De volta às aulas: como melhor reorganizar sua escola

Soluções, dicas e ferramentas essenciais para criar um ambiente de aprendizagem seguro e eficaz em tempos de ensino híbrido e protocolos de segurança

Já é tempo de volta às aulas em todo o Brasil. Mas os preparativos deste ano letivo envolvem uma ansiedade adicional já que educadores e pais tentam um equilíbrio entre a necessidade de cuidados para evitar a propagação do coronavírus com o desejo de colocar os alunos em ambientes de aprendizagem mais produtivos.

A prioridade de todo sistema escolar deve ser proteger a saúde e a segurança dos alunos e funcionários. No entanto, em uma pandemia de rápida evolução, essa não é uma tarefa fácil. As circunstâncias mudam semanalmente e mesmo as cidades com baixa contagem de casos devem estar vigilantes e prontas para mudar de curso no caso de emergências.

Presencial, remoto ou híbrido?

No momento, não existe uma estratégia única ou um modelo de ensino comum e ideal para a pandemia. Os colégios trabalham, mediante suas realidades, com a possibilidade de continuar educando os alunos remotamente, trazê-los de volta para a sala de aula ou criar um regime híbrido que combine os dois.

De acordo com dados divulgados pela Unesco, mais de 800 milhões de alunos em todo o mundo ainda enfrentam interrupções de aulas. Brasil e outros quatro países têm o período mais prolongado de fechamento de escolas: 40 semanas.

Por todo o contexto, algumas escolas particulares decidiram começar o ano escolar no sistema a distância, enquanto outras optaram pelo sistema híbrido.

No caso do ensino híbrido, bastante difundido e em plena consolidação, o primeiro passo é acertar os protocolos de saúde. Uma vez que as escolas tenham uma noção clara do que é necessário para reduzir as taxas de transmissão e salvar vidas, elas podem desenvolver modelos robustos para minimizar mais atrasos no aprendizado e apoiar os alunos durante a crise.

Dicas para definir o modelo ideal de aprendizagem

Para muitos alunos, a volta às aulas de forma presencial não será segura. Portanto, é importante compreender alguns aspectos para oferecer o aprendizado remoto e híbrido de maneira correta.

Porém, como a abertura de escolas não deve ser uma proposta de tudo ou nada, listamos abaixo algumas prioridades:

1 – Concentre seus esforços nos alunos que enfrentam os maiores desafios

O aprendizado a distância é especialmente difícil para alunos que também precisam lidar com outros desafios como, por exemplo, quando os pais trabalham fora e não têm como apoiar o estudo dos filhos em casa.

Muitos desses alunos terão dificuldade para prosperar em um ambiente remoto, onde carecem de orientação prática e suporte emocional.

Priorizar o pequeno número de alunos que mais precisam de instrução presencial – devidamente autorizados pelos pais – torna possível a criação de turmas menores, o que facilita para os alunos seguirem os protocolos de distanciamento, reduzindo riscos de propagação do vírus.

2 – Na volta às aulas, priorize o ensino fundamental para aulas presenciais

As crianças mais novas precisam de um nível de orientação, interação social e oportunidades de aprendizado tátil que são difíceis de se reproduzir em uma sala de aula on-line. Elas também são menos capazes de se concentrar em aulas a distância por longos períodos.

Embora o risco de infecção entre crianças pequenas seja real, ele pode ser controlado se as escolas aplicarem protocolos de higiene vigorosos. A boa notícia é que estudos sugerem que crianças menores de dez anos têm menos probabilidade de transmitir o vírus.

O risco de infecção para professores pode ser mitigado pela criação de pequenos grupos de alunos, aplicando triagem, lavagem das mãos e outros protocolos de segurança.

3 – Utilize sistemas específicos para ensino híbrido e remoto

Quando a pandemia começou. em 2020, muitos educadores não tiveram escolha a não ser colocar as aulas existentes on-line. Em 2021, temos a oportunidade de projetar soluções melhores para maximizar a aprendizagem dos alunos em ambientes remotos e híbridos.

Comece definindo a experiência ideal de aprendizado remoto para os alunos. Os sistemas escolares devem primeiro determinar o número apropriado de horas de aprendizagem por dia e a proporção dessas horas gastas on-line para cada faixa etária.

Para o ensino híbrido, o modelo padrão está em dividir as aulas entre duas turmas: uma remota e outra na sala de aula. Uma vantagem desse modelo é a simplicidade, pois os professores precisam de um mínimo de reciclagem e podem seguir os planos de aula existentes.

4 – Relacionamentos são a base da aprendizagem

As escolas são mais do que locais de aprendizagem. Elas são os centros de suas comunidades, desempenhando papéis essenciais no fornecimento de educação e na garantia da segurança física, saúde mental e bem-estar social e emocional dos alunos.

À medida que as instituições escolares implementam seus planos de ensino híbrido, elas devem garantir que não estão apenas construindo confiança com professores, pais e alunos, mas também desenvolvendo planos para ajudar os professores a construir os tipos de relacionamento com os alunos que incentivem o aprendizado.

5 – Mantenha uma comunicação eficiente com os pais

Um efeito colateral do recente fechamento de escolas é que os pais estão mais envolvidos com a educação de seus filhos. À medida que os educadores trazem os alunos de volta ao colégio para o aprendizado remoto ou híbrido, os pais podem incentivar esse esforço.

Cada escola pode se comprometer a se conectar regularmente com as famílias para entender o que está funcionando, transmitir informações sobre o currículo e abordar desafios específicos.

Dicas para os pais podem fazer uma grande diferença: por exemplo, como evitar aglomeração na entrada da escola através do módulo Chegando, do IsCool App.

Esse módulo tem sido bastante requisitado pelas escolas que adotam o aplicativo de comunicação, pois ele avisa a chegada dos pais no portão de saída para melhor organização da escola.

Saiba mais: 4 funcionalidades essenciais do app escolar para o Ensino Híbrido

6 – Professores e alunos devem se sentir seguros

Como profissionais da linha de frente em sala de aula, os professores devem desempenhar um papel integral na concepção de modelos sustentáveis para ensino híbrido.

Muitos alunos voltarão para a escola com algum grau de estresse. Alguns terão perdido membros da família. Outros podem estar enfrentando as dificuldades de verem seus pais perderem o emprego.

Embora seja importante avaliar o status acadêmico dos alunos e tentar recuperar o atraso na aprendizagem, os educadores devem se concentrar primeiro em reconstruir relacionamentos e um senso de comunidade.

As informações desse artigo foram baseadas no protocolo lançado pela Unesco, Unicef e Opas/OMS intitulado “Considerações para medidas de saúde pública relacionadas à escola no contexto da Covid-19”. O texto traz recomendações sobre como e quando reabrir cada escola e sobre os procedimentos de segurança que devem ser adotados.

Um comentário sobre “De volta às aulas: como melhor reorganizar sua escola

Deixe uma resposta