ideia foi monitorar, durante o desfile, a emoção dos integrantes da escola. Para isso, os integrantes utilizaram uma pulseira para identificar suas reações ao desfilar pelo sambódromo do Anhembi.

Já no aplicativo, o usuário obteve acesso aos seus dados biométricos e a uma análise deles, através de relatórios diários, além de gráficos, com as interações do usuário antes, durante e depois do Carnaval. Assim como a educação e a indústria, o Carnaval também é 4.0!

Se você gostou desse tema e quiser saber mais sobre as tendências para os profissionais do futuro, leia os posts que já produzimos:

Tendências do futuro e o ensino de habilidades de vida

Futuro do Trabalho: o que as escolas precisam saber

Guia da Educação 4.0: o que esperar dela

Deixe nos comentários sugestões para próximas pautas!

IsCool App participa de reunião das escolas paulistas associadas à Unesco

Prof.ª Eliana Baptista Pereira Aun, diretora geral do Colégio Guilherme Dumont Villares e coordenadora regional de São Paulo

Público presente teve a oportunidade de conhecer todas as funcionalidades do aplicativo de comunicação escolar

No último dia 15 de fevereiro, o IsCool App participou como expositor durante a Reunião das Escolas Associadas da Rede PEA Unesco, regional de São Paulo. Mais um ano marcando presença nesse evento que reuniu cerca de 600 educadores.

O evento ocorreu no Colégio Guilherme Dumont Villares, em São Paulo, e reuniu escolas de todo o estado, filiadas à entidade internacional.

Os educadores puderam conferir as novidades de expositores parceiros da iniciativa, entre eles, o IsCool App. O aplicativo foi destaque pela quantidade de serviços oferecidos além da agenda eletrônica, incluindo os módulos de matrícula e integração com o software de gestão do colégio – o IsCool Sync.

Além do IsCool App, as demais soluções escolares do Grupo School Picture também foram apresentadas ao público presente.

De acordo com Ramin Shams, presidente do Grupo School Picture, a parceria com as escolas filiadas à Unesco vem ao encontro do que a empresa acredita.

“Nossas soluções escolares seguem pautadas nos pilares de educação da Unesco. Por isso, temos imensa satisfação em estar presentes num importante evento como esse”, diz.

Troca de conhecimento

A Prof.ª Eliana Baptista Pereira Aun, diretora geral do Colégio Guilherme Dumont Villares e coordenadora regional de São Paulo foi a responsável pela abertura oficial da reunião.

Além de abordar os desafios para a educação brasileira neste ano, como a BNCC (Base Nacional Comum Curricular) e nova legislação do ensino médio, a coordenadora ressaltou para o público a importância das ações pedagógicas serem trilhadas nos parâmetros da Unesco, como as propostas para o ano de 2020, principalmente aquilo que se refere ao Ano Internacional da Saúde Vegetal – Fitossanidade.

Na sequência, o Profº. Dr. José Carlos de Souza Júnior, Reitor do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia, conduziu uma importante reflexão sobre a tecnologia na educação.

Em sua abordagem, intitulada “Transformação Digital das Instituições de Ensino e a Formação Nexialista”, o Prof. José Carlos demonstrou que a tecnologia veio para ajudar a otimizar processos, com ganhos de escala, produtividade e eficiência.

“Porém, vivemos num mundo cada vez mais analógico, no sentido de que as demandas são cada vez mais personalizadas”, afirma.

Por sua vez, o Prof. Dr. Rui Fava, Doutor em Ciências da Educação pela Universidad Católica de Santa Fé, Argentina, apresentou a palestra “É preciso agir no presente para construir a educação do amanhã”. Rui Fava lembrou que nossos índices de educação são angustiantes e que é preciso melhorar.

“A gente organiza o ensino, mas não metodiza a aprendizagem”, revela ele ao confrontar os índices atuais com o que a educação do futuro exige.

Segundo Fava, entre os problemas atuais, as escolas ainda possuem resistência às novas tecnologias, apesar da aparente aceitação. Outra questão é que o diploma perdeu sua importância nos dias de hoje. “Isso acontece porque não estamos formando os alunos devidamente”, avalia.

