Futuro do trabalho: o que as escolas precisam saber

Mudanças sobre as perspectivas de trabalho e carreira geram incertezas sobre o que a economia futura exigirá dos profissionais

Afinal, como será o profissional do futuro? De maneira geral, essa pergunta gera ansiedade nos pais e educadores. Se por um lado, o pai tem dúvidas se o filho terá uma carreira bem sucedida, as escolas também se questionam se estão em sincronia com o futuro do mercado de trabalho para atender os anseios desse pai.

Para amplificar essa questão, surgem a cada dia novas tecnologias que transformam o mundo muito rapidamente. Ninguém sabe ao certo quais habilidades serão necessárias para garantir uma posição no mercado de trabalho ao completar os estudos nos próximos anos.

Alguns especialistas chegam a prever que, em 2030, de 400 a 800 milhões de pessoas em todo o mundo terão que deixar o seu local de origem em busca de novos empregos. Nesse sentido, a capacidade de se adaptar e adquirir novas habilidades se tornará uma necessidade para a sobrevivência.

E de quais habilidades estamos falando? De acordo com a VP de RH da IBM América Latina, Luciana Camargo, elas incluem:

  • Mentalidade de crescimento;
  • Aspiração de aprendizado contínuo;
  • Resiliência;
  • Conforto com mudanças e incertezas.

De maneira geral, as escolas estão se esforçando para preparar os jovens para a vida após os estudos, oferecendo aos alunos, por exemplo, as linguagens de computador. Mas a tecnologia se expande tão rapidamente que é difícil acompanhar.

“Estamos cada vez mais conectados: internet móvel, inteligência artificial e tecnologia vão impactar as profissões, os mercados e a sociedade”, cita Luciana Camargo.

Para ela, existe uma mudança fundamental para a empregabilidade no futuro: hoje, o estudo é voltado para um trabalho específico, enquanto que no futuro, a aprendizagem será ao longo da vida.

“Os profissionais terão que aprender a desaprender. Uma pessoa terá muitas carreiras diferentes em sua vida devido ao cenário de trabalho que muda rapidamente”, antecipa.

Todos esperam que a automação e outros avanços tecnológicos eliminem alguns empregos e criem outros. De qualquer forma, as habilidades humanas continuarão a ser o combustível da economia global.

“Entre as habilidades em alta, estarão a criatividade, o pensamento crítico e resolução de problemas, a inteligência emocional e a comunicação”, revela Luciana.

Ela apresentou a palestra “O trabalho em tempos de inovação – O que as escolas precisam saber o que educar hoje para os profissionais de amanhã”, durante o Encontro PEA Unesco, realizado em setembro de 2019, na cidade de Ouro Preto-MG.

Luciana Camargo durante a palestra “O trabalho em tempos de inovação”, no Encontro PEA Unesco 2019, em Ouro Preto (MG)

Note que as habilidades supracitadas estão em conformidade com as 10 competências da BNCC (Base Nacional Comum Curricular) que passam a vigorar a partir de 2020. Inclusive, já fizemos um Especial sobre a BNCC aqui no blog. Vale a pena ler e reler:

A educação e as ideias sobre carreiras mudarão

De acordo com o professor de Ciências da Computação da PUC-RS, Rafael Prikladinicki, a questão do avanço tecnológico sempre nos acompanhou. “A grande diferença está na aceleração e na velocidade que as coisas acontecem”, diz ele para o Programa Entrevista, do Canal Futura.

Rafael, que também é diretor do Tecnopuc – parque tecnológico e científico da PUC-RS, explica que, se antigamente fazíamos uma reflexão sobre o que aconteceria em 50 anos; nos dias de hoje, a gente faz reflexão sobre o que vai acontecer nos próximos 5 anos.

“Hoje, as gerações têm que se acostumar com uma dinâmica de aprender, desaprender, reaprender e constantemente se adaptar à realidade. Os ciclos que são cada vez mais curtos”, comenta.

Segundo o professor, o mundo está evoluindo numa velocidade muito rápida pela capacidade que nós temos como profissionais e organizações, de inovar e encurtar esses ciclos.

“A gente vive num mundo cada vez mais multidisciplinar. No futuro, não estaremos mais falando em formar pessoas em Medicina ou Engenharia. As instituições de ensino precisam se adaptar a essa realidade hoje. As escolas já estão buscando essa transformação”, alerta Rafael.

Existem estudos que indicam que não teremos no futuro empregos como conhecemos hoje. A necessidade de inovar e empreender surge desse entendimento.

“É preciso refletir sobre como nós gostaríamos de estar e de ser daqui a alguns anos, porque muito vai depender da nossa própria iniciativa”, lembra o professor.

Se não pode com a tecnologia, junte-se a ela

De acordo com a escritora, consultora e palestrante Martha Gabriel, para o profissional do futuro se manter relevante precisa fazer aquilo que é melhor que as máquinas.

Martha, que atua nas áreas de marketing digital, inovação e educação, diz que é preciso ter a mentalidade digital, empoderar-se de tecnologia.

“Estudo do Fórum Econômico Mundial indica que até 2060 os robôs farão tudo o que o ser humano consegue. O segredo é caminhar junto com eles para se manter no mercado de trabalho do futuro”, diz ela em sua palestra durante a Expo Fórum Digitalks 2019.

Não só a tecnologia será a responsável por criar novos empregos e encerrar outros, mas também outros pontos causarão mudanças no mercado de trabalho. Pelo menos é o que diz um estudo canadense do Instituto Brookfield, da Ryerson University, em Toronto.

De acordo com a pesquisa, há pelo menos 31 tendências que podem impactar a contratação até 2030, fazendo com que certas habilidades cresçam sua importância, enquanto que outras diminuam. Por exemplo, a criatividade não será mais relegada ao mundo das artes, mas será item obrigatório para resolver problemas rapidamente.

As demais tendências vão desde as mudanças climáticas, passando pelo envelhecimento da população até chegar as contratendências, como a “desintoxicação digital”, ou seja, a proliferação de produtos e serviços que ajudam as pessoas a gerenciar a desvantagem do nosso mundo hiperconectado.

O IsCool App é um aplicativo que conecta pais e a escola através do uso da tecnologia, mas a sua proposta vai muito ao encontro da “desintoxicação digital”, uma vez que permite que as postagens sejam agendadas, liberando o tempo do professor.

Além disso, o app oferece a opção de não permitir respostas em todas as mensagens ou que apenas o autor do comunicado visualize as respostas, evitando assim uma hiperconexão entre as partes envolvidas, devido a assuntos que poderiam ser resolvidos pontualmente.

Já a questão do aprendizado ao longo da vida, para as escolas, parece ser uma notícia animadora, pois significa que poderão ter uma faixa etária mais ampla entre os estudantes. Também, as oportunidades podem continuar aumentando no campo já crescente de plataformas de aprendizado sob demanda.

Deixe uma resposta