Os erros mais comuns em campanhas de matrícula

Entenda se seu colégio está no caminho certo para conquistar novos alunos e manter as classes cheias para 2018

Erros-campanha de matrícula-IsCool App.png

Felizes e contentes com suas escolhas, os pais que já optaram pela rematrícula estão tranquilos e seguros aguardando 2018. Mas, apesar de já estarmos na reta final do semestre, ainda é possível encontrar uma porção de gente que não se decidiu pela escola do filho para o próximo ano, seja por ser pai de primeira viagem, seja por conta de mudanças ou seja, simplesmente, porque busca novos ares e ainda está na etapa de pesquisa.

Diferentemente de quem já decidiu por manter a criança na mesma escola e avaliou critérios cujos quais já falamos na matéria sobre campanhas de rematrícula, os pais em fase de análise da escola ideal são impactados por diferentes discursos e estratégias. Eles constroem suas decisões, muitas vezes, mais de acordo com imagem e força de marca, já que não têm muita experiência prática no histórico.

“As metas e objetivos, portanto, das campanhas de matrícula referem-se a tornar a escola objeto de desejo, identificar os benefícios esperados e investigar as expectativas de quem a procura”, explica Márcia Rosiello Zenker, educadora, psicóloga clínica e educacional e consultora associada à Húmus Consultoria Educacional.

Portanto, quando o assunto é campanha de marketing de matrícula, algumas dicas são imprescindíveis para que erros não sejam cometidos. Conheça alguns desses deslizes e também os acertos, e ajude seu colégio rumo à efetividades de novas matrículas.

 

  • Atendimento telefônico e digital com falhas 

Imagine a expectativa do pai que liga pela primeira vez no colégio para obter mais informações sobre a instituição. Ele carrega alta dose de expectativa, ansiedade e quer ter várias de suas perguntas respondidas. Independente da época do ano, o atendimento precisa ser bom, transparecer segurança e assertividade, com o cuidado de não circular em nenhum dos dois extremos: passividade demais (que pode expor falhas no processo) e objetividade demais (que também não demonstre nenhum sentimento).

Quanto tempo o pai espera para ter sua chamada transferida? Quem é que vai atendê-lo, de fato, e iniciar as apresentações, agendado a visita? Qual o grau de informação passada pelo telefone? O contato telefônico do pai foi anotado corretamente? Tudo isso precisa ser levado em conta e o simples atendimento telefônico deve ser pensado com carinho, mesmo por quem substitua a posição no almoço da telefonista, por exemplo.

Aqui, vale citar, também, outros canais de comunicação, como o atendimento via mídias sociais – muito comum hoje – ou a visita de um pai sem agenda marcada. Treinamento de equipe é essencial o ano todo.

 

  • A língua do “pedagogês”

Usar termos diferenciados é muito comum entre os coordenadores pedagógicos, mas não funciona com o público em geral, o qual, muitas vezes, acredita que essa seja uma gíria inteligível. “’Aqui na nossa escola fazemos uso de metodologias ativas’. Sim, e daí? Famílias e alunos não sabem o que é isso, e nem precisam saber. É necessário tornar a comunicação muito próxima de quem ouve sobre a escola”, orienta Márcia.

Ainda segundo a especialista, a escola pode e deve oferecer capacitação à equipe responsável pelo atendimento e o mercado conta com diversas opções de treinamento com esta finalidade.

 

  • Apresentação muito técnica e fria

A estrutura do colégio é parte essencial no processo de avaliação e precisa ser ressaltada, mas o valor ao espaço não é criado pela quantidade de opções disponíveis ou o uso de tecnologias de última geração e, sim, como aquilo beneficia o dia a dia do aluno e como isso se aplicará em sua vida. “Todas as escolas têm laboratório de Ciências, ou deveriam ter. Como a sua escola atribui valor a esse espaço e a todos os outros, por exemplo, tornando-a singular frente à concorrência? É necessário rever esse aspecto”, ilustra a consultora.

 

  • Falta de personalidade e originalidade

Diferenciar-se da concorrência vai além de oferecer melhor infraestrutura que os demais colégios. Existem detalhes que são só da sua instituição e que precisam ser ressaltados, já que os pais estão cansados de mais do mesmo e parte do encantamento está na criatividade e personalidade à mostra.

Seu colégio já ganhou prêmios, promove eventos, está ligado a alguma instituição beneficente, tem bons parceiros, é próximo das famílias, se dirige às crianças por nome e sobrenome? O que sua escola tem que as outras não têm?

 

O que mais atrai os pais durante as pesquisas de matrícula?

Uma pesquisa do Ibope apontou que o item segurança, em 2010, contava mais do que qualidade de ensino na hora da escolha da instituição. De lá para cá, os colégios intensificaram os seus investimentos nessa área e reforçaram suas estruturas.

Hoje, apesar de haver essa preocupação, fica cada vez mais difícil elencar um ou outro ponto que seja mais importante para uma maioria. Para um certo número de pais, por exemplo, estar em um ambiente com os mesmo valores ensinados em casa é fundamental, por isso não abrem mão de instituições religiosas. Para outros, localização e preço ainda são importantes, daí o desafio de equilibrar-se entre os dois.

“Sabemos que determinadas escolas fazem parte do imaginário social de algumas famílias. A partir daí, estas expressam suas escolhas. Entendo que, hoje, os argumentos de que a escola tenha professores excelentes, metodologias “X” ou “Y”, atividades extra curriculares, quadras poliesportivas, etc. não sustentem efetivação de matrículas. Muitos argumentos transformaram-se em commoditie.”, identifica Márcia.

 

Construindo uma boa imagem

A fama precede o colégio e, hoje, com a facilidade de encontrar informações, todo cuidado é pouco na construção de uma marca forte. Mais que uma campanha de marketing que inclua publicidade em revistas e outdoors, e independente da época do ano, o cuidado com o nome da escola deve ser constante e estar entre os primeiros itens do planejamento administrativo, de maneira que abranja a instituição como um todo.

Se você já tem trabalhado boas práticas em seu colégio, conta com administração pedagógica focada, equipe bem treinada e em sintonia, além de assessorias especializadas e uma comunicação efetiva, então, o caminho para o sucesso do negócio está livre. São esses os pontos que serão responsáveis pela melhor propaganda que seu colégio pode ter: a indicação.

Um comentário sobre “Os erros mais comuns em campanhas de matrícula

Deixe uma resposta