Outra importante intervenção foi realizada pelo Fernando Perfeito, do Movimento Greenk, que conduziu a premiação das escolas PEA Unesco que se destacaram na categoria Descarte de Lixo Eletrônico do Torneio Greenk 2019, contando com a presença de Gustavo André Fernandes Lima, membro do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Entre as cinco melhores escolas, a EMEB Professor Stélio Machado Loureiro, escola municipal de Bebedouro (SP) garantiu o primeiro lugar, recebendo como premiação computadores para o laboratório de informática. A escola, que já utiliza o aplicativo IsCool App desde o ano passado, conseguiu coletar 115 toneladas de lixo eletrônico em conjunto com as demais premiadas.

Saiba mais sobre a parceria do IsCool App com a EMEB Professor Stélio Machado Loureiro.

Além de exaltar o engajamento das escolas da Rede PEA no torneio de 2019, Fernando aproveitou para fazer o lançamento do Torneio Greenk Intercolegial 2020, convidando as escolas associadas a participarem do projeto sobre o descarte de lixo eletrônico. A meta para esse ano é coletar 600 toneladas de lixo eletrônico em todo o país, entrando para o famoso Guiness Book (Livro dos Recordes).

A reunião das escolas paulistas ainda contou com a mensagem da Coordenadora Nacional das Escolas Associadas da Unesco, Prof.ª Myriam Tricate, que saudou os presentes apresentando os resultados alcançados pela Rede PEA no Brasil e convidando o público a participar do próximo Encontro Nacional da Rede, que acontecerá no segundo semestre de 2020 na cidade de Campos de Jordão (SP).

“No encontro de 24 a 26 de setembro, esperamos mais de mil participantes vindos de todo o Brasil”, antecipa Myriam. 

Ano Internacional das Plantas

Já o Ano Internacional da Saúde Vegetal – Fitossanidade teve um espaço especial no encontro. Ele está sendo comemorado pela Unesco e seus parceiros ao longo do ano de 2020 visando a conscientização da importância das plantas em nossas vidas e sobre as boas práticas agrícolas. 

Para falar mais sobre o Ano Internacional das Plantas, a coordenadora de comunicação da CropLife do Brasil, Daniela Camargo e a coordenadora de educação do Inpev (Intituto Nacional de Processamento de Embalagens), Anna Letícia Malagoli da Silva abordaram a importância da conscientização global sobre como proteger a saúde das plantas, sobretudo através da educação.

O Inpev, por exemplo, promove o Programa de Educação Ambiental Campo Limpo que visa à saúde vegetal e a responsabilidade compartilhada dos resíduos sólidos, especialmente produzido para alunos da Educação Básica.

Confira os melhores momentos da reunião:

5 funcionalidades do IsCool App para começar 2020 com tudo

O IsCool App trabalha em novos recursos constantemente e algumas funcionalidades vão te fazer se perguntar: por que não usei isso antes?

O ano novo já começou e sua escola pode – e deve –  melhorar ainda mais a comunicação com os pais. Quer saber como? Utilizando o aplicativo IsCool App. Mais do que uma agenda eletrônica ou um aplicativo de troca de mensagens através do celular, o IsCool App facilita a forma com que a escola se relaciona com as famílias.

Entre as diversas funcionalidades, vamos citar 5 para você começar 2020 com tudo! Confira:

1.Matrícula e rematrícula por assinatura digital

O IsCool App possui módulo de matrícula e rematrícula através do aplicativo, amparado num processo rápido e seguro de assinatura digital certificada de documento. Diferente de um simples aceite, a assinatura digital garante integridade e validade jurídica do documento pelo uso de algoritmos e criptografia.

Entre as vantagens, estão:

  • Campanhas de matrícula e rematrícula mais curtas;
  • Amparo legal aos pais e ao colégio;
  • Documento com integridade protegida por múltiplos pontos de autenticação do signatário;
  • Acesso ao documento a qualquer momento.

