Metodologias ágeis a serviço das escolas

4 metodologias ágeis ideais para a educação e para transformação de seu colégio

Do mundo corporativo para a educação, entenda como sua escola pode se beneficiar de métodos como kanban, scrum e design thinking

Nas últimas décadas, a aprendizagem baseada em projetos tem se tornado cada vez mais popular em diversas instituições de ensino ao redor do mundo. Hoje, ela é aplicada em sala de aula através das metodologias ágeis na educação. No mundo corporativo, seu objetivo é satisfazer o cliente através da entrega contínua e adiantada.

Já na educação, a prioridade é satisfazer as necessidades das famílias e dos estudantes, por meio da entrega precoce e significativa da aprendizagem. Se você quer saber como funcionam alguns dos principais métodos ágeis na escola e como eles podem ajudar na prática do educador, confira este artigo até o final.

O que são metodologias ágeis

As metodologias ágeis nasceram no mercado de desenvolvimento de softwares, mas atualmente contam com aplicações nas mais diversas áreas, inclusive na educação. Foram criadas como alternativa para o gerenciamento de projetos no mundo corporativo e são baseadas em três pilares:

  1. Transparência
  2. Inspeção
  3. Adaptação

Elas surgiram após a publicação de manifesto de desenvolvedores de softwares no ano de 2001. Desde então, novas metodologias têm surgido, promovendo o trabalho em equipe com mais auto-organização, autonomia e comunicação.

Resumindo, é um conjunto de práticas que leva à melhoria contínua e à cooperação entre a equipe. Vale ressaltar que a palavra ágil aqui não cabe no sentido de velocidade, de ser mais rápido, mas sim a capacidade de adaptação. Então, ser ágil não é ser rápido, mas sim adaptável.

Existem diversas metodologias ágeis. Conheça agora quais são as 5 mais conhecidas e que já são aplicadas na educação:

1 – Kanban

Nada mais é do que um painel simplificado, no qual você pode colocar suas tarefas divididas em três colunas: Na primeira coluna, serão as tarefas “a fazer”. Na coluna do meio, as tarefas “fazendo” e na terceira coluna, as tarefas “feitas”.

E o que isso vai trazer de vantagem para o seu planejamento e para os seus estudantes? O kanban é um painel que traz transparência (um dos pilares das metodologias ágeis). Dessa forma, o seu conteúdo fica visível para que todos entendam as metas a serem atingidas e como está o progresso geral para atingir essas metas. O kanban é um dos métodos ágeis mais conhecidos do mundo.

2 – Scrum

O Scrum é um painel um pouco mais completo e detalhado que o Kanban. O método ensina que, para que um projeto dê certo, as pessoas envolvidas precisam trabalhar sempre juntas e engajadas no mesmo objetivo.

As equipes Scrum trabalham tarefas com limite de tempo chamadas “sprints”. Uma sprint pode durar de 1 a 4 semanas, por exemplo. Essas sprints são rastreadas no Quadro de Scrum. Geralmente,  as tarefas são divididas em cinco colunas no quadro: História, A Fazer, Fazendo, A testar, Feito. O Scrum cria uma mentalidade de melhoria constante.

3 – Design Thinking

Semelhante aos anteriores, o design thinking é uma das metodologias ágeis na escola que incentiva práticas colaborativas em sala de aula. Os alunos são muito beneficiados com a aplicação do design thinking na escola, principalmente com a oportunidade de absorver o conteúdo de uma forma muito mais atrativa.

O processo de criação em equipe é um dos principais elementos do design thinking para os educadores, e pode ser elaborado em etapas. Vale lembrar que cada etapa pode ser inserida de forma independente. São elas: Descoberta, Interpretação, Ideação, Experimentação e Evolução. Cada etapa é precedida de uma pergunta:

  • Como posso abordá-lo?
  • Como posso interpretá-lo?
  • Como posso criar?
  • Como posso concretizá-lo?
  • Como posso aprimorá-lo?

Inclusive, o blog do IsCool App já fez artigos anteriormente sobre design thinking. Saiba mais:

Design Thinking: o que é e como aplicar na escola

4 – Lean

A metodologia Lean é conhecida por muitos empresários e gestores pela racionalização dos processos no meio corporativo.Já no ambiente escolar, tem como objetivo deixar os processos educacionais mais leves e rápidos, visando otimizar ao máximo a dinâmica de funcionamento de uma instituição de ensino e, consequentemente, o aprendizado dos alunos.

Outra característica interessante desta metodologia é que ela caminha junto ao design thinking, ou seja, os alunos passam a ser orientados em um sistema prático e objetivo que leva à criação de soluções mais inovadoras e estratégicas.

Na lean, ao integrar o design thinking, as crianças passam a ser orientadas para seguir uma linha de raciocínio lógico para as atividades feitas. Elas primeiro aprendem um conteúdo, em seguida recebem um desafio e depois trabalham para solucionar esse problema.

De acordo com o professor Clérice Moura, especialista em metodologias ágeis na educação, a aprendizagem ágil quer que todos os atores envolvidos no rpocesso, desde a direção, coordenação, professores e estudantes, tenham a percepção do progresso do aprendizado.

“Para que isso aconteça, as atividades devem ser guiadas para que se tenha feedback constante e que sirva para retroalimentar o processo de aprendizado”, explica ele em seu canal no YouTube.

Como aplicar as metodologias ágeis na escola?

A primeira questão que o educador deve ter em mente antes de implementar a metodologia ágil com os seus alunos é “o que você quer obter dos seus alunos com esse projeto”. Essa é a pergunta norteadora. Após a definição dos objetivos, é hora de compor as equipes.

Crie um ambiente de coesão entre as equipes, que também seja seguro e dinâmico, no qual todos os integrantes possam se expressar. Vale a pena visitar o site toolboxtoolbox que traz exemplos prontos de quadros (Trello) para serem trabalhados com os alunos. Entre os temas encontrados, estão: covid-19, racismo, mudanças climáticas, entre outros. O site está em inglês.

Durante a execução, divide-se os estudantes em grupos de 3 a 5 membros. Depois, apresente a eles as regras do jogo, como será a dinâmica, dê ferramentas para que eles possam construir o projeto. Quebre os objetivos em pequenas partes e organize a entrega de atividades das equipes por ordem de prioridade.

Então, as equipes discutem entre si a duração de tempo de cada ciclo dessas atividades (sprints) e podem partir para a execução das tarefas e fazer os ajustes necessários para adequação em reuniões diárias. No final do ciclo, os estudantes devem detectar o que foi feito (retrospectiva) e fazer uma autoavaliação. Ao final, as equipes fazem uma apresentação dos trabalhos.

E a sua escola, já aplicou alguma dessas metodologias ágeis? O que achou? Deixe nos comentários!

Deixe uma resposta