A importância do empoderamento de jovens

Conheça um exemplo de projeto que une colégio, pais e a psicologia na busca pela formação integral e apoio aos adolescentes

Empoderamento_Jovens_IsCool_app.png

De um lado, a pressão de uma sociedade cujo estilo de vida é pautado pelas mídias sociais. Do outro, mudanças fisiológicas hormonais difíceis de se interpretar ou controlar. O dia a dia dos adolescentes que vivem essa perigosa combinação de elementos não é nada fácil e o resultado, muitas vezes, contribui para as estatísticas.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam alarmantes números de depressão entre jovens: no mundo todo, cerca de 20% deles sofrem com a doença, que já se tornou a principal causa de inaptidão na faixa etária de 10 a 19 anos. Aqui no Brasil, pesquisas da Associação Brasileira de Psicanálise mostram que 10% dos adolescentes brasileiros convivem com o problema.

Diante de tantas constatações, as escolas têm sentido a responsabilidade e se unido aos pais na busca por soluções para auxiliar os jovens a enfrentar as atribulações e se fortalecer rumo ao futuro. Os projetos, que até vão além das dependências do colégio, visam a formação integral dos adolescentes e contribuem com sua essência, valores e seu plano de vida.

 

Fortalecer raízes e crescer

Fundado em Salvador, no ano de 2013, o Projeto Arvorar Jovem, da Arvorar Desenvolvimento Humano é um dos exemplos de programa voltado para o desenvolvimento do adolescente e que tem obtido resultados significativos a todos os envolvidos direta e indiretamente. Não se trata de um curso extracurricular; longe das apostilas e da pressão por resultados, o projeto promove o fortalecimento das habilidades socioemocionais e a integração dos participantes à sociedade de maneira aprofundada.

Em encontros semanais, os jovens têm a oportunidade de deixar qualquer zona de isolamento, esquecer da virtualidade e simplesmente conversar. Nesses encontros, em que vez ou outra também estão envolvidos jogos e dinâmicas, os adolescentes se desenvolvem juntos de maneira livre e espontânea.

Em seus longos anos como psicoterapeuta, o criador do Arvorar Jovem, o psicólogo e educador Eduardo Santos, identificou que um dos maiores problemas enfrentados pelos adolescentes é o isolamento. Presos em suas casas pelo medo iminente da violência e a insegurança das grandes cidades ou pela pura falta de estímulo para encontros com outros jovens da mesma idade fora do ambiente escolar, os jovens não encontram outra alternativa senão a virtualidade. Daí a importância da socialização no projeto.

“O ser humano é um ser sociável. A gente se reconhece e se fortalece na relação com o outro. A falta da convivência fragiliza, tanto no nível mais pessoal, afetando a autoestima e abrindo espaço para a depressão, como no nível de relação interpessoal, que impede que se crie um ambiente em que seja possível exercitar suas habilidades e se desenvolver”, explica o psicólogo.

 

Convivência, reflexão e ação

Na prática, a mecânica do projeto se baseia em três elementos: a convivência, a reflexão e a ação. Cada um dos elementos, por sua vez, trata uma dimensão desse desenvolvimento: a dimensão do “eu” e do “nós”, a dimensão do mundo e a dimensão do “eu no mundo”, como explicamos a seguir:

– Convivência: dimensão do “eu” e do “nós”

No ambiente criado pela socialização, na oportunidade de encontro que o projeto oferece, são tratados os aspectos da dimensão do “eu” e do “nós”. “Quando falo do ‘eu’, falo de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal, entendimento da natureza humana, dimensão física, emocional e espiritual e discutimos como cada dimensão da nossa vida se integra. No ‘nós’, falamos de comunicação não violenta, de entender o outro e de aspectos sociais”, conta Santos.

– Reflexão: dimensão do mundo

Juntos, os jovens trocam experiências, conhecem outras realidades, trabalham em equipe e permitem se abrir para novas opiniões ou mesmo dar as suas próprias opiniões. Entra em ação, então, o aprendizado orgânico da segunda dimensão: o mundo.

“A dimensão do mundo tenta aproximar os jovens e ampliar a atenção dele para o mundo em que ele vive. Falamos da contemporaneidade, desafios que enfrentamos diariamente na sociedade, o individualismo, consumismo, problemas sociais, suicídio e temas ligados ao mundo deles, que eles mesmo trazem para a pauta”, diz o psicólogo

– Ação: dimensão do eu no mundo

Por fim, a dimensão do “eu no mundo” liga a reflexão com a ação prática. Nessa etapa, os jovens colocam a mão na massa e participam de projetos sociais cujos temas eles mesmos identificam e criam soluções, contribuindo de acordo com suas habilidades.

“Eles ajudam a resolver ou contribuem para o alívio do problema. Depois de realizar a ação, avaliam. Isso abre espaço para que cada um possa se expressar e desenvolver sua própria história”, finaliza Santos.

 

Resultados

Com turmas consolidadas desde 2016, o Projeto Arvorar Jovem conta com resultados concretos, como de jovens que ganham maior autonomia, superam a timidez e melhoram seu rendimento e comprometimento na escola. “Temos o caso da mãe de um adolescente autista, que nos agradeceu por ver seu filho se tornando protagonista em uma ação do colégio e até liderando o grupo. Foi uma vitória enorme, o jovem se tornando protagonista de sua própria historia”, conta Santos.

Outro aspecto positivo do projeto é criação do lazer coletivo, uma vez que eles mesmos se organizam em campeonatos de esportes, de games ou um simples passeio ao cinema e ao teatro.

Deixe uma resposta