O módulo de matrícula é um exemplo da evolução do aplicativo, segundo a Gerente de Produto e Novos Negócios, Tálita Barão.

“Aqui no IsCool App, a gente inventou a matrícula pelo celular com toda segurança da assinatura digital certificada”, revela.

De acordo com Tálita, as escolas estão aproveitando essa funcionalidade, economizando tempo da equipe, papel e espaço.

“É mais uma prova que a gente está antenado com que o mercado precisa”.

2. IsCool Sync

O módulo  IsCool Sync integra o aplicativo ao seu sistema de gestão. De maneira automatizada, os dados são lançados apenas uma vez no sistema e atualizados diretamente na plataforma do IsCool App. Isso significa muito mais facilidade para a equipe e garantia de integridade dos dados.

“O IsCool Sync é uma ferramenta do IsCool App que possibilita integração com diversos sistemas de gestão. Para isso, a gente conta com um time exclusivo que oferece implantação e suporte às escolas”, explica João Rocha, Líder técnico do IsCool Sync.

Entre as vantagens, estão:

  • Envio automático de boletos pelo aplicativo (PDF, link e linha digitável);
  • Controle de entrada e saída: informa automaticamente o registro dos alunos pelas catracas;
  • Envio de boletins de notas, faltas e ocorrências lançadas no sistema.

Sem contar a facilidade que os pais encontram em ter todas as informações sobre o filho em um mesmo canal.

“Consideramos a segurança da informação algo fundamental para a escola e aos pais dos alunos, sendo assim o IsCool App possui uma plataforma segura já em processo de adequação à ISO 27001  e à LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados)”, enfatiza o gerente de TI, Rafael Cruz.

3. Ícone do Colégio na tela inicial

Fortaleça sua marca e agregue ainda mais importância ao aplicativo inserindo o ícone com logo do seu colégio na tela inicial do celular de cada usuário. Ao invés do usuário clicar no logo do IsCool App para abrir o aplicativo, irá clicar no logo da sua escola.

“Além disso, o colégio pode personalizar a interface com a sua marca e cores, fortalecendo ainda mais a imagem da escola”, comenta o designer do IsCool App, Gleidson Pestana.

Vale lembrar que o design intuitivo e de fácil navegação para os pais faz com que o IsCool App tenha uma forte aceitação.

4.Multi-idioma

Sua escola oferece ensino bilíngue? Então, que tal estender o segundo idioma também para a comunicação com as famílias? O IsCool App está disponível em quatro idiomas: português, inglês, espanhol e alemão.

5.Chegando

O módulo Chegando organiza a saída dos alunos de maneira simples e segura. O responsável avisa quando estiver saindo para buscar o aluno, o colégio recebe a notificação de sua proximidade, o professor ou a portaria avisa a criança e prepara para a saída.

Entre as principais vantagens, estão:

  • Maior segurança;
  • Menos trânsito;
  • Redução do tempo de espera;
  • Agilidade dos colaboradores da portaria;
  • Não monitora o trajeto do responsável pelo aluno;
  • Funciona em background.

Algumas dessas funcionalidades citadas acima são desenvolvidas sob medida, por isso, consulte-nos para obter mais informações a respeito.

Diferenciais do IsCool App

De acordo com o presidente Ramin Shams, da School Picture, empresa que deu origem ao produto IsCool App, quando se fala em educação, um dos elementos mais importantes é como a escola se comunica com as famílias.

“Hoje, o IsCool App é um dos maiores players do mercado, atendendo as melhores instituições educacionais do país com o mesmo DNA de excelência em atendimento e relacionamento, que já é tradição da School Picture”, diz ele.

Como um dos diferenciais, o foco em relacionamento se dá em todas as interações com o cliente: no suporte, na operação, na área comercial, no desenvolvimento do produto.

“Em geral, as empresas têm orgulho de dizer que possuem foco em atendimento ao cliente. Aqui no IsCool App é diferente. Nossa cultura é de relacionamento com o cliente. É claro que todo mundo é bem atendido, mas ao longo dessa interação, é construído um relacionamento. Essa é a cultura da School Picture e a gente trouxe isso para o aplicativo”, afirma Tálita Barão.

