A importância do conceito lifelong learning para professores

Entenda o que é lifelong learning e por que ele é essencial para os professores e dentro da sala de aula

Adaptar-se aos recursos tecnológicos e às mudanças políticas e culturais é colocar em prática os principais conceitos do lifelong learning. Um termo que vem ganhando espaço na esfera profissional e que também se adequou perfeitamente à realidade das escolas. Como? Direcionando os pilares que sustentam esse conceito aos professores e à didática em sala de aula.

O lifelong learning é uma prática que almeja desenvolver sempre o melhor profissional da área. Por isso, já é bastante explorado nos ambientes corporativos e está sendo cada vez mais cobrado no mercado de trabalho e em espaços tradicionais, como nos colégios.

De acordo com o conceito, o processo de aprendizagem não se encerra na formação escolar e universitária. Trata-se de uma habilidade que deve ser aperfeiçoada continuamente.

Leia neste artigo o que é o lifelong learning, as suas principais características e como pode ser adotado na educação.

O que é lifelong learning?

O termo em inglês basicamente significa formação continuada. A sua tradução para a língua portuguesa é educação ao longo da vida, que expressa a ideia de que o aprender é um processo que nunca terminará. Afinal, surgem sempre novas tecnologias, conhecimentos e teorias que podem ampliar nossa bagagem teórica e prática.

Portanto, a principal filosofia do termo é o investimento na formação, seja para fins pessoais, seja para fins profissionais. É uma prática que exige um movimento contínuo, autodidata, proativo e questionador, sempre em busca de novos conhecimentos e da evolução das habilidades.

Por conta disso, o conceito ganhou espaço dentro das instituições escolares. É que os professores precisam sempre se aperfeiçoar e buscar novas práticas de ensino, que integrem inovações e outros meios para transmitir o conhecimento.

Dessa forma, os princípios do lifelong learning resultam no sucesso dos métodos de ensino.

Além disso, o termo também explora a importância de repassar essa prática para os alunos, desenvolvendo discentes críticos e curiosos que também buscam melhorar suas habilidades e competências com as ferramentas escolares e os fundamentos da formação continuada.

A origem do lifelong learning

Em 1970, aconteceram os primeiros estudos sobre educação continuada. E só a partir de 1990, começou a formação de pilares mais vinculados ao contexto educacional.

Contudo, apenas em 2010, o termo constou no relatório da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI da Unesco. A ideia, então, foi amplamente direcionada para a educação.

Nesse documento, a Unesco ressaltou a importância da educação ao longo da vida e dos quatro pilares para as vivências em um mundo de rápida transformação.

Com a aplicação do lifelong learning, os professores têm o poder de trabalharem para um futuro coletivo, em que o raciocínio, o conhecimento e os talentos dos alunos podem ser mais bem explorados.

Quais são os 4 pilares do lifelong learning?

A jornada de aprendizagem continuada tem alguns fundamentos essenciais para o desenvolvimento pessoal e profissional. Confira aqui quais são os pilares:

1 – Aprender a conhecer

É o ato de estimular a curiosidade e reconhecer os novos caminhos como uma trajetória prazerosa e importante para o conhecimento. É por meio de questionamentos e apontamentos críticos que você conseguirá conhecer e refletir sobre o espaço à sua volta.

2 – Aprender a fazer

A prática leva ao exercício de aprimorar as habilidades de uma forma que a discussão teórica não consegue atingir. Por isso, prática e teoria são complementos. Assim, reconhecer que o ato de fazer uma atividade é parte do processo de ensino, coloca em ação um dos pilares da educação continuada, utilizando a vivência e a criatividade como caminhos de aprendizagem.

3 – Aprender a conviver

Uma forma de adquirir conhecimento e competências sociais é com o trabalho em equipe. Portanto, trata-se de um fundamento necessário para alcançar o sucesso da formação continuada. A troca de experiências e o convívio na esfera trabalhista, ou em outros contextos coletivos, vão colaborar para o desenvolvimento individual.

4 – Aprender a ser

A ideia de aprender a ser é sobre responsabilidade pelo próprio progresso e autonomia para se colocar diante das novas possibilidades. Você tem hoje um conhecimento até aqui. Por isso, serão necessárias novas experiências pessoais e profissionais para ser alguém que exercita a formação continuada. Com práticas autodidatas, é possível estimular todos os pilares da educação ao longo da vida.

Como praticar o lifelong learning na educação?

A filosofia da educação ao longo da vida pode compor tanto o desenvolvimento profissional dos professores quanto o planejamento que será adotado nas aulas.

Para os educadores, aprender e ensinar os pilares desse conceito têm relação com proporcionar o ambiente de ensino ideal para os alunos.

Veja quais são os principais benefícios da educação ao longo da vida para professores e estudantes:

– Desenvolvimento da criatividade;

– Aquisição de novas habilidades;

– Acesso à informação;

– Domínio de ferramentas tecnológicas;

– Abertura para enfrentar oportunidades desafiadoras;

– Estímulo do pensamento crítico;

– Trabalho em equipe com mediação.

Com os conceitos de lifelong learning para professores, a escola será um ambiente capaz de dinamizar o ensino e se adaptar às novas realidades sociais e tecnológicas. Afinal, elas exigem mais agilidade e possibilitam um grande acesso à informação por meio da internet.

Dessa maneira, é fundamental também colocar em ação as diretrizes propostas no relatório da Unesco, que construíram as ferramentas necessárias para o bom andamento das escolas em uma sociedade em constante transformação.

Uma das grandes vantagens de os docentes buscarem a formação continuada nos tempos atuais, é a imensa quantidade de informação, cursos, teorias e recursos disponíveis na internet.

Assim, os professores podem encontrar diversas formas para aprimorar e continuar exercendo sua profissão nos mais variados ambientes digitais. Com isso, é possível formar alunos criativos, curiosos e questionadores, que podem repassar os conceitos da educação ao longo da vida para outros contextos sociais no futuro.

Ficou com alguma dúvida sobre o conceito? Deixe nos comentários e não esqueça de compartilhar este artigo nas redes da sua instituição!

Deixe uma resposta