E completa: “O IsCool App evolui muito, é bastante completo e tem diversas funcionalidades que facilitam a comunicação entre a escola e a família e entre a família e a escola”,

Outro diferencial é o departamento Sucesso do Cliente, uma equipe exclusiva de trabalho com foco no resultado do cliente, incluindo acompanhamento contínuo em prol da adesão dos usuários e boas práticas do uso da plataforma.

“O departamento Sucesso do Cliente vem com o intuito de auxiliar os colégios a alcançarem um melhor relacionamento com os responsáveis”, conta Ghabriel Daniel, do Sucesso do Cliente.

Para 2020, o aplicativo trará novas funcionalidades que serão anunciadas em breve através dos canais de comunicação da empresa. Afinal, um bom produto de tecnologia está em constante evolução.  

“Unimos a velocidade, criatividade e inovação de uma startup com a segurança, confiabilidade e tradição de uma empresa que tem mais de 30 anos no mercado brasileiro”, reforça a diretora executiva da School Picture, Andréa Pitoli.

Para saber mais sobre as demais funcionalidades do IsCool App, acesse nosso site e acompanhe nossas redes sociais no Instagram, Facebook e Twitter: @iscoolapp

Top 10: posts mais lidos no blog do IsCool App em 2019

2019 chegou ao fim e para relembrar quais temas movimentaram a educação, estamos compartilhando dez posts mais populares do ano passado com você

2019 foi um ano intenso para a educação. Temas como a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e a nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) despertaram à atenção das escolas para suas respectivas adequações. Isso porque 2020 é o ano em que ambas, BNCC e LGPD, começam a valer de fato.

Não é à toa que entre os posts mais lidos do ano passado, esses dois temas prevaleceram. Outro destaque é para a matrícula realizada pelo celular com assinatura digital e validade jurídica. A novidade, implementada com pioneirismo pelo IsCool App, demonstrou maior relevância entre os diretores, coordenadores e professores que acessaram o nosso blog.

O conceito de educação 4.0, além de dicas sobre endomarketing e arquitetura escolar, listou no topo entre os posts mais lidos durante o ano passado. À medida que o tempo passa, os temas sobre educação parecem estar mudando cada vez mais rápido, o que torna a nossa missão de entregar conteúdo rico e estimulante cada vez mais desafiadora.

Cobrimos uma grande variedade de tópicos no blog este ano que passou e tivemos algumas coberturas de eventos fascinantes. O blog foi acessado mais de 23 mil vezes por profissionais de educação do Brasil e do mundo durante o ano passado, tornando 2019 o ano mais lido até o momento neste espaço.

Abaixo, estão as 10 principais postagens de blog mais lidas em 2019.

Cada trecho abaixo é apenas uma breve introdução ao artigo geral. Clique nos links para ler a matéria completa e comente a respeito.

Você pode compartilhá-lo com sua equipe para ver como está lidando com os principais desafios que os líderes escolares estão enfrentando ou apenas mantê-lo para reflexão pessoal.

Após essa breve retrospectiva de 2019, esperamos que o conteúdo desse ano seja ainda melhor! 2020, aqui vamos nós!

  1. Especial Matrícula 2020: 6 dicas para iniciar sua próxima campanha

Seu planejamento referente à captação e retenção de alunos para o próximo ano letivo já está pronto? Confira um passo a passo que pode te auxiliar neste período de análises e preparação para uma das ações mais importantes da gestão do colégio.

Nesta primeira matéria da série, o Blog do IsCool App sintetiza aspectos gerais do documento que torna obrigatória a revisão dos currículos ainda em 2019 e busca explicações para entender porque ela é um divisor de águas na educação brasileira.

Mesmo já trabalhando com as diretrizes da BNCC em seus currículos, instituições, redes e sistemas de ensino particular também vivem rotina de adequação; mudanças acontecem, principalmente, no quesito educação socioemocional e envolve a formação de professores.

A LGPD – Lei Geral de Proteção de dados já foi sancionada e sua entrada em vigor está prevista para agosto de 2020. Entretanto, escolas devem adequar seus contratos de matrícula ainda esse ano.

Termo em ascensão na comunidade escolar, a Educação 4.0 remete a uma nova era de aprendizagem baseada na inovação e no embasamento socioemocional, mas para se apropriar dela é preciso atitude e comprometimento por parte dos gestores.

Entenda qual a relação da tecnologia com as 10 competências da BNCC e veja dicas de como os colégios podem se apropriar dela sem deixar de lado a responsabilidade ética.

Apesar de ter sido criada principalmente para combater os abusos no uso de dados indevidos por algumas áreas do marketing e de vendas, a Lei Geral de Proteção de dados atinge em cheio todas as empresas e prestadoras de serviços, inclusive as escolas; entenda o que é preciso fazer para que o colégio não corra o risco de ser penalizado por multas astronômicas.

Direto do mundo dos negócios para a sua escola, conheça algumas das técnicas de comunicação interna e marketing que podem ajudar a engajar seus professores e colaboradores.

A nova forma de educar traz consigo a urgência de transformar a antiga sala de aula em espaços interativos e confortáveis; conheça as tendências em arquitetura que já são realidade e necessidade no cenário da educação e saiba como realizar essas mudanças no seu colégio em 2018.

  1. Você sabe a diferença entre aceite digital e assinatura digital de matrícula?

Distinta de um termo de aceite via portal on-line, a matrícula pelo celular oferecida pelo IsCool App tem validade jurídica e se torna ferramenta importante para os colégios que buscam não somente agilidade, mas principalmente segurança e integridade ao processo, evitando qualquer dor de cabeça futura.

Esperamos que você tenha gostado da lista de nossos posts mais populares em 2019! Qual deles é o seu favorito? Em qual tópico você gostaria que continuássemos? Informe-nos enviando um e-mail para marketing@iscoolapp.com.br.

BNCC na escola: como o professor pode implementar

2020 chega e ainda há uma sensação de dúvida entre educadores sobre a implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) nas escolas.

De acordo com cronograma do Ministério da Educação e Cultura (MEC) os currículos de ensino devem estar adequados à luz da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), no máximo, até o início do ano letivo, para que já sejam utilizados nas escolas. Porém, ainda há uma sensação entre os docentes de que a implementação da Base será difícil.

“A BNCC só funciona se tivermos um bom professor”, declarou Pedro Demo, técnico de planejamento e Pesquisa do IPEA e professor da Universidade de Brasília, durante palestra “A autoridade do professor e do aluno”, apresentada em julho desse ano, em Porto Alegre.

“Esse é o grande desafio: como conseguir que os professores entrem no século 21. Sejam autores, cientistas e pesquisadores, para puxar o estudante para o protagonismo de sua sociedade”.

Pedro Demo foi um dos palestrantes do 15° Congresso do Ensino Privado Gaúcho, evento organizado pelo Sinepe – RS que contou também com o IsCool App na área de expositores. Inclusive, já postamos no blog a cobertura do Congresso e Feira. Se você ainda não leu, confira:

IsCool App é destaque no 15° Congresso do Ensino Privado Gaúcho

Vale lembrar que a BNCC é o documento que regulamenta quais são as aprendizagens essenciais que todo aluno, seja ele de escola pública ou particular, deve desenvolver. Foi uma construção conjunta do Ministério da Educação e Cultura (MEC) em parceria com estados e municípios, e contando com mais de 12 milhões de contribuições de educadores e especialistas nacionais e internacionais.

De pernas para o ar

“A BNCC virou tudo de pernas para o ar”, avaliou a pedagoga Priscila Boy, durante a palestra “A formação do professor na Perspectiva da BNCC”, no 15° Congresso do Ensino Privado Gaúcho.

“Não tem conteúdo isolado, não tem metodologia, não tem área, não tem componente. Precisamos entender esse novo caminho – desenvolver competências e habilidades – e ressignificar nosso trabalho”.

De acordo com a pedagoga, a BNCC é um documento normativo que define as aprendizagens essenciais. “Por isso, posiciona-se na perspectiva de competências e habilidades. A habilidade traz dentro dela o conteúdo: ele não sai de cena, está lá, mas dentro de um contexto”.

A BNCC traz as aprendizagens essenciais a alcançar, segundo Priscila Boy. “A estrutura está posta. Temos dez competências gerais que seguem todas as etapas, da Educação Infantil ao Ensino Médio”. Inclusive, o blog do IsCool App já publicou um especial sobre a BNCC. Saiba mais em:

A palestrante acrescenta que a BNCC traz um olhar especial sobre:

  • A influência da tecnologia no cenário político;
  • O papel da mulher;
  • O combate ao racismo.

“Estudar não é suficiente, precisamos fazer os alunos proporem ações concretas para dirimir as desigualdades”, diz Priscila.

Da Educação infantil ao Ensino Médio

Segundo o MEC, a BNCC é o instrumento que ajudará a promover a qualidade e a equidade, garantindo que toda criança e jovem brasileiro tenha os mesmos direitos de aprendizagem, independentemente de onde estuda. Além disso, a Base é o que irá nortear os currículos dos estados e municípios de todo o Brasil.

Porém, alguns pontos ainda trazem dúvidas aos educadores e merecem ser discutidos. Afinal, a educação infantil é uma importante etapa na formação escolar, tanto que foi lançado o documentoBNCC na educação infantil com orientações para gestores municipais”.

De acordo com Priscila Boy, a educação infantil mudou radicalmente: em vez de áreas, há campos de experiências.

“A BNCC abre o texto, dizendo ‘na Educação Infantil a criança viveu experiências; vamos fazer uma retomada dos campos.’  Quer dizer: você está recebendo uma criança. Calma! Ela não sabe ler ainda ou sabe pouca coisa. Ela viveu experiências, criou hipóteses, acha que “guardanaple” é guardanapo e agora você tem dizer para ela que não é”.

No Ensino Fundamental , temos a perspectiva do aluno como protagonista e não só usuário. “Isso vai exigir uma mudança de postura, na forma de organizar, na forma de avaliar”. Já no ensino médio, não haverá mais posicionamento por componente curricular, como no Ensino Fundamental. “Está parecido com o Ensino Infantil, porque as áreas dialogam o tempo inteiro, e tem uma parte flexível, que o aluno vai escolher”, explica Priscila.

E completa: “Se você não dominar o conteúdo daquele componente, não vai fazer um itinerário assertivo”. Segundo o Censo Escolar, 12,7% dos alunos da 1ª série do Ensino Médio abandonaram os estudos entre 2014 e 2015, no Brasil. A evasão é um dos problemas do Ensino Médio atual e também um dos desafios para a implementação da BNCC.

Diante desse cenário ainda nebuloso, algumas iniciativas estão surgindo para apoiar o professor em sala de aula nesse momento de transição para a BNCC. Afinal, como vimos, caberá ao professor a missão de ensinar e incentivar os alunos nesse novo capítulo da educação brasileira. É o caso do e-book E-Nave 2 que reúne diversas práticas pedagógicas para inspirar educadores.

Poesia visual, design thinking, modelagem 3D, memes, além de experiências que trabalham a trajetória e a identidade dos estudantes. Essas são algumas das ideias apresentadas no livro. O e-book sistematiza atividades mão na massa que foram testadas e desenvolvidas por educadores do NAVE (Núcleo Avançado em Educação) em duas escolas públicas, no Rio de Janeiro (Colégio Estadual José Leite Lopes) e no Recife (Escola Técnica Estadual Cícero Dias).

Baixe gratuitamente o e-book no site Oi Futuro

Distribuído gratuitamente por meio da Plataforma Integrada de Recursos Educacionais Digitais do MEC e pelo site do Oi Futuro, o e-book apresenta estratégias para engajar o aluno do século 21, incluindo atividades mão na massa, voltadas para todas as áreas do conhecimento e componentes curriculares, da formação básica ou profissional e tecnológica.